BOLSISTAS PARA O OBSERVATÓRIO: EDITAL DE SELEÇÃO

O edital para seleção de bolsistas para o Observatório da História finalmente saiu!

As inscrições vão até quinta, 12/12, ao meio-dia. @s interessad@s devem enviar para o email histobsunifesp@gmail.com sua ficha de inscrição preenchida (ficha em anexo ao edital), o Currículo Lattes e uma carta de intenções expondo seu interesse no trabalho, com todos os dados para contato (endereço, telefone e e-mail ativo). Os resultados serão divulgados na sexta, 13/12.

Clique no Edital para maiores instruções: Edital 669 Observatorio da Historia

Qualquer dúvida adicional, enviem email para histobsunifesp@gmail.com

Observatório da História contemplado no edital dos Observatórios da Unifesp

O Observatório da História foi contemplado no edital de Fomento aos Observatórios da Unifesp. Foram 10 propostas submetidas e sete selecionadas para os Observatórios Temáticos. O apoio da Proec/Unifesp para os Observatório prevê bolsas para graduandos e graduados para trabalharem nos projetos do Observatório. Em breve divulgaremos aqui no blog o processo seletivo para bolsistas.

IV Colóquio do observatório

Convidamos tod@s para participarem do IV Colóquio do Observatório da História, “História em tempos torpes”. O IV Colóquio ocorrerá no Campus Guarulhos da Unifesp, no dia 12 de novembro, terça-feira, das 10h às 17h30. A programação segue abaixo.

10h – ABERTURA
10h15 – MESA 1 – Memória e História em tempos torpes – Alexandre de Sá Avelar (UFU) & Valdei Lopes de Araújo (UFOP)
12h45 – ALMOÇO
14h30 – MESA 2 – Ensino de História em tempos torpes – Angela Ribeiro Ferreira (UEPG) & Paulo Eduardo Dias de Mello (UEPG)
17h – ENCERRAMENTO


IV Colóquio do Observatório da História
Data :
12 de Novembro de 2019 Horário : 10h-17h30
Local : EFLCH, Unifesp, Campus Guarulhos – Sala 307 (Prédio Didático) – Estrada do Caminho Velho, 333 – Guarulhos – SP

Seminário do Observatório – “Produção de verdade(s) e preservação de documentos em tempos de fake news e cultura digital”

Convidamos tod@s para o Seminário do Observatório de 2019, que ocorrerá na próxima terça-feira, dia 21, das 10h às 13h, no Auditório do Campus Guarulhos da Unifesp.
 
Neste ano, o tema será a “Produção de verdade(s) e preservação de documentos em tempos de fake news e cultura digital”, e a discussão contará com o escritor Ricardo Lísias e o Prof. Renato Pinto Venancio (UFMG) como expositores, e o prof. Bruno Feitler da casa, como mediador. 
 
Seminário do Observatório – 2019
“Produção de verdade(s) e preservação de documentos em tempos de fake news e cultura digital”
Data: Terça, 21 de Maio. Horário: 10h às 13h
Local: Auditório da EFLCH – EFLCH, Unifesp, Campus Guarulho, Estrada do Caminho Velho, 333 – Guarulhos. 
 

[ARTIGO] Livros digitais: potencialidades e desafios para as Ciências Humanas

O texto de Maria Clementina Cunha e Silvia Lara, do Cecult/Unicamp, apresenta uma discussão sobre os livros digitais e a produção e divulgação em História. Traz também a experiência frente à coleção Históri@ Illustrada, da Editora da Unicamp.

As autoras enviaram-nos o texto para que publicássemos aqui no blog do Observatório, pelo que agradecemos.

Boa leitura e deixem seus comentários!

LIVROS DIGITAIS:
potencialidades e desafios para as Ciências Humanas

Maria Clementina Pereira Cunha
Silvia Hunold Lara

Cecult/Unicamp

Quando foi eleito presidente da Associação Americana de História (AHA -American Historical Association), Robert Darnton pensou em políticas de longo alcance na área de História. Na divulgação de suas pesquisas sobre o mundo dos livros no século XVIII, ele estava cada vez mais interessado pelas potencialidades da internet e dos recursos digitais e começava sua bem-sucedida carreira junto a bibliotecas públicas e acadêmicas.1 Propôs então à AHA um projeto que visava publicar títulos acadêmicos em formato eletrônico. A ideia destinava-se a promover áreas pouco interessantes para as editoras convencionais e a incentivar pesquisadores em início de carreira. Mas era também uma forma de divulgar pesquisas históricas de um novo jeito, mais barato e acessível, utilizando a tecnologia digital para incluir “uma quantidade ilimitada de evidências documentais, ilustrações, gravações sonoras, filmes e conexões com outras publicações” impossíveis de serem feitas num livro impresso (DARNTON, 2009, p. 80).

