[ARTIGO] Livros digitais: potencialidades e desafios para as Ciências Humanas

O texto de Maria Clementina Cunha e Silvia Lara, do Cecult/Unicamp, apresenta uma discussão sobre os livros digitais e a produção e divulgação em História. Traz também a experiência frente à coleção Históri@ Illustrada, da Editora da Unicamp.

As autoras enviaram-nos o texto para que publicássemos aqui no blog do Observatório, pelo que agradecemos.

Boa leitura e deixem seus comentários!

LIVROS DIGITAIS:
potencialidades e desafios para as Ciências Humanas

Maria Clementina Pereira Cunha
Silvia Hunold Lara

Cecult/Unicamp

Quando foi eleito presidente da Associação Americana de História (AHA -American Historical Association), Robert Darnton pensou em políticas de longo alcance na área de História. Na divulgação de suas pesquisas sobre o mundo dos livros no século XVIII, ele estava cada vez mais interessado pelas potencialidades da internet e dos recursos digitais e começava sua bem-sucedida carreira junto a bibliotecas públicas e acadêmicas.1 Propôs então à AHA um projeto que visava publicar títulos acadêmicos em formato eletrônico. A ideia destinava-se a promover áreas pouco interessantes para as editoras convencionais e a incentivar pesquisadores em início de carreira. Mas era também uma forma de divulgar pesquisas históricas de um novo jeito, mais barato e acessível, utilizando a tecnologia digital para incluir “uma quantidade ilimitada de evidências documentais, ilustrações, gravações sonoras, filmes e conexões com outras publicações” impossíveis de serem feitas num livro impresso (DARNTON, 2009, p. 80).

Depois de um longo tempo de preparação, o projeto, chamado Gutenberg-e, desenvolveu-se entre 2000 e 2006. A AHA patrocinou um concurso anual para escolher as melhores seis teses na área de História, que recebiam um prêmio para serem transformadas em livros digitais e eram então editados e vendidos pela Columbia University Press. Ao todo foram publicados 35 títulos, que hoje se encontram disponíveis mediante assinatura gratuita no programa Humanities E-book, pertencente ao American Council of Lerned Societies.2 Alguns deles guardam muita semelhança com o formato impresso, permitindo apenas uma leitura linear, sequencial. Outros aproveitaram o formato digital para usar áudio, vídeo, imagens e hipertexto, com mecanismos de busca e links que permitem que o leitor navegue em muitas direções. (DARNTON, 2009, p. 85-86)

A despeito de seus atrativos, o projeto Gutenberg-e enfrentou diversos obstáculos. O universo acadêmico norte-americano teve dificuldades para aceitar o livro digital como equivalente ao impresso: vendiam menos e, por isso, interessavam menos às editoras. Como logo se tornou evidente, conferiam menos prestígio a seus autores, valiam menos nos concursos acadêmicos, eram menos resenhados. Além disso, como avaliou o próprio Darnton, o desafio de alterar a forma de escrever decorrente das novas possibilidades de exposição dos resultados de pesquisa foi praticamente ignorado pela maior parte dos autores selecionados. A transformação das teses em livros deste tipo levava geralmente mais tempo do que o previsto e envolvia custos relacionados à aquisição de direitos autorais e de publicação de materiais audiovisuais, atrapalhando o cronograma editorial. O subsídio da Fundação Mellon, que patrocinava o projeto, terminou em 2005 e, ainda que as vendas da coleção já fossem suficientes para cobrir os custos, a editora sofria pressões econômicas e descontinuou o programa.

Apesar de efêmero, o projeto é inspirador. Ele apontava para a possibilidade de uma grande mudança nos modos de acesso ou leitura de pesquisas geradas nas universidades, conferindo-lhes um novo alcance. Discutir as potencialidades oferecidas pelos livros digitais do ponto de vista da produção e da difusão do conhecimento, assim como os desafios a serem enfrentados nesta forma de publicação pelas editoras universitárias brasileiras, constitui o objetivo deste artigo.

Decorridas duas décadas desde seu início, o projeto Gutenberg-e pode parecer um pouco limitado diante dos desafios atuais. Seus objetivos, como já se mencionou, eram específicos: dar visibilidade a uma produção acadêmica desvalorizada pelas editoras comerciais, ajudar jovens pesquisadores a alavancar a carreira acadêmica e apoiar a capacitação de uma editora para a publicação de livros digitais. Seus desdobramentos, no entanto, remetem a questões mais amplas.

Uma delas – que nem sempre foi bem respondida pelos autores dos títulos publicados – é o quanto os recursos digitais podem ser usados de maneira inovadora: o que podem acrescentar à experiência da escrita e da leitura de obras acadêmicas? Que implicações trazem para a produção e circulação do conhecimento produzido nas universidades? As primeiras experiências com livros digitais operavam com a linguagem, as ferramentas e os recursos formais semelhantes aos dos impressos, buscando apenas mais dinamismo no tratamento de imagens e outros acréscimos ilustrativos. Rapidamente se percebeu que o “enriquecimento” do texto não bastava. As inovações do digital anunciam a necessidade de pensar os textos de uma nova maneira de modo a aproveitá-las em seu imenso potencial.

