[ARTIGO] Seminários de Atualização Historiográfica II – M.Rita Toledo e Fábio Franzini

Este é o primeiro texto que publicamos no blog, resultante das apresentações e intervenções feitas nos Seminários & Colóquios do Observatório. A prof. Maria Rita apresentou uma versão do texto abaixo no I Colóquio.
Em breve, mais textos serão publicados.

Boa leitura e deixem seus comentários!

z

SEMINÁRIOS DE ATUALIZAÇÃO HISTORIOGRÁFICA II:
relato de uma proposta formativa

Profa Dra Maria Rita de Almeida Toledo
Prof. Dr. Fábio Franzini

O objetivo deste texto é apresentar os contornos da proposta formativa da unidade curricular Seminários de Atualização Historiográfica II, voltada para os alunos do Programa de Pós-Graduação em História da Unifesp. Fruto de uma longa discussão sobre as estratégias de inserir os estudantes no debate acadêmico de modo que ampliassem seus horizontes e percebessem que o próprio campo da História está em movimento, essa discussão fez parte da construção do projeto do Programa, aprovado pela CAPES em 2011.

Entre 2012, primeiro ano de existência do nosso Mestrado, e 2013, a estratégia adotada foi a de apresentar as investigações desenvolvidas pelos docentes e pós-doutorandos vinculados ao PPGH, por meio da exposição de artigos ou projetos que dessem suporte ao debate. No entanto, ao longo das sessões, notou-se a baixa participação dos estudantes nas discussões, que acabavam animadas pelos docentes do Programa. Essa avaliação implicou a alteração do funcionamento desse espaço, já que um de seus fundamentos era a participação ativa dos estudantes no processo de aquisição ampla dos conhecimentos atualizados das pesquisas historiográficas e das práticas desenvolvidas pelos diferentes investigadores.

A própria docente responsável pela organização dos Seminários, Profa. Dra. Wilma Peres Costa, desanimada com a postura dos alunos, começou a repensar as estratégias e dinâmicas dos encontros, vendo no trabalho com revistas acadêmicas uma solução para engendrar práticas ativas do corpo discente. Na sua avaliação, no lugar de escutar o que a autoridade do corpo docente tinha a dizer, em sessões que pareciam replicar as aulas magistrais, o espaço poderia oferecer aos estudantes experiências ativas com periódicos, despertando o interesse por esses materiais mais dinâmicos e multifacetados que, à sua maneira, contribuem de modo decisivo para configurar o campo da História. Foi dessa proposição que, em 2014, se consolidou entre os docentes a ideia de que a investigação, por parte dos alunos, sobre títulos da área seria uma atividade fundamental para que os Seminários de Atualização Historiográfica II pudessem alcançar os objetivos por nós esperados.

Nesse mesmo ano, nós, autores deste texto, assumimos a direção da unidade curricular e começamos a dar forma a essa nova proposição. Para tanto, levávamos em consideração o papel relevante que os periódicos acadêmicos têm em nosso tempo, seja pela maquinaria de avaliação da CAPES, seja pelo amplo investimento que programas de pós-graduação, sociedades científicas e associações têm realizado nesse tipo de veículo de circulação dos conhecimentos historiográficos, cuja tradição remonta pelo menos ao século XIX. Queríamos propiciar aos alunos a experiência da organização de pesquisas coletivas, em equipes colaborativas, na produção de dados e análises sobre objetos comuns. Dito de outra maneira, pretendíamos, deslocar o aluno da posição passiva em relação à atualização de seus conhecimentos para uma posição de ação, enfrentando os desafios da organização do grupo operativo, tanto no que diz respeito ao planejamento das atividades coletivas quanto ao modo de coligir e organizar informações e dados para tais análises.

