A PROPÓSITO DA CARTA DE PALOMA AMADO A GUGA CHACRA – Samira Adel Osman

Nestas ‘Provocações à História’ que faz às vezes de resposta a textos recentes veiculados por Guga Chacra, Samira Adel Osman, professora de História da Ásia do Departamento de História da Unifesp, problematiza porque não se cobriu e comentou de maneira complexa os últimos eventos trágicos ocorridos em Beirute, lançando-se mão de certos lugares-comuns de um memória mitificada da ‘herança’ da imigração libanesa no Brasil. 

Boa leitura e deixem seus comentários!

A PROPÓSITO DA CARTA DE PALOMA AMADO A GUGA CHACRA

Profa. Dra. Samira Adel Osman, Docente de História da Ásia da UNIFESP

 

 

 Ilustração de Marina Garcia Ferreira a partir de foto da AFP

Não sou leitora do Jornal O Globo nem tampouco espectadora da Globo News. Não acompanho Guga Chacra por nenhuma rede social. Não tenho redes sociais, nem o twitter, talvez porque seja prolixa talvez porque sei que me envolveria em muitas polêmicas. No entanto, em decorrência do último triste acontecimento envolvendo o Líbano nas explosões que aconteceram no dia 04.08.2020 tenho acompanhado, por dever de ofício (pesquiso sobre o Líbano, os imigrantes no Brasil e os retornados ao Líbano) e por dever moral (tenho familiares, tios, tias, primos e primas, conhecidos vivendo no Líbano), o que o jornalista tem escrito e falado sobre esses acontecimentos.

Quando Guga Chacra conta que o pai supunha a origem libanesa de Jorge Amado, lembro do meu pai árabe, nascido no Líbano, dizendo que Fidel Castro também tinha essa mesma origem. Também lembro em minha infância, assim como Paloma Amado, da figura de Gamal Abdel Nasser em uma reprodução fotográfica emoldurada e pendurada na sala de visitas da casa do meu pai. Não era só um líder do mundo árabe, era quase parte da minha família.

Lembro também da oportunidade de entrevistar Milton Hatoum e ele me relatar sobre a loja dos seus pais cujo nome era, salvo engano, Flor de Manaus. Contei a ele que meus pais tinham uma loja de tecidos e confecções chamada Flor de Itaberaba, em referência a uma rua em São Paulo onde eles se estabeleceram comercial e residencialmente desde a década de 1950 quando para cá imigraram.

Todos esses relatos, curiosidades, anedotas fazem parte da história e da memória da imigração. Imigração que não se resume a dados, números e fatos, e que é composta de narrativas, lembranças, experiências, dores, alegrias…

Mas o que isso tudo tem a ver com as explosões do Líbano? Por que a origem de Jorge Amado, Milton Hatoum, Raduan Nassar, Guga Chacra, Michel Temer, William Bonner e tantas outras pessoas que tem origem árabe é relevante para a compreensão sobre as explosões no Líbano? Por que essas histórias são mais importantes do que as histórias interrompidas das mais de 200 vidas perdidas, das 110 pessoas desaparecidas, dos mais de 7 mil feridos, e dos 250 mil desabrigados? Por que o anedótico é mais importante do que os danos estimados entre U$ 3 bilhões e U$ 5 bilhões?

Penso que uma cobertura jornalística séria, informativa, desvinculada de estereótipos e descomprometida de agendas políticas duvidosas deveria estar preocupada em compreender o fato (a explosão de mais de 2700 toneladas de nitrato de amônia), as consequências humanitárias (mortes, feridos, desaparecidos, desabrigados), as consequências econômicas para um país que já vive uma grande crise (hiperinflação, desvalorização aviltante da moeda, dívida pública galopante, desemprego, empobrecimento, miséria da maior parte da população libanesa sem desconsiderar os refugiados palestinos e sírios), as conseqüências políticas (que resultou na demissão do primeiro ministro e de parte de seu gabinete) e, sobretudo, o jogo político nacional, regional e mundial que mais uma vez usa o Líbano como seu quintal.

Repetir o velho slogan orientalista de que Beirute é a Paris ou a Suíça do Oriente Médio, de que Beirute está na confluência de Oriente e Ocidente, de que Beirute é uma cidade cosmopolita mas fissurada pelo sectarismo religioso, que seu patrimônio histórico bem serve ao deleite dos turistas ocidentais, não ajuda a compreender a crise econômica, política, social pela qual tem passado o Líbano nas últimas décadas, ou desde que proclamou sua independência da tuteladora França em 22 de novembro de 1946.

Tampouco considerar que a re-tutelagem do Líbano pela França seria a solução para todos esses problemas, muito menos que a paz com Israel seria melhor do que os acordos com o Hezbollah, assim como demonizar o Irã pelo mal do Líbano e isentar a Arábia Saudita de seus interesses (esquecemos do episódio da renúncia de Saad Hariri do cargo de primeiro-ministro libanês acontecido nesse país?).

Discordo da carta (bela, se não fosse o contexto em que foi escrita) de Paloma Amado em um ponto: ser libanês não é mais ou menos um destino nosso; ser libanês é um destino completamente libanês. Um trágico destino libanês! Parafraseando o escritor libanês Samir Kassir (não em sua obra Beirute!), não é agradável ser libanês nos nossos dias. Romantizar a tragédia é piegas.

Em tempo 1: A vinda dos judeus sefaradis ao Brasil na época de Nassau não foi decorrência da perseguição do Império Turco-Otomano e sim das inquisições ibéricas. Sob o domínio turco, os judeus viviam nas milliets.

Em tempo 2: No Programa Fantástico exibido no dia 09.08.2020, as imagens das explosões ocorridas na capital libanesa foram embaladas com a canção Li Beirut da cantora Fairouz, gravada nos anos 1980 no contexto da guerra civil que assolava o país. Para refletir: na exibição das imagens dos atentados de 11 de setembro às Torres Gêmeas em Nova Iorque, alguém imagina Frank Sinatra entoando New York, New York? Alguém perguntaria a algum analista se moraria em Nova Iorque?


One thought on “A PROPÓSITO DA CARTA DE PALOMA AMADO A GUGA CHACRA – Samira Adel Osman”

  1. O jornalismo, principalmente o da empresa em questão, nunca é isento.
    Há sempre um viés político e/ou econômico.

Responder a Júlio Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.