Para algumas áreas das Ciências Humanas, a forma digital pode significar um grande passo para a exposição das fontes de investigação ao público leitor, criando outra forma de relação com o texto ao abrir o acesso direto à documentação – especialmente a de suporte audiovisual – de modo simultâneo à leitura. Particularmente para os que lidam com materiais iconográficos e sonoros, a dificuldade da publicação no formato impresso tem sido um velho problema. Afinal, para mencionar apenas as possibilidades mais óbvias, falar de imagens que se pode ver apenas em pequenas reproduções de qualidade sofrível ou comentar músicas que não se pode ouvir (ou, no limite, que exigem que se interrompa a leitura para rodar o CD anexado ao livro) não constituem experiências capazes de estimular um mergulho mais fundo no tema. Ter acesso direto à fonte musical relativa a algo que o texto discute no mesmo momento em que se efetua a leitura significa um ganho enorme tanto na compreensão do texto quanto no envolvimento do leitor. No caso da música, em especial, nada substitui a audição: formas de interpretar, arranjos, pausas, ênfases geram significados que dificilmente podem ser deduzidos de uma transcrição dos versos e partituras. O que dizer então das imagens em movimento, que incluem um conjunto de elementos mobilizados para contar uma história ou desenvolver um argumento?

Esta vantagem vale também para livros da área das Ciências Humanas que não utilizem diretamente recursos como imagens ou fonogramas: ouvir um depoimento gravado ou uma entrevista com suas pausas, inflexões e alterações de voz, por exemplo, é bem mais produtivo que ler apenas sua transcrição. As cartas e outros registros de próprio punho deixados por um biografado, vistos sem a mediação do autor da narrativa, podem revelar ao leitor mais do que o autor se interessou em enfatizar. A comparação entre um manuscrito e a obra impressa ou entre edições diversas de um mesmo texto pode mostrar de modo bem simples e direto alterações que às vezes levam páginas para serem descritas. A caligrafia e os erros ortográficos em uma defesa produzida de próprio punho por um acusado de crime, uma simples assinatura ou dedicatória, um esboço feito ao acaso em um manuscrito podem conter elementos de sentido difíceis de reproduzir em palavras – e que podem fazer diferença em análises produzidas por estudiosos da História, da Antropologia ou da Teoria Literária.

Para o pesquisador, eles fazem parte do prazer da descoberta nos arquivos ou no trabalho de campo – mas são difíceis de transmitir ao leitor sem compartilhar com ele a experiência do contato direto com a fonte. Um detalhe em uma imagem pode ser apontado com palavras, mas será muito mais eficiente ampliá-lo para a percepção visual enquanto se discute seus significados. Do mesmo modo, o lugar ou o destaque que uma ilustração ou uma crônica ocupam no conjunto de um periódico, com as particularidades de sua diagramação, são capazes de acrescentar novos elementos de compreensão e análise de seu sentido no interior da rede de opiniões e diferentes autorias que compõem um jornal, por exemplo. Por outro lado, expor as fontes de um modo mais direto, farto e rápido, trazendo à luz do dia (ou “das telas”) os textos, imagens e sons duramente garimpados em maços, códices ou velhos alfarrábios, ou fotografados e gravados durante os trabalhos de campo, traz implicações importantes em pelo menos duas pontas do processo de divulgação dos resultados da pesquisa acadêmica.

A primeira situa-se na própria escrita – ainda o meio mais tradicional e usual de disseminar a produção científica e acadêmica produzida nas universidades. De imediato, há possibilidades imensas que se abrem para a exposição, na clarificação dos argumentos, através da forma de apresentação dos textos, com a animação de mapas, de gráficos e dados quantitativos de forma mais dinâmica e acessível permitindo que textos de origem acadêmica possam alcançar um público mais amplo que o habitual. Mas há mais que isso. Pode um texto continuar a ser pensado como um discurso contínuo e sequencial quando a leitura passa a ser acompanhada por materiais audiovisuais que chamam bem mais atenção do leitor que as tradicionais notas de rodapé? Como lidar com a relação entre imagem (ou fonograma, vídeo, fonte manuscrita) e texto analítico quando esses elementos podem aparecer em profusão? Ao comentar sua vontade de escrever um livro digital, Darnton imaginou um livro em camadas, passível de ser lido sequencialmente num primeiro nível, mas que pudesse levar a outros planos, ao oferecer artigos (e não simples referências no rodapé) que permitissem aprofundar um tópico; um documento (ou séries documentais) com sua transcrição, etc. (DARNTON, 2009, p. 61-62) Talvez seja possível ir mais longe, modificando a própria maneira de conceber e escrever um texto. No caso das Ciências Humanas, já houve experiências que tentaram lidar com a pluralidade de vozes narrativas que eram subsumidas pela autoridade do pesquisador que realizava a análise.3 Isso foi feito em livros impressos, com modificação de tipos de letra, divisão das páginas e outros recursos gráficos. Como seria num livro digital?