Depois de um longo tempo de preparação, o projeto, chamado Gutenberg-e, desenvolveu-se entre 2000 e 2006. A AHA patrocinou um concurso anual para escolher as melhores seis teses na área de História, que recebiam um prêmio para serem transformadas em livros digitais e eram então editados e vendidos pela Columbia University Press. Ao todo foram publicados 35 títulos, que hoje se encontram disponíveis mediante assinatura gratuita no programa Humanities E-book, pertencente ao American Council of Lerned Societies.2 Alguns deles guardam muita semelhança com o formato impresso, permitindo apenas uma leitura linear, sequencial. Outros aproveitaram o formato digital para usar áudio, vídeo, imagens e hipertexto, com mecanismos de busca e links que permitem que o leitor navegue em muitas direções. (DARNTON, 2009, p. 85-86) Continuar a ler[ARTIGO] Livros digitais: potencialidades e desafios para as Ciências Humanas

O Debate sobre a regulamentação profissional: o caso da História – Lucas Sacht

O texto que se segue foi elaborado Lucas Engel Sacht, Graduando do Curso de História da UFPR, como introdução à mesa-redonda “O Debate sobre a regulamentação profissional: o caso da História”, que ocorreu no Departamento de História da UFPR em 14 de setembro de 2018. Agradecemos ao Lucas pelo envio e ao prof. Rafael Benthien pela sugestão.

INTRODUÇÃO

A regulamentação da profissão de historiador é um assunto de nítido interesse para todos e todas nós e que acaba ficando em segundo plano pelos demais eventos bombásticos dos últimos anos. A urgência de pautas como a reforma do Ensino Médio, a BNCC, PEC do Teto, anúncio de “falência” da CAPES, cortes sobre cortes na educação, o incêndio no Museu Nacional… Enfim, completem essa lista com a má notícia de sua preferência, nos tira um pouco do fôlego para debater questões como a regulamentação da profissão de historiador.

No entanto, esse debate é necessário pelas implicações que a regulamentação terá sobre nós, e é fundamental compreendermos a legislação e demais burocracias que nos rodeiam. Talvez perdemos um pouco do timing ideal, do momento de elaborar propostas enquanto comunidade acadêmica de História da UFPR para gerar efeitos sobre o projeto, visto que no momento ele se encontra pronto para sua última votação no Senado, o que pode ocorrer a qualquer momento. Continuar a lerO Debate sobre a regulamentação profissional: o caso da História – Lucas Sacht

[ARTIGO] Qualis Periódicos na Área de História – Rafael Benthien

Este é o segundo texto que publicamos no blog, resultante das apresentações e intervenções feitas nos Seminários & Colóquios do Observatório. O prof. Rafael Benthien apresentou uma versão do texto abaixo no II Colóquio do Observatório, que será publicado ano que vem no livro A História (In)Disciplinada: Teoria, Ensino e Difusão do Conhecimento Histórico, organizado por Fernando Nicolazzi, Arthur Ávila e Rodrigo Turin. Agradecemos a autorização dos editores para a publicação aqui no blog do Observatório!

Boa leitura e deixem seus comentários!


QUALIS PERIÓDICOS NA ÁREA DE HISTÓRIA: 
Alguns apontamentos sobre os pressupostos, os resultados e os possíveis efeitos de uma avaliação institucional (2013-2016)1.

Rafael Faraco Benthien (PPGHIS/DEHIS-UFPR)

Apublicação em periódicos é, nos modernos sistema de ensino e pesquisa, condição indispensável para a viabilização de uma carreira científica. Por seu caráter serial,  tal suporte tende aintensificar e a normatizar a circulação de ideias e de pessoas, contribuindo decisivamente para o reconhecimento, tanto positivo quanto negativo, dos pesquisadores. Ocorre apenas que os periódicos não existem de forma isolada. Eles se definem, antes, em relação atudo o que se faz no âmbito da ciência, podendo, inclusive, por efeitos de concorrência ou de legislação, ser pressionados  modificar seu conteúdo, seu formato, sua periodicidade e sua ancoragem institucional. Dada essa complexidade, os autores que neles publicam raramente conseguem vislumbrar a totalidade dos veículos xistentes. Reféns dos limites de suas próprias capacidades produtivas, bem como de suas posições e do sentido de suas apostas– quer estas se definam em termos de objeto, de preferências teórico-metodológicas e mesmo de padrões de sociabilidade –,eles estão fadados a restringir sua participação a uma parcela dosperiódicos, em geral bastante reduzida.

