Arquivo de etiquetas: destaque

[ARTIGO] BNCC e a Formação de Professores: Interlocuções possíveis ou “façamos um trato”

Neste belo ensaio, Antonio Simplicio de Almeida Neto, do Departamento de História da Unifesp, discute as implicações da BNCC para a formação de professores e o Ensino de História. O texto foi debatido anteriormente no Fórum de Ensino de História – A História na Educação Básica organizado pelo GT Ensino de História da Anpuh-Brasil , na mesa “História e Ciências Humanas no Ensino Médio: Interlocuções Possíveis”, em 6 de dezembro 2019 na FFLHC-USP. .

Integrante e colaborador do Observatório, o prof. Antonio enviou-nos o texto para que publicássemos aqui no blog, pelo que agradecemos. Boa leitura e deixem seus comentários!

BNCC E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Interlocuções possíveis ou “façamos um trato”

Prof. Dr. Antonio Simplicio de Almeida Neto UNIFESP – Depto. História

O escritor e matemático Lewis Carrol (1832-1898) é o autor do poema visual Tail-Poem, traduzido por Augusto de Campos e publicado no livro O Anticrítico (1986)1.

Poema-Cauda
Tradução de Augusto de Campos do poema de Lewis Carrol. (imagem retirada do blog de Cecilia Furquim)
Continuar a ler[ARTIGO] BNCC e a Formação de Professores: Interlocuções possíveis ou “façamos um trato”

[ARTIGO] Escola para quê? Notas sobre o discurso da escola para o trabalho – Maria Rita Toledo

 

O texto abaixo foi apresentado por Maria Rita de Almeida Toledo, da Unifesp, no Fórum de Graduação da Anpuh-SP. Fez parte das atividades do GT de Ensino de História e das discussões sobre o BNCC realizadas ao longo de 2017 e 2018, um debate importantíssimo para nós da área de História.

A profa. Maria Rita enviou-nos seu texto para que o publicássemos e discutíssemos aqui no blog do Observatório, pelo que lhe agradecemos.

Boa leitura e deixem seus comentários!

Escola para quê?
Notas sobre o discurso da escola para o trabalho

Maria Rita de Almeida Toledo
Unifesp

 

Os educadores vêm testemunhando um colossal esforço – que não tem se mostrado exatamente malsucedido – de exportação, para as escolas, da crise econômica e de relações de autoridade que afeta as práticas e políticas de grupos dominantes. Querem nos convencer que “se as escolas, seus professores e seus currículos fossem rigidamente controlados, mais estreitamente vinculados às necessidades das empresas e das indústrias, mais tecnicamente orientados e mais fundamentados nos valores tradicionais e nas normas e regulamentos dos locais de trabalho, então os problemas de aproveitamento escolar, de desemprego, de competitividade econômica internacional, de deterioração das áreas centrais das cidades etc. desapareceriam quase por completo.1

O excerto do texto de Apple, escrito nos anos 90, apesar de não se referir especificamente à escola brasileira, nos desvela de pronto as representações que têm se apresentado como senso comum – como discurso hegemônico sobre a escola – e por isso mesmo, têm justificado, de um lado, as necessidades das reformas do ensino médio e do currículo expressas na BNCC, e de outro, são as linhas mestras dessas mesmas reformas. Como discurso que se quer hegemônico, tende a apagar outras possibilidades para a escola e seus significados, assim como a sua história. Esse apagamento já está implicado na autorização de um discurso reiterado sobre a ineficácia da atuação das instituições escolares no Brasil, da inexistência de experiências positivas produzidas pelos seus corpos docentes, discentes ou administrativos, de seu eterno fracasso. Esse fracasso, portanto, autoriza as reformas educacionais, porque essas últimas, finalmente, produziriam o “novo” para essas instituições. Esse “novo”, calcado no controle rígido do currículo e na articulação das finalidades da escola às finalidades do mundo empresarial, seria a solução mágica para a inépcia do professor e a ignorância de seus alunos. Continuar a ler[ARTIGO] Escola para quê? Notas sobre o discurso da escola para o trabalho – Maria Rita Toledo

[ARTIGO] O Futuro do Passado no Presente: historiografia e indisciplina – Arthur Avila

Este é o terceiro texto que publicamos no blog resultante das apresentações e intervenções feitas nos Seminários & Colóquios do Observatório. O prof.  Arthur Avila, da UFRGS, apresentou uma versão do texto abaixo no III Colóquio do Observatório. O texto será publicado ano que vem em livro.

Boa leitura e deixem seus comentários!

O Futuro do Passado no Presente:
historiografia e indisciplina
i

Arthur Lima de Avila
Dep. de História/UFRGS

Há algum tempo, vários autores e autoras tem feito alguns prognósticos bastante sombrios quanto ao futuro da historiografia disciplinada. Mesmo que mal-estares não sejam necessariamente novos nas oficinas de Clio, existe, nas atuais considerações, algo mais casmurro do que a simples constatação de uma crise qualquer: para estes analistas, é o próprio futuro da disciplina que parece estar em jogo nas primeiras décadas do século XIX. O argumento, esgrimido de diversas maneiras por diferentes historiadores e historiadoras, tais como Maria Inés Mudrovcic (2014), Chris Lorenz (2014), Rodrigo Turin (2018) e Ethan Kleinberg (2017), é simples, ainda que não menos grave por isso: produto de uma determinada conjuntura histórica, aquela da Europa ocidental decimonónica, e fielmente atrelada aos seus pressupostos fundadores, a historiografia disciplinada estaria se tornando, ou já se tornado, obsoleta no novo milênio, justamente por causa das mudanças estruturais globais do último meio século, pelo menos. Desta maneira, não estaríamos passando por uma simples “crise de paradigmas” ou “de metodologias”, ou, para parafrasear Albert Camus (2017, p. 53), o problema não seria o o vocabulário, mas o tempo: nessa situação, estaríamos enfrentando uma crescente resistência, ou mesmo a inexistência, de uma demanda contemporânea pelo tipo de conhecimento proporcionado pela disciplina. Não seria o caso, assim, de estarmos vivendo num “mundo sem passado”, como asseverou Manuel Cruz (2013), mas em um em que a história, uma das imaginações modernas por excelência, se tornou desnecessária ou redundante, ao menos para os projetos de poder dominantes na atualidade. Continuar a ler[ARTIGO] O Futuro do Passado no Presente: historiografia e indisciplina – Arthur Avila