A segunda diz respeito ao modo como o conhecimento é produzido e sua avaliação pelos pares da área. Oferecer ao leitor acadêmico as fontes que apoiam uma análise desobriga o especialista de buscar os originais em arquivos e bibliotecas (muitas vezes inacessíveis ao leitor-pesquisador sem um grande esforço extra, pela sua localização ou pelas dificuldades de consulta) se quiser conferir as citações e os usos do material de pesquisa. Permite, ademais, que os argumentos sejam imediatamente confrontados com as fontes que os fundamentam, estimulando o debate acadêmico e a reflexão crítica sobre a própria produção intelectual.

Ao dar ao leitor a oportunidade de compartilhar com o autor as descobertas da pesquisa e permitir que ele percorra suas fontes, encante-se com elas e descubra seus segredos, o livro digital permite uma experiência de leitura sem dúvida enriquecedora. Não só para os especialistas: ainda que seja pouco praticada nos livros digitais, uma nova forma de escrita e de relação entre o texto e suas fontes (textuais ou não) tem enorme potencial na área da Educação, ao permitir aos estudantes a visibilidade sobre os fundamentos e procedimentos de trabalho do autor e sua respectiva área de especialidade. Assim, esta forma de publicação é capaz de acrescentar novas dimensões ao trabalho acadêmico, tornando-se útil e enriquecedora para os especialistas da área – o que não é pouco. Mas suas vantagens podem estender-se diretamente para a sala de aula, fornecendo instrumentos interessantes para os professores e estudantes interessados em conhecer os alicerces de construção do conhecimento em cada área das Ciências Humanas.

Além disso, ela traz uma nova potencialidade: tornar-se atrativa para o leitor “de interesse geral”, quase sempre pouco motivado a ler trabalhos acadêmicos repletos de digressões teóricas incompreensíveis para os leigos e redigidas em um jargão “para iniciados”. Mas isso é assunto para depois.

Resumindo, o livro digital nos coloca de forma mais premente diante de duas perguntas que, há longo tempo, temos evitado enfrentar: escrever para que e, principalmente, para quem? Diante delas, devemos iniciar encarando nossos próprios vícios como produtores de conhecimento. Insistimos em uma fala cifrada, hermética e auto referenciada, inacessível ao público pouco iniciado. Livros “difíceis”, frequentemente confundidos com livros “profundos”, ainda parecem conferir prestígio a autores e a gozar de popularidade entre nós. O resultado é que aquilo que produzimos não consegue ultrapassar os muros da universidade – na maior parte das vezes, nem atinge os profissionais que militam no ensino secundário e não dispõem de bons instrumentos de atualização e canais de diálogo com o que se produz no interior das cidadelas acadêmicas. Em geral, a chamada literatura “paradidática” costuma apenas vulgarizar resultados de pesquisa, retirando a visibilidade daquilo que constitui seus próprios alicerces de construção. Em outras palavras, é um conhecimento embrulhado para presente que, se por um lado facilita a tarefa de quem precisa transmitir conteúdos em sala de aula, por outro esvazia a leitura dos instrumentos críticos e formativos que caracterizam o trabalho acadêmico – e, por que não dizer, a própria experiência da leitura.

Associado a isso, ganha destaque impressionante nas prateleiras dos livreiros uma linha de publicação que causa incômodo em nossa própria área de formação e atuação. A História, afinal, parece estar na moda para o grande público – mas não, por certo, a história produzida por historiadores profissionais e familiarizados com os procedimentos e o rigor da sua área de especialização. Os leitores brasileiros folheiam avidamente obras de jornalistas que se esmeram em produzir volumes cujos títulos remetem a grandes datas da “biografia nacional”como1808, 1822, 1889; a temas ou episódios que lembram vagamente as aventuras juvenis – com náufragos, piratas e capitães. Em voga também andam as biografias de personalidades históricas ou versões “politicamente incorretas” sobre temas clássicos da disciplina, para mencionar apenas alguns dos exemplos mais conhecidos. Nem todos se equiparam em termos da qualidade ou da honestidade de seus propósitos, mas sem dúvida integram um grupo que, via de regra, se apropria daquilo que a historiografia acadêmica a duras penas levantou e analisou, conferindo-lhes uma tosca “leveza” ficcional. Pode-se chamá-la, não sem maldade, de “história para leitores da revista Veja”. Esses livros frequentemente deturpam e sempre retiram de contexto episódios e descobertas documentais feitas por pesquisadores acadêmicos, ignoram as reflexões dos especialistas e empreendem um esforço de popularização claramente estimulado pelas grandes editoras. Eles alimentam suas generalizações com afirmações escandalosas – como “os índios não cuidam da natureza” ou “os africanos eram escravistas” – ou com uma deturpação simplória de temas, distorcendo significados e agregando detalhes que afastam a narrativa do que foi discutido e analisado pelos profissionais acadêmicos que levantaram e expuseram originalmente a documentação. Não à toa, são todos campeões de vendas disputados pelas editoras comerciais, nas modalidades impressas e eletrônicas.

Assim, enquanto uma parte de nosso esforço – devidamente “traduzido” para o grande público por gente pouco qualificada e com propósitos essencialmente diversos dos nossos – gera lucros para as editoras comerciais, dentro da universidade produz-se cada vez mais para menos gente e sob a pressão das exigências de prazo e volume adotadas pelas agências financiadoras. O resultado é que nosso trabalho tende crescentemente a se tornar algo de pouco alcance e sem muito resultado prático– se ainda acreditamos que ele seja uma ferramenta essencial para inspirar a mudança e avançar na formação dos cidadãos e cidadãs. Na verdade, não seria justamente este o propósito central da disciplina histórica e das demais Ciências Humanas – como acreditaram várias gerações de historiadores ao longo do tempo?