O último Qualis Periódicos, avaliação relativa ao quadriênio 2013-2016, oferece, nesse sentido, uma oportunidade singular: trata-se de um instrumento privilegiado para que os produtores de conhecimento consigam ampliar a compreensão que têm do universomais amplo em que se inserem. Tendo sido elaborado a partir da produção de todos os pesquisadores atrelados aos programas de pós-graduação nacionais, tal como esta foi cadastrada na plataforma Sucupira do Governo Federal, seus resultados encontram-se materializados em uma série de listas, divididas por áreas, contendo os periódicos frequentados durante o intervalo. Essas listas não indicam, importa destacar, a intensidade com que se investiu em cada revista. Tudo se passa como se o observador estivesse diante de um mapa contendo todos os caminhos, sem conseguir distinguir, no entanto, entre a pequena trilha explorada por um andarilho solitário e as grandes avenidas nas quais os pesquisadores de uma área realizam suas tradicionais procissões. Eis aí, por certo, uma limitação, mas que está longe de inviabilizar o uso desse recurso como objeto de estudo. Continuar a ler[ARTIGO] Qualis Periódicos na Área de História – Rafael Benthien

III Colóquio do Observatório da História

Convidamos a tod@s a participarem do III Colóquio do Observatório da História, que ocorrerá dia 6 de novembro no Campus Guarulhos, EFLCH, da Unifesp. A programação segue abaixo.


PROGRAMAÇÃO
10h – Abertura

Coordenações do PPGH e do ProfHistória Unifesp / Comissão Organizadora
10h30 – Mesa 1: Ensino de História em tempos sombrios
Nilton Mullet Pereira (UFRGS)
Rebeca Gontijo (UFRRJ)
12h30 – Almoço
14h30 – Mesa 2: “Virtudes” do historiador e “indisciplinarização” da História
João Rodolfo Munhoz Ohara (Unesp-Assis) 
Arthur Ávila (UFRGS)
16h30 – Intervalo
17h – Mesa 3: Presentismo(s), atualismo(s) e distopia(s)
Temístocles Cezar (UFRGS)
Valdei Araújo (UFOP)
19h – Encerramento

Local: Sala 317 do Prédio Acadêmico
EFLCH, Unifesp – Campus Guarulhos
Estrada do Caminho Velho, 333
Guarulhos – SP

INSCRIÇÕES NO LOCAL

Boaventura sobre a universidade hoje, 100 anos após Córdoba

Na CRES 2018 (Conferencia Regional de Educación Superior de América Latina y el Caribe), que ocorreu em Córdoba, em junho passado, o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos proferiu a  conferência de abertura na qual tratou sobre o papel da universidade hoje e os desafios da universidade. O local e a data, marcando o centenário do levante estudantil de Córdoba de 1918, permearam sua fala, lembrando também outra comemoração de um levante estudantil, o Maio de 1968 (este, por sinal, mais lembrado no Brasil do que aquele).

O interessante é que ao falar de ambos, 1918 e 1968, enunciou que os desafios e adversários da universidade hoje, frente ao neoliberalismo, são muito maiores do que eram então. Nesse sentido, fez uma reflexão, similar à realizada ano passado na Unifesp, como a universidade pode se repensar não só para enfrentar mas para sobreviver à mercantilização e à precarização criada pelos novos sistemas de gestão e avaliação impostos a (ou por vezes criados por) ela. Mais do que isso, defendeu que a universidade precisa se reinventar num ponto central, a sua própria produção de conhecimento, para recuperar um sentido (não só social) que se perdeu com a quebra dos pactos das universidades com as classes médias e as elites dirigentes. A pertinente e (provocadora) fala pode ser vista inteira no YouTube da conferência e um resumo pode ser lido em matéria do jornal argentino Página 12, “Bajo lo asedio neoliberal”.