Ao mesmo tempo, desejávamos também proporcionar ao coletivo espaços de discussão dessas pesquisas, cuja dinâmica poderia estar marcada pelas lógicas de compartilhamento dos dados e análises fruto do trabalho discente. Para nós, o aluno ideal seria o que saísse do curso com uma formação especializada, sem abrir mão do caráter formativo mais amplo; tivesse sólida base teórica; domínio do debate historiográfico; e domínio do ofício da pesquisa. Ainda que os Seminários não pudessem dar conta de tudo, ao menos poderiam oferecer uma experiência com a pesquisa e com debates historiográficos. Por conta disso, os objetivos principais da nossa disciplina eram: propiciar aos alunos o acompanhamento da produção atual, veiculada em periódicos brasileiros e estrangeiros; ampliar a visão dos alunos para além de seu trabalho especializado (assuntos, temas, fontes e recortes teóricos), para superar a posição “Não li e não gostei”; indicar os caminhos para a formação mais “erudita” do ofício do historiador.

O primeiro trabalho sob essa perspectiva, ainda um tanto experimental, ocorreu no 2o semestre de 2014. Depois dos tropeços dessa experiência,1 refinamos a proposta em 2015 e 2016, estabelecendo um certo padrão de que garantisse a continuidade estável da disciplina, de modo que qualquer colega do Programa pudesse assumi-la sem sustos.

Proposta estrutural dos Seminários

A proposta de fundo da experiência é a decifração do que chamamos “fórmula editorial” dos periódicos.2 Com essa categoria objetivamos implicar três perspectivas de análise:

  1. a decifração do lugar de poder e querer3 que os produtores de cada periódico ocupam no campo acadêmico, já que se trata de periódicos que se inscrevem necessariamente nesse espaço de poder. Isso implica, necessariamente, entender esse lugar como “lugar do próprio”4 – porque esse lugar (e quem o ocupa) detém um saber específico sobre o outro: o leitor e seu campo de interesses. Mas, também, detém poder sobre os autores e as representações que põem a circular em suas investigações sobre a pesquisa, modelos e práticas do ofício. Esse saber e poder adquiridos com a ocupação do lugar de poder permitem esquadrinhar os espaços nos quais os agentes atuam, transformando o outro em objetos estrategicamente reorganizados nos periódicos. Por fim, esse saber materializa-se em estratégias editoriais inscritas em cada um dos números dos periódicos, estabelecendo fronteiras entre campos de saberes, operando a exclusão/inclusão de autores, conteúdos, preferências, etc., delineando um público no espaço da leitura que constitui.

  1. A decifração das estratégias mobilizadas para dar vida à política editorial de cada periódico, materializadas, de um lado, no aparelho crítico (editoriais, seções, comentários, notas, etc.) que organiza o seu espaço de leitura. Esse aparelho crítico5 pode ser analisado desde o nome do periódico, passando pelos critérios de distribuição dos gêneros textuais, pela organização das manchas das páginas, pelas capas, sumários, créditos, composição de comissões, formas de veiculação/divulgação, etc. De outro, nas práticas de seleção de autores e conteúdos publicados que demanda o trabalho, não só com o que é enunciado/proclamado nas regras e editoriais dos periódicos, mas também com os resultados empíricos dessas práticas, distribuídos em cada um dos números/volumes impressos. Essas questões centrais dão a ver os importantíssimos lugares que cada periódico/editores ocupam na organização do campo acadêmico. Suas práticas, pode-se dizer, constituem uma “geografia cultural” porque expressam a dinâmica de produção da produção escrita do campo.

  1. A compreensão das práticas que instituem essa geografia, isto é, a dos outros lugares que concorrem ou submetem editores/pesquisadores, impondo regras específicas de produção6, como as das agências de financiamento e avaliação; as relações entre universidades, com suas capacidades econômicas e políticas de sustentação (ou não) dos projetos editoriais, ou seus capitais econômicos, sociais e políticos, sempre empregados com maior ou menor intensidade nesses projetos. Além disso, é preciso também levar em conta as regras dos veículos de divulgação e indexação dos periódicos, que também alteram sobremaneira projetos, impondo formas específicas a seu funcionamento.