No ambiente acadêmico brasileiro, jamais chegamos a ter um programa voltado para o livro eletrônico ou sequer uma discussão séria deste tema – e o desprestígio do livro digital parece colocar dificuldades ainda maiores para ser superado em nossa seara. Acuados pelas pressões de vários lados, parece que preferimos nos refugiar em nossas próprias idiossincrasias e alimentar o fetiche do livro impresso. Relutamos em abandonar (ou por vezes apenas abrir mão esporadicamente de) nossos antigos e prazerosos hábitos de manusear o volume em papel– há quem se apegue até ao “cheiro” do livro e não se importe de cansar as mãos conferindo as notas de cada capítulo ao final de pesados volumes. Muita gente, no meio universitário, ainda olha para e-books com um misto de desprezo e preguiça de aprender algo novo: cada um de nós será capaz de apontar vários exemplos, entre amigos e colegas de profissão. Cabe perguntar quais seriam as razões deste desprestígio do formato digital como suporte da nossa produção, levando em conta o simples fato de que ele nos daria condições de publicar com menores custos e crescentes possibilidades de acesso aos leitores, ao lado das inegáveis vantagens que a tecnologia coloca à nossa disposição. Se temos cada vez mais meios de pesquisa disponíveis através da digitalização de coleções de periódicos ou de documentação arquivística, não devíamos nos sentir desafiados a pensar sobre as vantagens da tecnologia também na divulgação dos nossos resultados e no seu alcance?

Uma avaliação mais crítica e consequente da publicação de livros em formato digital se faz necessária não apenas no meio universitário, sobretudo quando se pensa nas necessidades de um país como o nosso, tão carente de iniciativas e possibilidades de democratizar o acesso ao saber. Inevitável enfatizar que o conhecimento, no Brasil, é basicamente produzido nas universidades estatais e com financiamento público. Hoje é raro o pesquisador que não conte com suporte financeiro para o seu trabalho, sob a forma de bolsas, auxílios para aquisição de equipamentos e outras modalidades de apoio oficial. Teses e artigos acadêmicos voltados para especialistas são escritos e publicados e têm importância essencial para o desenvolvimento científico. Mas não temos dedicado muito esforço para pensar em modos de devolver os resultados à sociedade que os financiou, seja em sala de aula ou simplesmente na criação de novas linguagens que facilitem que os resultados de pesquisa cheguem às pessoas comuns, estranhas ao nosso vocabulário e modos de expor o pensamento – com críticas bibliográficas rigorosas, vocabulário cifrado, explicitação de pressupostos teóricos e metodológicos. Tardamos muito em reconhecer que se preocupar com o acesso dos cidadãos àquilo que fazemos com seus tributos é mais que uma obrigação dos pesquisadores acadêmicos, cujos projetos foram sustentados por recursos públicos.

Não devemos esquecer outro fator, este de natureza política: estamos cada vez mais ilhados intramuros, vistos com desconfiança crescente por setores da sociedade que tendem a fundir ignorância e anti-intelectualismo a concepções reacionárias e intolerantes. Vivemos afinal em um tempo em que censurar nudez em exposições de museus em defesa da família, manifestar o desejo de controlar conteúdos oferecidos em sala de aula em nome de uma falsa neutralidade “sem partido” ou esbravejar contra a tal “ideologia de gênero” são idiotices que já não espantam ninguém e circulam livremente por aí. Frequentemente a comunidade universitária tem sido apontada como uma ilha exótica habitada por inúteis cujo propósito seria, talvez, sublevar a juventude, fazer a cabeça das futuras gerações e manter “privilégios” – sejam lá quais forem no imaginário deturpado destes agentes políticos que brotam feito cogumelos nas redes sociais, no parlamento e na imprensa. Por certo trata-se de uma visão primária que, em uma situação normal, pouca atenção devia merecer de cabeças bem-pensantes. Mas seria um erro muito grande ignorar os riscos que decorrem de uma visível e crescente radicalização conservadora que busca se afirmar no país através da reação, muitas vezes agressiva, a toda forma de pensamento crítico. Convém ainda não esquecer que esta radicalização já se manifesta até mesmo no interior das universidades (o que não acontecia desde o tempo da ditadura militar), e neste caso voltada principalmente contra as áreas de Ciências Humanas. A universidade, e especialmente as áreas que fazem da palavra escrita sua principal ferramenta, se torna um alvo fácil para estes grupos se não for capaz de mostrar à sociedade o valor e o interesse daquilo que ela produz.

É neste contexto que pretendemos colocar a discussão sobre os e-books. É hora de buscar meios de comunicação mais abertos e democráticos, capazes de contribuir para restabelecer o diálogo e, com ele, o prestígio da atividade intelectual fazendo com que ela converse de modo mais aberto com a sociedade inclusiva. Isso seguramente implicará, para pesquisadores nas diferentes áreas das Ciências Humanas, enfrentar um desafio: aprender a expor ideias e resultados de pesquisa de um modo diferente do habitual, para um público leitor com o qual nos desacostumamos a falar. Mas convém lembrar que não somos os primeiros. Pelo contrário, se isso servir de estímulo, estaremos sempre em muito boa companhia. Na historiografia há exemplos marcantes, protagonizados por alguns dos nomes mais importantes em suas épocas.