Matéria sobre desemprego, mercado acadêmico e jovens doutores

O portal G1 publicou uma matéria sobre a situação do mercado de trabalho acadêmico e as perspectivas (a falta delas) para jovens doutores. Há pontos ali merecedores de uma reflexão maior.  Para além da resposta evasiva e falsa do MEC sobre a falta de recursos para o sistema público federal, há pontos importantes a se considerar sobre como e para quê estamos formando tantos doutores.

Aqui tomo emprestadas as ponderações de Rodrigo Turin expressas na reportagem (e que foram apresentadas de maneira ampla e muito contudente no último Colóquio do Observatório) para que problematizemos também sobre os rumos da Pós-Graduação e da formação de historiodor@s neste contexto de crise. Não devemos nos perguntar se não estamos, como no caso da nossa produção (ou melhor, do nosso produtivismo), simplesmente reproduzindo uma lógica produtivista e de mercado acadêmico?

Um resultado disso pode ser resumido pela anedota que está na introdução de Manifesto of a Tenured Radical (Nova York: NYU Press, 1997),  que um doutorando ao se aproximar da defesa, após anos sendo incentivado a fazer pesquisa e buscar ser original e ter níveis de “excelência”, disse que começou a ver o túnel no fim da luz.

Para a matéria inteira, clicar aqui.

Obs.: a tirinha que ilustra o post é do Ph.D Comics e pode ser lida aqui.

Mais um Observatório

O grupo de trabalho “Tendencias y Debates Historiográficos en Uruguay y la Región (siglos XIX y XX)”, coordenado pelo Prof. Dr. Tomás Sansón Corbo e radicado no Departamento de Historiología da Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación da Universidad de la República (Uruguai), acaba de lançar uma página web, associada a outras plataformas digitais  – Facebook, Instagram, YouTube.

Chamada Observatorio Historiográfico del Sur – OBHISUR, seu propósito é difundir pesquisas, publicações, eventos e notícias, com vistas a dinamizar o fluxo de informações e favorecer a implementação de atividades relacionadas à História da Historiografia.

Confiram: https://historiografiatend.wixsite.com/obhisur

[ARTIGO] Seminários de Atualização Historiográfica II – M.Rita Toledo e Fábio Franzini

Este é o primeiro texto que publicamos no blog, resultante das apresentações e intervenções feitas nos Seminários & Colóquios do Observatório. A prof. Maria Rita apresentou uma versão do texto abaixo no I Colóquio.
Em breve, mais textos serão publicados.

Boa leitura e deixem seus comentários!

z

SEMINÁRIOS DE ATUALIZAÇÃO HISTORIOGRÁFICA II:
relato de uma proposta formativa

Profa Dra Maria Rita de Almeida Toledo
Prof. Dr. Fábio Franzini

O objetivo deste texto é apresentar os contornos da proposta formativa da unidade curricular Seminários de Atualização Historiográfica II, voltada para os alunos do Programa de Pós-Graduação em História da Unifesp. Fruto de uma longa discussão sobre as estratégias de inserir os estudantes no debate acadêmico de modo que ampliassem seus horizontes e percebessem que o próprio campo da História está em movimento, essa discussão fez parte da construção do projeto do Programa, aprovado pela CAPES em 2011. Continuar a ler[ARTIGO] Seminários de Atualização Historiográfica II – M.Rita Toledo e Fábio Franzini

Seminários do Observatório: “Problemas na avaliação de periódicos acadêmicos”

SEMINÁRIO do OBSERVATÓRIO
Problemas na avaliação de periódicos acadêmicos
Prof. Dr. Jaime Ginzburg (USP)
Quarta, 20/6, 10h30
Sala 110 – Unifesp-Guarulhos

Próxima quarta, 20/6, receberemos na Unifesp Guarulhos, o Prof. Dr. Jaime Ginzburg, da USP, para o segundo Seminário do Observatório. Ele discutirá conosco o tema central dos “Problemas na avaliação de periódicos acadêmicos”. Convidamos tod@s interessad@s para participar desse debate.

O prof. Ginzburg escreveu em 2013 um artigo discutindo essa questão, analisando a citação de artigos nas teses na área de Letras. Em sua apresentação, buscará retomar essa discussão pensando algumas das questões levantadas por ele também para a área de História.

Além de recomendarmos a leitura do artigo do prof. Ginzburg, sugerimos aos que quiserem se aprofundar no tema antes do seminário que vejam o post publicado neste blog.