Essa ampla proposta de investigação dos periódicos acaba por dar a ver uma expressiva parcela da geografia do nosso campo, com suas fronteiras, tipologias e dinâmicas práticas de organização e veiculação da produção do conhecimento.

zEstratégias de investigação dos periódicos

Para a aproximação e análise efetiva dos títulos indicados, estabelecemos uma bibliografia de referência, a ser consultada por todos,7 e sugerimos que os alunos efetuassem suas investigações mobilizando algumas categoriais analíticas gerais:

a) Descrição do lugar de poder

Essa categoria permite a descrição do lugar institucional que abriga os periódicos analisados. Os alunos deveriam, portanto, apresentar:

  • o histórico do periódico – localização do lugar de produção;
  • os discursos (re)fundadores dos periódicos e, quando pertinente, também os comemorativos e aqueles sobre efemérides do próprio periódico ou outras que implicam em números especiais, editoriais específicos, cartas, manifestos, etc.;
  • os lugares institucionais de seus fundadores, que podem ou não coincidir com o lugar no qual determinado periódico nasce (cabe notar que, aqui, os estudantes precisam usar outras fontes de pesquisa além dos próprios periódicos, como uma bibliografia acerca da instituição – a universidade, o programa de pós-graduação, a sociedade de pesquisa…; narrativas sobre o processo de sua institucionalização; memórias dos sujeitos fundadores ou de contemporâneos. Tais materiais devem ser mobilizados para a compreensão do lugar de enunciação a partir dos quais os periódicos são conformados);
  • o mapeamento analítico do corpo editorial (diretivo e consultivo) ao longo do tempo, análise que busca compreender os lugares de formação e atuação do conjunto dos nomes próprios que autorizam a circulação do periódico em pauta.

b) Estratégias para dar vida política para o periódico

Essa categoria permite a investigação sobre o próprio periódico, devendo os alunos apresentar:

  • um estudo das origens do nome do periódico (dimensão historiográfica e simbólica);
  • sua política editorial;
  • suas normas de publicação;
  • uma descrição da estrutura interna do periódico (seções; gêneros textuais; modo de distribuição dos textos nas páginas [mise en page]; distribuição quantitativa das seções/textos nas páginas dos periódicos.

c) Cruzamento entre informações

Essa categoria dedica-se ao confronto entre o corpo editorial e o que é realmente selecionado pelas páginas do periódico. Os alunos, aqui, devem organizar critérios de classificação dos textos publicados de modo que possam descrever o seu conteúdo – por exemplo, por temas e assuntos, temporalidades/períodos, âmbito geográfico, fontes documentais e referências, entre outras possibilidades.

Para garantir que a escolha dos títulos fossem pertinentes e legítimas, a partir de 2015, como já indicado, passamos nós mesmos a selecionar e apresentar aos estudantes um conjunto de periódicos a serem investigados. Decidimos também que ano a ano, a cada versão dos Seminários, um conjunto novo de títulos deveria ser examinado, de modo que os alunos pudessem produzir conhecimentos novos, contribuindo com o estudo da geografia cultural do campo da História.8

Esse trabalho coletivo, ao final de cada semestre, ao nosso ver, pode auxiliar a elaboração de uma visão mais ampla do campo da historiografia por parte dos alunos e construir conhecimentos a serem disponibilizados aos próprios produtores dos periódicos e, de modo geral, a todos que estão inseridos nesse campo.

O interessante da experiência é que cada grupo de alunos se apropria da consigna geral de modo particular, sempre apresentando perspectivas inesperadas, como fizeram ao tomar os dados de acesso dos leitores às bases eletrônicas para verificar o que é lido (ou mais lido), ou quando verificaram, nessa mesma chave de leitura, a permanência de um determinado artigo como referência importante para os leitores em relação a outros artigos do mesmo número, trançando momentos de sucesso ou de permanência dessas referências. Em todos os casos, porém, um aspecto comum sempre acaba por se sobressair: a expressividade dos periódicos acadêmicos, tanto como objeto de pesquisa quanto como sismógrafo do campo historiográfico, seja o nacional ou o internacional. Ao mesmo tempo – e isto também é muito relevante –, torna-se unânime entre os mestrandos o reconhecimento da importância de se acompanhar atentamente o conhecimento que se divulga nesses veículos e o próprio sentido de sua existência.