Foi em texto criado para um programa radiofônico destinado ao grande público francês que George Duby – talvez o maior nome da segunda geração dos Annales – ressuscitou, no início dos anos 1980, um velho Marechal em seu leito de morte para entender muitos dos significados da vida da cavalaria medieval entre os séculos 12 e 13. Antes disso, nos anos 1970, ele cuidara de produzir um programa de televisão sobre o “Ano Mil” e, logo depois, a adaptação do seu magistral O tempo das catedrais para a mesma finalidade. Duby, que iniciou sua carreira durante a Segunda Guerra e conhecia bem os perigos dos maus usos da História, alertava os historiadores para não deixar nas mãos de leigos uma forma de comunicação tão poderosa quanto eficiente no sentido de ampliar o alcance e o entendimento da sua disciplina junto ao grande público e formá-lo para a democracia.4

Foi no cinema, por sua vez, e em um momento em que a microhistória retomava a preocupação dos historiadores com a narrativa e reinventava neste diapasão o gênero da biografia histórica, que Natalie Zemon Davis buscou uma linguagem adequada para contar ao mundo as peripécias de Martin Guerre (o verdadeiro e o impostor Pansette) e de sua esposa Bertrande, para recompor os laços de sangue e de afeto, a lógica econômica, as relações de gênero, o papel da justiça e outros mecanismos que jogaram uma luz inédita sobre a vida dos camponeses em uma aldeia basca frances do século 16. O filme (VIGNE, 1982) resultou de uma pesquisa muito extensa e refinada em seus procedimentos e, neste caso, o discurso cinematográfico acabou por colocar para a historiadora um novo problema – por não comportar as necessárias referências de uma investigação como aquela. Isso deu origem ao livro O retorno de Martin Guerre (DAVIS,1983). O resultado final, como livro, não é, todavia, uma prosa acadêmica: ele se aproxima de uma narrativa literária – um excelente romance com notas de rodapé eruditas para os iniciados. Pode-se imaginar o fantástico e-book que poderia dar, se pudesse incorporar mapas animados, imagens e documentos que mostrassem como cada detalhe da narrativa textual e cinematográfica foi cuidadosamente construído.

Estes dois exemplos – para não nos estendermos mais – mostram que falar para o grande público, fazê-lo refletir sobre o passado e o presente, faz parte da boa tradição de historiadores comprometidos com seu tempo que não recuaram diante do risco inerente à aventura de sair do quadrado. É difícil avaliar o quanto estas preocupações se estendem aos outros ramos das ciências sociais e humanas, mas certamente as possibilidades que a abertura da linguagem acadêmica oferece para segmentos mais amplos da sociedade seriam de grande pertinência para estas áreas do conhecimento.

A coleção Históri@ Illustrada, com o selo da Editora da Unicamp, é uma iniciativa recente, que caminha nessa direção.5 Sua proposta editorial é produzir textos acadêmicos (no sentido da solidez e do rigor da pesquisa que os embasa) na área da história cultural, tentando construir uma linguagem mais acessível ao público por meio da utilização intensiva dos recursos disponibilizados pela tecnologia digital. Assim, documentos audiovisuais são incorporados diretamente à trama narrativa, trazendo as fontes diretamente ao alcance dos leitores, no próprio momento em que os olhos percorrem o texto escrito. São publicações de baixo preço, acessíveis e capazes de interessar professores, estudantes e leigos de modo geral, por empregarem uma linguagem diferente da que é habitual em teses e textos de especialistas.

A coleção foi concebida a partir de resultados de pesquisa produzidos por um grupo de pesquisadores reunidos no Centro de Pesquisa em História Social da Cultura (CECULT) da Universidade Estadual de Campinas–UNICAMP. Este grupo vinha acumulando – em projetos coletivos ou em pesquisas individuais de docentes e discentes – um conjunto importante de trabalhos que gritavam por uma nova forma de exposição de resultados. Vários dos temas integram ou integrarão a coleção, como a música popular carioca; as relações da literatura com o humor e a publicidade; os significados da música negra nas Américas; a circulação de uma imprensa erótica e suas relações com a prostituição e a vida noturna na ex-capital federal; os shows de freaks e exposições que destilavam racismo em seus “zoológicos humanos” pelo mundo afora; a dinâmica das culturas negras em cidades onde tal presença foi decisiva para moldar a vida urbana como a capital baiana; a formulação, por parte de escritores brasileiros consagrados do início do século, de uma história pedagógica e nacionalista com linguagem e ilustrações voltadas especificamente para a infância; o significado da presença de anões negros em quadros do barroco português e outros temas deste tipo.6

