Tempos de produção, tempos de publicação, um fio por Rosana Pinheiro-Machado

Ao ler as colocações abaixo da antropóloga e professora da Universidade de Bath Rosana Pinheiro-Machado no Tuíter, onde saíram originalmente como um fio, pensamos que seria questão importante para trazer para reflexão aqui no Observatório. É um texto que, de maneira pertinente e provocativa, pensa o mundo das publicações, do debate público e de tornar público o que produzimos na academia, particularmente pensando nas pressões dos tempos e como isso impacta na carreira de jovens pesquisador@s. Assim, entramos em contato com a professora Pinheiro-Machado, perguntando se poderíamos publicá-lo, e ficamos extremamente contentes e agradecidos quando, muito gentilmente, ela nos permitiu que o fio fosse editado para ser veiculado aqui como um post.

Boa leitura do fio, agora em post, para tod@s!

Um fio de 17 de Junho de 2020, por @_pinheira

Há tempos eu quero escrever sobre um tema que para mim é fundamental nestes tempos de carreira acadêmica e redes sociais, em que os tempos das nossas produções são muito díspares.

Eu vejo muito estudante agoniado com o tempo das publicações. E esse é uma merda mesmo em muitas revistas (apesar dos esforços de muitas delas para acelerar o processo). Dois ou três anos é um deboche (é injusto) para um jovem doutor que precisa fazer concursos.

Eu não sei como resolver isso; é preciso acelerar a revisão de pares, sem dúvidas. Mas eu já disse aqui uma vez que penso que existe um certo tempo de maturação e reflexão de artigo que é indispensável e que, por mais louco que seja, às vezes demora 2 anos mesmo!

Meus principais artigos – e que me orgulho sem síndrome da impostora – foram os que demoraram muito, porque ser acadêmica também implica passar muito tempo digerindo críticas e revendo argumentos. E não podia ser diferente.

Então há um paradoxo. Por um lado, é preciso reforçar a política das revistas de revisão. Penso que as revistas poderiam tem um botão que o autor declarasse que é pesquisador júnior (isso faz algum sentido?) para que haja mais pressão pelo tempo de avaliação (que não poderia passar de 6 meses)

Por outro lado, também defendo que o tempo da academia não é o das redes sociais, e muitos estudantes se angustiam com isso porque não conseguem motivação para escrever, ser lido por poucos e esperar mil anos. ESSE PENSAMENTO ESTÁ ERRADO e explico o porquê abaixo.

Eu já tive artigos de jornal lidos por 4 milhões de pessoas. E meus artigos acadêmicos têm numeros irrelevantes comparados a isso. Mas não é uma questão QUANTITATIVA AQUI. Um artigo acadêmico é a sua OBRA, a consolidação de seu PENSAMENTO. É PERENE.

Mesmo que lido por poucos, ao longo dos anos vai se tornando um pequeno clássico em certo campo – o campo de nossos pares, e a teoria assim vai avançando ao longo de gerações. Meu artigo sobre economia informal de 2008 é lido até hoje por mais de uma geração e já foi criticado e a discussão avançou.

O que sustenta minha carreira como acadêmica, no nível mais profundo intelectual, é minha produção avaliada e criticada por pares. É de onde vêm, ao longo do tempo, as trocas mais profundas que tenho construído. MAS…..

Eu também sou contra esperar mil anos para devolver ao debate público e acho que temos que expandir nosso trabalho. Foi assim que reforcei um modelo que hoje considero que pode ser replicado por outros:

Na pesquisa do Bolsonaro, fomos para as mídias antes de publicar. Discutimos nossos dados em podcast, jornais colunas e vídeos. Recebemos valiosas contribuição do publico. O artigo saiu em Julho de 2020, dois anos depois. O livro só em 2021.

Nós invertemos o tempo da divulgação científica: divulgamos e discutimos antes. E do debate público e acadêmico também repensamos nossos achados. Nós precisávamos ir a público durante a eleição porque não era possível segurar. Os dados ajudariam no debate em tempos de crise. Agora o produto acadêmico mais elaborado demorou e demorará, mas será mais sério e maduro. Muita gente nos alertou que não poderíamos ir a público antes de publicar academicamente porque NOSSOS ACHADOS SERIAM ROUBADOS.

E sabe que foram mesmo? Mas ao mesmo tempo em que aproveitadores se beneficiaram, eles passarão, nós passarinho (desculpem o clichê). Aproveitador existe de qualquer maneira. A gente sabe o que a gente fez e o público também sabe. Então, especialmente para jovens pesquisadores, acho que ir a público protege porque registra a pesquisa original.

Uma coisa eu aprendi antes mesmo de me tornar uma acadêmica pública: quem quer copiar, copia de qualquer maneira. Então, o caminho é abrir diálogos, marcar posição, ampliar debates e, aos poucos, ir criando o corpus de publicação mais sólida.

Não acho que todo mundo tem que vir a público e tuitar não! Só quem gosta disso. E há mil formas de divulgar e debater com o público para além de redes. Enfim, estou aqui só fazendo uma reflexão, sem conclusões fechadas, mas chamando os colegas para me dizerem o que pensam.

P.s.: Sim, é preciso falar de gênero e raça também: o risco da cópia geralmente tem um viés e o estereótipo muitas vezes se confirma: o professor branco, mais velho, estabilizado e estabelecido se apropria de trabalhos originais de pesquisadoras jovens.



Citar este post
Observatório da História (2020, 13 Setembro). Tempos de produção, tempos de publicação, um fio por Rosana Pinheiro-Machado. Observatório da História. Recuperado em 22 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/ply2

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.