NOTAS

1 Nessa primeira versão, deixamos que os alunos escolhessem os periódicos a serem analisados, sem estabelecer critérios específicos. Essa falta de critérios resultou, de um lado, na opção por periódicos irrelevantes, do ponto de vista da inserção no campo historiográfico; de outro, na opção por periódicos extremamente especializados, que tendiam a reapresentar temas e problemas conhecidíssimos dos discentes. A partir disso, passamos a escolher os periódicos a serem analisados em cada semestre, apresentando uma relação pré-definida de títulos (novos a cada curso) para a escolha dos grupos.

2 CHARTIER, Roger. A História Cultural. Entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.

3 DE CERTEAU, Michel. L´invention du cotidien. 1. arts de faire. Paris: Gallimard, 1990.

4 Idem.

5 GENETTE, Gérard. Paratextos Editoriais. São Paulo: Ateliê Editora, 2009; OLIVERO, Isabelle. L’Invention de La Colection. Paris:Éditions de L’IMEC/Éditions de La Maison dês Sciences de l’Homme,1999.

6 Cf TOLEDO, Maria Rita, op. cit.

7 A partir da segunda versão dos Seminários, em 2015, adotamos a seguinte bibliografia para a discussão das categorias de investigação: BOURE, Robert. Sociologie des revues de sciences sociales et humaines. Reseaux, v. 11, n. 58, 1993. BENCHIMOL, Jaime L.; CERQUEIRA, Roberta C.; MARTINS, Ruth B. ; MENDONÇA, Amanda. História, Ciências, Saúde – Manguinhos: um balanço de 12 anos de circulação ininterrupta. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, jan.-mar. 2007. DECLARACIÓN DE EL COLEGIO DE MÉXICO. Hispania. Revista Española de Historia, Madrid, v. LXXI, n. 237, enero-abril, 2011. GINZBURG, Jaime. Periódicos Acadêmicos: antagonismo entre produção e leitura (notas sobre revistas da área de Letras publicadas em 2013). Expedições: Teoria da História & Historiografia. v. 5, n. 1, janeiro-julho, 2014. LEVY-DEMOULIN, Olivier. Revues Historiques. In: DELACROIX, C.; DOSSE, F.; GARCIA, P.; OFFENSTADT, N. (dir.). Historiographies. Conceptes et Débats. Paris: Gallimard, 2010. SANGALLI, Arturo. Será que sua publicação é mesmo séria? Matraga, n. 8, out., 1997. TOLEDO, Maria Rita de Almeida. Anísio Teixeira e o projeto do Boletim “Educação e Ciências Sociais” (1956-62). In: Anais do II Congresso Brasileiro de História da Educação. Natal: UFRN/SBHE, 2009.

8 Entre 2014 e 2016, foram examinados os seguintes periódicos: National Identities (Inglaterra); Tempo (UFF); Mundos do Trabalho (UFSC/GT- Mundos do Trabalho/ANPUH); História e Cultura (Unesp-Franca); O Olho da História (UFBA) [1º conjunto, com títulos escolhidos livremente pelos alunos]; Revista Brasileira de História (ANPUH), Revista de História (USP), Estudos Históricos (FGV), Varia Historia (UFMG), Anos 90 (UFRGS); História da Historiografia (SBTHH) [2º conjunto]; Projeto História (PUC/SP); História (Unesp); Topoi (UFRJ); Almanack (Unifesp); Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB); Revista Brasileira de História da Educação (SBHE) [3º conjunto].



Citar este post
Observatório da História (2018, 22 Junho). [ARTIGO] Seminários de Atualização Historiográfica II – M.Rita Toledo e Fábio Franzini. Observatório da História. Recuperado em 22 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/plxh

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.