Todos eles apontam para as imensas possibilidades do uso de recursos audiovisuais concomitantes à leitura, gerando uma experiência bem mais rica que aquela passível de ser experimentada em um simples texto impresso. Além disso, pensando em um público mais amplo do que o universitário, a coleção busca atender a duas funções: para além da leitura, os e-books são acompanhados por um material adicional passível de ser utilizado em discussões em sala de aula ou em grupos engajados nos temas da coleção. Em outras palavras, cada livro possui um suporte adicional para despertar o interesse pela leitura e facilitar o debate de seu conteúdo: um vídeo que introduz e estimula o debate daquilo que o livro expõe e desenvolve, colocado em livre acesso através de um canal do YouTube.7

Tudo isso constituiu (e ainda constitui) um imenso aprendizado para os autores empenhados na proposta. Como é fácil de imaginar, produzir roteiros de vídeo não faz parte das rotinas habituais de historiadores profissionais – assim como escrever incorporando imagens e sons representa uma experiência bastante desafiadora para quem sempre se limitou à palavra. Junto com isso, há ainda descobertas que dizem respeito à pouca familiaridade com o mercado livreiro – algo que talvez possa explicar o fato de que, a despeito de suas novidades e do seu preço convidativo, os livros da Históri@ Illustrada ainda vendam pouco – embora os vídeos disponibilizados de forma gratuita sejam aparentemente um sucesso de público. Gente ligada ao mercado livreiro, por exemplo, aponta aí um erro de estratégia: hoje em dia, com a prevalência da sintética linguagem visual sobre a concentração e o esforço exigido pela leitura de textos longos, o acesso ao vídeo pode ser visto como um atalho interessante para a maior parte das pessoas, dispensando – e não enriquecendo, como proposto – a leitura do livro…

Pode ser – e isto ajudaria a compreender melhor a disparidade de interesse entre os vídeos e os livros que, apesar das novidades, ainda se assemelham muito à forma tradicional de exposição de resultados de pesquisa. Sem dúvida, a coleção apenas inicia a caminhada e há ainda muito a descobrir ou a incorporar, explorando o meio digital, como no caso do uso de infográficos ou animações, tão comuns na internet. A recriação da escrita para incorporar de modo mais orgânico estes recursos que dizem respeito à forma de exposição de resultados é também uma aventura. Em tese, pode-se imaginar textos navegáveis, e não lineares, em que os leitores possam controlar sua própria experiência de leitura enveredando ou não pelos caminhos propostos pelo autor. Ao invés das digressões teóricas ou da explicitação da posição do autor em relação a polemicas da área (imprescindíveis a um leitor acadêmico), seria possível usar infográficos ou outros recursos de navegação para explicar algo de modo que os leitores mais avançados possam aproveitar as considerações e os não-iniciados possam simplesmente passar adiante sem perder o fio da meada. Novas formas de apresentação gráfica dos conteúdos, em diagramações mais dinâmicas e atraentes, podem também ser experimentadas; enfim é todo um mundo novo que se abre e para o qual autores e editores precisam criar respostas urgentes.

No processo de criação, produção e divulgação dos e-books da Históri@ Illustrada surgiram também dificuldades insuspeitadas, decorrentes da falta de familiaridade com o comércio livreiro e seus mistérios: o preço baixo, que foi uma questão essencial do projeto da coleção, contribuiria, segundo alguns, para desvalorizar o “produto” – e esse argumento tem sido muitas vezes usado por editoras comerciais para manter elevados os preços de e-books. A ideia inicial do projeto, em 2015, era vender o livro sem lucro, pensando apenas em cobrir os custos da produção e distribuição, ou mesmo permitir o acesso gratuito – mas as propostas foram logo bombardeadas pela direção da Editora da Unicamp na época que não quis se indispor com o tal “mercado”. Atualmente, os livros saem por 14 reais – muito abaixo da média dos livros do mercado que tenham o mesmo tamanho e demais qualidades necessárias. Isso faz com que ele pareça menos relevante aos olhos do consumidor que entrou no site da livraria para comprar, segundo alguns. Por que? Se ele fosse oferecido gratuitamente em uma página da própria universidade que explicasse o significado desta gratuidade, seria diferente? Por mais que o assunto pareça aborrecido e estranho, é preciso enfrentar também algumas questões relativas ao universo do comércio livreiro quando se propõe criar uma coleção como essa.

Além das questões ligadas à escrita e à difusão do conhecimento acadêmico, há outro aspecto em comum na experiência da Históri@ Illustrada e no projeto de Darnton: sua dimensão editorial. Já não se trata mais de capacitar as editoras para o formato digital, como na época do Gutemberg-e. Na última década, apostando com outra perspectiva nas potencialidades dos livros eletrônicos, as editoras comerciais por todo o mundo iniciaram também sua incursão nesta nova forma de circulação de obras literárias ou de não-ficção. A visão dominante, neste caso, era mais econômica que voltada para a renovação editorial: os custos de produção mais baratos e a agilidade na distribuição pareciam ser atrativos irrecusáveis. Afinal, depois da preparação e revisão dos originais, o formato eletrônico prescinde da diagramação, a conversão digital é bem mais barata que a impressão e a distribuição virtual dispensa logística e fretes. Evidentemente fizeram experiências sem abandonar o tradicional formato impresso, que ainda detém a preferência dos leitores – e, ao que tudo indica, esta tendência deve manter-se ainda por um bom tempo. Sem dúvida, entretanto, a publicação digital vem crescendo de modo notável nos últimos anos – ainda que em velocidade mais lenta do que o esperado na primeira onda de euforia com o novo formato. Os dados são controversos e dependem da metodologia adotada, nem sempre explícita. Segundo uma pesquisa da área editorial inglesa, no Reino Unido, ela ocupou 15% do mercado editorial em 2016. (THE PUBLISHERS ASSOCIATION, 2016) Entre os profissionais da área, há certo consenso de que, ainda que o impresso permaneça liderando as vendas e o mercado hesite em aceitar a digitalização massiva – seja pela dificuldade de modificar os hábitos de leitura, pelo antigo status intelectual atribuído a quem pode exibir uma boa e volumosa biblioteca doméstica ou por qualquer outra razão – o digital constitui a modalidade com maior potencial de crescimento futuro.8 Com as investidas comerciais das editoras no formato digital, o catálogo de e-books disponíveis no mundo é hoje numeroso e variado: somente na Amazon, para mencionar um dos gigantes da área, há mais de dois milhões de títulos disponíveis.

