O Debate sobre a regulamentação profissional: o caso da História – Lucas Sacht

O texto que se segue foi elaborado Lucas Engel Sacht, Graduando do Curso de História da UFPR, como introdução à mesa-redonda “O Debate sobre a regulamentação profissional: o caso da História”, que ocorreu no Departamento de História da UFPR em 14 de setembro de 2018. Agradecemos ao Lucas pelo envio e ao prof. Rafael Benthien pela sugestão.

INTRODUÇÃO

A regulamentação da profissão de historiador é um assunto de nítido interesse para todos e todas nós e que acaba ficando em segundo plano pelos demais eventos bombásticos dos últimos anos. A urgência de pautas como a reforma do Ensino Médio, a BNCC, PEC do Teto, anúncio de “falência” da CAPES, cortes sobre cortes na educação, o incêndio no Museu Nacional… Enfim, completem essa lista com a má notícia de sua preferência, nos tira um pouco do fôlego para debater questões como a regulamentação da profissão de historiador.

No entanto, esse debate é necessário pelas implicações que a regulamentação terá sobre nós, e é fundamental compreendermos a legislação e demais burocracias que nos rodeiam. Talvez perdemos um pouco do timing ideal, do momento de elaborar propostas enquanto comunidade acadêmica de História da UFPR para gerar efeitos sobre o projeto, visto que no momento ele se encontra pronto para sua última votação no Senado, o que pode ocorrer a qualquer momento. Continuar a lerO Debate sobre a regulamentação profissional: o caso da História – Lucas Sacht

III Colóquio do Observatório da História

Convidamos a tod@s a participarem do III Colóquio do Observatório da História, que ocorrerá dia 6 de novembro no Campus Guarulhos, EFLCH, da Unifesp. A programação segue abaixo.


PROGRAMAÇÃO
10h – Abertura

Coordenações do PPGH e do ProfHistória Unifesp / Comissão Organizadora
10h30 – Mesa 1: Ensino de História em tempos sombrios
Nilton Mullet Pereira (UFRGS)
Rebeca Gontijo (UFRRJ)
12h30 – Almoço
14h30 – Mesa 2: “Virtudes” do historiador e “indisciplinarização” da História
João Rodolfo Munhoz Ohara (Unesp-Assis) 
Arthur Ávila (UFRGS)
16h30 – Intervalo
17h – Mesa 3: Presentismo(s), atualismo(s) e distopia(s)
Temístocles Cezar (UFRGS)
Valdei Araújo (UFOP)
19h – Encerramento

Local: Sala 317 do Prédio Acadêmico
EFLCH, Unifesp – Campus Guarulhos
Estrada do Caminho Velho, 333
Guarulhos – SP

INSCRIÇÕES NO LOCAL

Boaventura sobre a universidade hoje, 100 anos após Córdoba

Na CRES 2018 (Conferencia Regional de Educación Superior de América Latina y el Caribe), que ocorreu em Córdoba, em junho passado, o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos proferiu a  conferência de abertura na qual tratou sobre o papel da universidade hoje e os desafios da universidade. O local e a data, marcando o centenário do levante estudantil de Córdoba de 1918, permearam sua fala, lembrando também outra comemoração de um levante estudantil, o Maio de 1968 (este, por sinal, mais lembrado no Brasil do que aquele).

O interessante é que ao falar de ambos, 1918 e 1968, enunciou que os desafios e adversários da universidade hoje, frente ao neoliberalismo, são muito maiores do que eram então. Nesse sentido, fez uma reflexão, similar à realizada ano passado na Unifesp, como a universidade pode se repensar não só para enfrentar mas para sobreviver à mercantilização e à precarização criada pelos novos sistemas de gestão e avaliação impostos a (ou por vezes criados por) ela. Mais do que isso, defendeu que a universidade precisa se reinventar num ponto central, a sua própria produção de conhecimento, para recuperar um sentido (não só social) que se perdeu com a quebra dos pactos das universidades com as classes médias e as elites dirigentes. A pertinente e (provocadora) fala pode ser vista inteira no YouTube da conferência e um resumo pode ser lido em matéria do jornal argentino Página 12, “Bajo lo asedio neoliberal”.

Matéria sobre desemprego, mercado acadêmico e jovens doutores

O portal G1 publicou uma matéria sobre a situação do mercado de trabalho acadêmico e as perspectivas (a falta delas) para jovens doutores. Há pontos ali merecedores de uma reflexão maior.  Para além da resposta evasiva e falsa do MEC sobre a falta de recursos para o sistema público federal, há pontos importantes a se considerar sobre como e para quê estamos formando tantos doutores.

Aqui tomo emprestadas as ponderações de Rodrigo Turin expressas na reportagem (e que foram apresentadas de maneira ampla e muito contudente no último Colóquio do Observatório) para que problematizemos também sobre os rumos da Pós-Graduação e da formação de historiodor@s neste contexto de crise. Não devemos nos perguntar se não estamos, como no caso da nossa produção (ou melhor, do nosso produtivismo), simplesmente reproduzindo uma lógica produtivista e de mercado acadêmico?

