Matéria sobre desemprego, mercado acadêmico e jovens doutores

O portal G1 publicou uma matéria sobre a situação do mercado de trabalho acadêmico e as perspectivas (a falta delas) para jovens doutores. Há pontos ali merecedores de uma reflexão maior.  Para além da resposta evasiva e falsa do MEC sobre a falta de recursos para o sistema público federal, há pontos importantes a se considerar sobre como e para quê estamos formando tantos doutores.

Aqui tomo emprestadas as ponderações de Rodrigo Turin expressas na reportagem (e que foram apresentadas de maneira ampla e muito contudente no último Colóquio do Observatório) para que problematizemos também sobre os rumos da Pós-Graduação e da formação de historiodor@s neste contexto de crise. Não devemos nos perguntar se não estamos, como no caso da nossa produção (ou melhor, do nosso produtivismo), simplesmente reproduzindo uma lógica produtivista e de mercado acadêmico?

Um resultado disso pode ser resumido pela anedota que está na introdução de Manifesto of a Tenured Radical (Nova York: NYU Press, 1997),  que um doutorando ao se aproximar da defesa, após anos sendo incentivado a fazer pesquisa e buscar ser original e ter níveis de “excelência”, disse que começou a ver o túnel no fim da luz.

Para a matéria inteira, clicar aqui.

Obs.: a tirinha que ilustra o post é do Ph.D Comics e pode ser lida aqui.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Luís Filipe Silvério Lima (16 de Julho de 2018). Matéria sobre desemprego, mercado acadêmico e jovens doutores. Observatório da História. Recuperado em 25 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/plxj


4 thoughts on “Matéria sobre desemprego, mercado acadêmico e jovens doutores”

  1. Reflexão que serve de alento e estímulo para este jovem doutorando. Obrigado e parabéns pelo trabalho de vocês!

    1. Diógenes,
      Que bom que há alento no fim da luz… ou do túnel!
      Seja bem-vindo e obrigado pelo comentário.
      Até a próxima,
      LF

    1. Muito bom a indicação do artigo do Rodrigo Turin. Ótima leitura (mais do que) complementar!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.