Mesmo assim, apesar de tão cheios de atrativos e desafios, os e-books não têm deslanchado no Brasil, nem parecem oferecer por aqui uma boa perspectiva comercial. Embora esta não seja nossa especialidade, vale a pena adentrar, ainda que brevemente, nesta seara fundamental para a viabilidade de qualquer projeto editorial – mesmo aqueles que não façam do lucro seu principal motivo de existência, mas sim a sempre mal resolvida relação entre a História e a dimensão pública do trabalho do historiador.

Com algum atraso, também as editoras brasileiras vêm ampliando esta forma de publicação para adaptar-se à tendência imposta pela tecnologia e pelo ritmo do mundo contemporâneo, apostando que o livro digital conquistará cada vez mais espaço na preferência dos leitores – particularmente o das novas gerações, cujos hábitos de leitura podem incluir até mesmo (para horror de gente como nós, habituada ao trato carinhoso do papel) as pequenas telas de smartphones.

De acordo com os últimos dados disponíveis, em 2016, os livros digitais foram responsáveis por apenas 1,09% do faturamento total das editoras. Considerando segmentos específicos, as obras gerais no formato digital participam com 2,38% do faturamento total das editoras (4,51% nas editoras de maior faturamento) e as obras de ciência, tecnologia e profissionais com 1,68% (2,28% nas editoras de maior faturamento). Traduzindo essas porcentagens em e-books, foram 2.751.630 unidades vendidas em 2016, das quais as obras gerais somaram 2.394.097 e as de ciência, tecnologia e profissionais apenas 223.522. (THE PUBLISHERS ASSOCIATION, 2016) São números bastante baixos, que confirmam a impressão de que, ao menos no Brasil, este é um setor que ainda parece sem atrativos para as editoras comerciais. Na verdade, só 37% delas, no Brasil, produzem e comercializam e-books (CBL, SNEL, FIPE, 2016).

Certamente é pouco, mas vale a pena olhar mais demoradamente a variação destes índices nos anos passados. Segundo Carlo Carrenho, que participou da elaboração da edição deste ano do Global eBook: a report on market trends and developments, entre 2015 e 2016 houve uma variação positiva de quase 23% na participação dos e-books no volume de negócios das editoras e, mais significativo, um aumento de mais de 50% na sua participação considerando as unidades vendidas nestes dois anos, que serviram de base ao relatório (WISCHENBART (ed.), 2017). O mesmo autor elabora um gráfico, reproduzido abaixo, que ajuda a visualizar o crescimento desta modalidade de publicação do interior do mercado de livros no Brasil nos últimos cinco anos – período que coincide com a presença de grandes agentes comerciais no mercado local e na introdução de aparelhos leitores como Kobo e Kindle, que vieram se juntar à proliferação dos tablets, ajudando a disseminação do formato no Brasil.

Fonte: CARRENHO, 2017

Acrescente-se a isto a observação de outro especialista da área, Antonio Hermida, em recente entrevista: apesar da sensível queda de receita das editoras, da ordem de 40% em 2015 em virtude da suspensão da compra dos didáticos pelo governo e da forte retração do consumo acarretado pela crise econômica, os livros digitais foram os únicos que não apresentaram queda de vendas – o que sugere que este é um segmento que cresce independente dos grandes aportes governamentais que têm sustentado as edições didáticas, por exemplo (LIMA, 2017).Trata-se de um mercado que, ao que tudo indica, mantém suas possibilidades de expansão, a despeito dos números ainda baixos e do pouco investimento das editoras brasileiras no setor. Os dados revelam que esta pequena parcela é a que tem o crescimento mais consistente, mesmo que seja ainda pouco expressiva no faturamento das casas editoriais.