Um resultado disso pode ser resumido pela anedota que está na introdução de Manifesto of a Tenured Radical (Nova York: NYU Press, 1997),  que um doutorando ao se aproximar da defesa, após anos sendo incentivado a fazer pesquisa e buscar ser original e ter níveis de “excelência”, disse que começou a ver o túnel no fim da luz.

Para a matéria inteira, clicar aqui.

Obs.: a tirinha que ilustra o post é do Ph.D Comics e pode ser lida aqui.

Mais um Observatório

O grupo de trabalho “Tendencias y Debates Historiográficos en Uruguay y la Región (siglos XIX y XX)”, coordenado pelo Prof. Dr. Tomás Sansón Corbo e radicado no Departamento de Historiología da Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación da Universidad de la República (Uruguai), acaba de lançar uma página web, associada a outras plataformas digitais  – Facebook, Instagram, YouTube.

Chamada Observatorio Historiográfico del Sur – OBHISUR, seu propósito é difundir pesquisas, publicações, eventos e notícias, com vistas a dinamizar o fluxo de informações e favorecer a implementação de atividades relacionadas à História da Historiografia.

Confiram: https://historiografiatend.wixsite.com/obhisur

[ARTIGO] Seminários de Atualização Historiográfica II – M.Rita Toledo e Fábio Franzini

Este é o primeiro texto que publicamos no blog, resultante das apresentações e intervenções feitas nos Seminários & Colóquios do Observatório. A prof. Maria Rita apresentou uma versão do texto abaixo no I Colóquio.
Em breve, mais textos serão publicados.

Boa leitura e deixem seus comentários!

z

SEMINÁRIOS DE ATUALIZAÇÃO HISTORIOGRÁFICA II:
relato de uma proposta formativa

Profa Dra Maria Rita de Almeida Toledo
Prof. Dr. Fábio Franzini

O objetivo deste texto é apresentar os contornos da proposta formativa da unidade curricular Seminários de Atualização Historiográfica II, voltada para os alunos do Programa de Pós-Graduação em História da Unifesp. Fruto de uma longa discussão sobre as estratégias de inserir os estudantes no debate acadêmico de modo que ampliassem seus horizontes e percebessem que o próprio campo da História está em movimento, essa discussão fez parte da construção do projeto do Programa, aprovado pela CAPES em 2011. Continuar a ler[ARTIGO] Seminários de Atualização Historiográfica II – M.Rita Toledo e Fábio Franzini

Seminários do Observatório: “Problemas na avaliação de periódicos acadêmicos”

SEMINÁRIO do OBSERVATÓRIO
Problemas na avaliação de periódicos acadêmicos
Prof. Dr. Jaime Ginzburg (USP)
Quarta, 20/6, 10h30
Sala 110 – Unifesp-Guarulhos

Próxima quarta, 20/6, receberemos na Unifesp Guarulhos, o Prof. Dr. Jaime Ginzburg, da USP, para o segundo Seminário do Observatório. Ele discutirá conosco o tema central dos “Problemas na avaliação de periódicos acadêmicos”. Convidamos tod@s interessad@s para participar desse debate.

O prof. Ginzburg escreveu em 2013 um artigo discutindo essa questão, analisando a citação de artigos nas teses na área de Letras. Em sua apresentação, buscará retomar essa discussão pensando algumas das questões levantadas por ele também para a área de História.

Além de recomendarmos a leitura do artigo do prof. Ginzburg, sugerimos aos que quiserem se aprofundar no tema antes do seminário que vejam o post publicado neste blog.

 

I Colóquio do Observatório – Novembro de 2016

Em 2016, tivemos a primeira edição do Colóquio, já com a proposta de construirmos um Observatório das práticas historiográficas e do “modo de produção” acadêmico no Brasil. Abaixo segue a programação deste primeiro evento no qual se formalizou o Observatório da História.

22/11/2016

Abertura – 10h:

Apresentação: Profa. Dra. Andréa Slemian e Profa. Dra. Mariana Martins Villaça (Coordenação do PPGH Unifesp)

Exposição: Prof. Dr. Valdei Lopes de Araújo (UFOP), A formação do regime de autonomia avaliativo no Sistema Nacional de Pós-graduação e o futuro das relações entre historiografia, ensino e experiência da história

Mesa 1 – 11h/13h: Espaços, condições e horizontes do trabalho historiográfico

Mediadora: Profa. Dra. Leila Mezan Algranti (Unicamp)

Prof. Dr. Luis Filipe Silvério Lima (Unifesp), As políticas de financiamento à pesquisa, as Ciências Humanas e a área de História

Profa. Dra. Marcia Barbosa Mansor D’Aléssio (Unifesp), Teoria da História/História da historiografia: sobre a construção do campo

Prof. Dr. João Paulo Garrido Pimenta (USP), História nacional e história não-nacional na historiografia brasileira atual

Mesa 2 – 14h30/16h30: Ofício, saberes e produtos historiográficos

Mediador: Prof. Dr. Nelson Schapochnik (USP)

Profa. Dra. Ana Lucia Lana Nemi (Unifesp), O Contemporâneo no ensino de História

Prof. Dr. Antonio Simplício de Almeida Neto (Unifesp), Memórias e escritos do ensino de História: apontamentos iniciais

Prof. Dr. Luis Antonio Coelho Ferla (Unifesp), As humanidades digitais e o ofício do historiador

Mesa 3 – 17h/19h: Difusão e circulação da produção historiográfica

Mediador: Prof. Dr. Miguel Soares Palmeira (USP)

Caio Vinícius de Castro Gerbelli (Mestrando PPGH-Unifesp / Revista Hydra), Um panorama das revistas discentes dos programas de pós e dos cursos de graduação em História. 

