Produtivismo, citações e publicação em periódicos – algumas reportagens

No próximo junho, teremos um seminário para discutir os artigos em periódicos e sua leitura e impacto nas Humanidades. Como estímulo e preparação para esse debate, indicamos abaixo algumas reportagens que tocam e problematizam aspectos do modo de produção acadêmico, a análise por pares e os constrangimentos criados pela indústria do produtivismo:

“Uma análise sobre pesquisas acadêmicas não citadas,” por Simon Baker – matéria que saiu originalmente no Times Higher Education, traduzida pelo blog Café História, que fala de um estudo recente indicando que os artigos de História estão aqueles que têm menos citações após cinco anos de publicação, segundo as grandes bases de artigos.  Uma das conclusões do estudo é os artigos das áreas de Humanas demoram mais para terem algum “impacto” e sua “meia-vida” é maior, o que significa que índices e métricas que se baseiam no impacto em curto prazo ou políticas de financiamento que privilegiam a produção recente têm sérios limites para essas áreas.

“Is the staggeringly profitable business of scientific publishing bad for science?,” por Stephen Buranyi – Longa reportagem publicada ano passado no The Guardian que mostra como se criou a extremamente lucrativa indústria da publicação acadêmica e como esta fez com que o “publish or perish” virasse regra. Acompanha a trajetória do magnata Robert Maxwell que percebeu uma oportunidade inexplorada para o lucro nas editoras e periódicos acadêmicos, depois imitada e ampliada por editoras tradicionais como a Elsevier, que hoje monopolizam um mercado que movimenta bilhões de dólares.
(Obs.: Modelo que, embora não gere tal lucro no mundo editorial das humanidades, foi imitado e rege, atualmente, a produção acadêmica na área, como aponta o artigo linkado acima).

“Sweden cancels Elsevier contract as open-access dispute spreads,” por Chris Havergal – Notícia que foi publicada este mê pelo Times Higher Education reportando que um consórcio de universidades da Suécia se juntou a universidades da Alemanha e França que cancelaram assinaturas da editora Elsevier por conta da sua política de “open access”. A proposta é que todos pesquisadores das universidades suecas que tiverem projetos financiados com recursos públicos só publiquem os resultados das pesquisas em periódicos de acesso aberto.

“Is the Peer Review Process for Scientific Papers Broken?,” por Melinda Baldwin –  texto publicado na revista Time em 2014 que  questiona se o sistema de avaliação por pares, considerado e construído sob a lógica das editoras comerciais descrita na reportagem linkada acima, faz ainda sentido e, mais importante, se de fato é garantia de “boa ciência” ou “progresso científico”.

“From the Editor’s Desk: The Perils of Peer Review,” por Alex Lichtenstein – Em uma perspectiva oposta ao artigo linkado acima, o editorial do último número da The American Historical Review defende o sistema de avaliação por pares da revista e indicam que mesmo que pretendam mudar em parte o perfil editorial da revista manterão o método de avaliação pois ele é o garante dos “altos padrões” da publicação.

[A charge, que acompanha este post, foi retirada daqui]


4 thoughts on “Produtivismo, citações e publicação em periódicos – algumas reportagens”

  1. Muito legal como bússola: onde estamos e onde vamos! Também sugiro o texto do Robert Darnton sobre o processo de comercialização/industrialização das revistas acadêmicas, capítulo do livro “A questão dos livros” (2010).

    1. Boa lembrança, Maria Rita! O texto do Darnton é bem elucidativo e dá uns dados muito impactantes dos gastos das bibliotecas com assinatura de periódicos acadêmicos.

      1. Pois é Maria Rita e Luís Filipe, nós sofremos na mão do SciELO e as regras rígidas que eles impõem, mas é o preço a pagar para termos um portal de acesso inteiramente aberto.
        A alternativa das Elsevier, Blackwell, Springer, Taylor & Francis, e Sage seria péssima para nós…
        Aliás, muito bacana a página. Parabéns!!!

        1. Bruno.
          Que bom que tenha gostado da página! E obrigado por comentar o post.
          Sobre seu comentário, é verdade isso que não padecemos aqui desse mal das editoras comerciais dominando os periódicos em Humanas. O que é ótimo. Entretanto, o Scielo é um portal que estabelece regras talvez rígidas demais e que, estranhamente, segue algumas das diretrizes definidas pelo mercado editorial acadêmico (aquele do qual falam alguns dos artigos listados acima). Há outros sistema de acesso aberto (alguns bem estabelecidos) que não têm essas regras tão rígidas e funcionam muito bem, como o DOAJ. A pergunta é porque o Scielo quer adotar essas regras. Parece-me que é para se adequar a padrões de “internacionalização” (no caso daqui, regulados pelo Qualis/Sucupira) que se subordinam à indústria editorial acadêmica concentrada na mão de umas poucas grandes corporações. Veja que o Scielo se importou em criar métricas de “impacto”, mas não de disponibilizar meios pelos quais somos informados de que um novo número saiu. Será que, no limite, importa mais disponibilizar recursos para a cientometria do que alguns para que os leitores leiam? Mas em resumo me parece que nas Humanidades, acabamos por mimetizar os procedimentos das “ciências duras”, mesmo que não estejamos submetidos às regras impostas pelo mercado (editorial e acadêmico). Como vê, tenho uma série de críticas ao Scielo e dúvidas se somos tão afortunados assim nas Humanas…
          Abs
          LF

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.