Profa. Dra. Maria Rita de Almeida Toledo (Unifesp), Historiografia em revistas: reflexões discentes sobre a produção e circulação do conhecimento em periódicos acadêmicos contemporâneos

Prof. Dr. Julio Bentivoglio (UFES), Revistas de História: objeto privilegiado para se estudar a História da historiografia

23/11/2016

10h: Reunião – formação de um GT permanente com os participantes das mesas

Seminários do Observatório: Maio de 2017

Iniciando os seminários do Observatório, em 22 de maio de 2017, tivemos uma mesa composta pelos profs. Maria Helena Capelato (USP) e Thiago Nicodemo (então UERJ, atualmente na Unicamp).  A profa. Capelato falou sobre “O compromisso do historiador frente aos dilemas do seu tempo” e o prof. Nicodemo “Como se deve escrever e ensinar história do Brasil depois da universidade? Disciplina e profissão do historiador ontem e hoje”.

II Colóquio do Observatório da História – Novembro de 2017

Realizado em novembro de 2017, o II Colóquio do Observatório da História buscou promover uma discussão a partir de três eixos: 1. o do espaço da produção, que envolve tanto temáticas e áreas, bem como políticas de fomento; 2. o das formas de circulação e visibilidade de seus principais agentes, os historiadores; 3. o das práticas culturais para criação dos saberes históricos, ou seja, o de como trabalhamos.

Abaixo seguem as mesas de discussão:

terça-feira, 21 de novembro
10h00 Avaliação na área de História: processos, índices e resultados
Rodrigo Turin (UniRio) e Tania Regina de Luca (Unesp-Assis)
Mediador: Luís Filipe Silvério Lima (Unifesp)

14h00 Interpares: os filtros da produção
Miguel Palmeira (USP) e Rafael Benthien (UFPR)
Mediador: Rodrigo Patto Sá Motta (UFMG)

16h30 A formação em História: currículos e trajetórias da graduação à pós-graduação ​
A​na Maria Monteiro (UFRJ) e Josianne Cesaroli (Unicamp)
Mediador: Antonio Simplício de Almeida Neto (Unifesp)

quarta-feira, 22 de novembro
10h00 Caminhos do Observatório: reunião de balanço e perspectivas

Observatório da História

O “Observatório da História” pretende constituir um espaço plural, coletivo e integrado que se dedique a acompanhar, pesquisar e diagnosticar o modo de produção (e reprodução) historiográfico no Brasil. Esse espaço busca funcionar como: 1) ponto de convergência de historiadores e historiadoras de todo o país interessados em discutir o campo; 2) e, sobretudo, um incentivador tanto do levantamento quanto da própria produção de dados e informações as mais completas possíveis a seu respeito. Com isso, além de articular debates e análises, espera-se intervir na comunidade historiadora e induzir a crítica às práticas ligadas ao ofício, seja no âmbito acadêmico, seja no âmbito escolar, seja ainda na esfera pública. O “Observatório” busca ser um canal para pensar, discutir, coletar, congregar e organizar procedimentos e instrumentos sistematizados, consistentes e abrangentes que se voltam à mensuração, reflexão e avaliação acerca dos lugares, práticas, condições e horizontes do trabalho historiográfico no Brasil hoje.

Atrelada a essa dimensão de diagnóstico da historiografia atual, há também a necessidade de se refletir como os modos de financiamento, avaliação institucional e externa, sistemas de formação e de pesquisa, estrutura de publicação e divulgação editorial, construção da carreira e definição da profissão têm impactado a própria produção do conhecimento na área. Pergunta-se em que medida esse olhar mais concreto para as condições materiais do fazer historiográfico pode, por um lado, fazer compreender os rumos e escolhas do campo nos últimos tempos e, por outro, questionar se e em que medida as políticas e dinâmicas relativas à área têm sido eficazes, de fato, na constituição de um campo sólido e maduro, de uma produção relevante e inovadora, de espaços profícuos de debate e de uma reflexão historiográfica crítica.

O “Observatório” é face on-line de uma iniciativa iniciada em 2016 no Programa de Pós-Graduação em História da Unifesp, mas que congrega pesquisadores da UFES, UFOP, UFRRJ, Unicamp, USP. Servirá para veicular os textos produzidos por esses pesquisadores, os resultados de suas pesquisas e de eventos organizados pelo “Observatório”, bem como sistematizar indicadores da área, mas está aberto a contribuições de colegas de outras instituições. Além disso, pretende divulgar notícias sobre a produção historiográfica e financiamento e fomento à pesquisa, bem como estimular debates.