Se é assim, o pouco interesse pelos e-books no nosso país ainda precisa ser mais bem compreendido e enfrentado. Para além dos componentes culturais já mencionados, é fato que o acesso à internet de banda larga é ainda muito limitado e de má qualidade, inviabilizando muitas vezes o acesso de boa parte dos potenciais leitores a formatos tecnicamente mais sofisticados, que ultrapassem a mera reprodução do impresso. Diante de tudo isso, as editoras hesitam em sair de sua zona de conforto para investir na qualidade da digitalização, na inovação técnica que os programas de edição digital proporcionam e na redução do custo do livro para o consumidor, limitando-se na maioria das vezes a reproduzir livros físicos em PDF ou em ePub. Talvez devido a esta percepção imediatista sobre o interesse comercial dos livros eletrônicos, as livrarias virtuais disponibilizam informações pouco cuidadosas, truncadas e limitadas sobre os e-books, dificultando os leitores na hora de fazer escolhas entre diferentes possibilidades de readers e dispositivos, o que deve retrair ainda mais o número de possíveis consumidores entre aqueles pouco acostumados a este feitio (que são, sem dúvida, a maioria).

Provavelmente por isso, quando investem em formatos tecnicamente mais avançados, as editoras brasileiras visam segmentos muito específicos de consumidores, apostando em livros infantis “animados” ou audiolivros para atender pessoas com restrições visuais.9 Uma experiência pessoal recente pode ilustrar este aspecto: como coordenadoras de uma coleção de livros digitais na área da História chancelada por uma das maiores universidades do país, estivemos em uma loja da principal rede nacional de livreiros para checar se a indexação dos títulos poderia ser melhorada, pois havíamos verificado várias incongruências nas informações contidas no site da empresa. Quando explicamos ao encarregado do setor nosso propósito e descrevemos as obras da Históri@ Illustrada – que contam com muitos recursos de imagem, som e vídeo – ouvimos a previsível indagação: “ah, é para crianças?” Diante de nossa negativa, o rapaz permaneceu com cara de espanto – como se a própria ideia de um livro “sério” com esses elementos fosse quase impensável.

O que acontece fora do âmbito acadêmico interfere nas possibilidades de difusão do conhecimento produzido no interior das próprias universidades e para um público leitor mais amplo que o dos especialistas. As chamadas “editoras universitárias” muitas vezes aspiram ter o mesmo êxito que as editoras comerciais, sem levar em conta que vivem circunstâncias bem diferentes delas. Publicam títulos de menor repercussão comercial que romances ou livros de autoajuda, dependem dos escassos orçamentos das universidades, enfrentam entraves burocráticos para a distribuição de livros. Por isso, não podem sobreviver nem crescer se ficarem presas à lógica do mercado. Por isso, é importante refletir sobre aquilo que fazemos dentro da academia nessas duas frentes – a dos autores confortavelmente apegados aos seus hábitos de escrita e a de outras instâncias universitárias que muito frequentemente estão imersas nas suas rotinas, conformadas com seus horizontes limitados e sua pouca influência no conjunto da comunidade acadêmica.

Na verdade, as editoras universitárias ainda carecem de políticas editoriais voltadas para a produção de livros para o público essencialmente universitário. O apego a procedimentos adotados pelas editoras comerciais cria dificuldades evidentes para objetivos como aqueles propostos pela coleção Históri@ Illustrada, para além das questões de preço e de canais de distribuição. A gratuidade já praticada por algumas editoras universitárias é somente parte da solução. É preciso seguir adiante, formas de garantir a disseminação dos conteúdos produzidos no âmbito acadêmico – para dentro e para fora das universidades.

São, por exemplo, os imperativos comerciais que proíbem que se reproduza ou se fatie conteúdos de livros, dificultando o uso de capítulos avulsos em salas de aula. No entanto, tais imperativos se chocam com os hábitos de leitura dos jovens universitários. Uma pesquisa recente feita na maior universidade pública do país mostrou que 97,5% dos inquiridos (dos quais 76,3% eram alunos de graduação e pós-graduação) leram mais trechos ou capítulos de livros que livros completos (LIVROS, 2015). Esse é, portanto, o importante público-alvo quando se trata de livros de História ou outras áreas das Ciências Humanas preocupadas com a dimensão educacional.

Quando se passa do impresso para o digital, a questão se torna ainda mais aguda. Todo mundo sabe que muitos costumam operar com a modalidade “xerox” para dar aulas, usando um ou dois capítulos de um livro, mas isso atualmente não é factível no formato digital, no Brasil, onde editoras e distribuidoras bloqueiam o acesso parcial para proteger sua lucratividade. Não seria possível para editoras não-comerciais, como aquelas abrigadas nas estruturas das universidades públicas, criar um mecanismo que superasse estes obstáculos permitindo a impressão ou mesmo a venda parcial a preços igualmente parciais? A compra de um capítulo, por exemplo, daria acesso à Introdução e ao capítulo desejado… ou se poderia pensar em vendas a preços especiais dos livros para um público universitário para o qual eles fossem indicados como material de leitura obrigatória.

Assim, além de buscar ampliar o acesso a um público leitor que nunca conseguimos atingir, é preciso superar o limite imposto pela lógica exclusivamente mercadológica que restringe as editoras públicas, se desejamos dar consistência e alcance às obras universitárias. A maioria delas, por inércia ou dificuldades operacionais, se comporta exatamente como as editoras comerciais quando se trata da etapa da comercialização – só que com menos flexibilidade e competência. Por exemplo, a maioria segue sem discutir o hábito imposto pelas regras pactuadas pelo “mercado” de abater apenas 20% do preço final do livro para a modalidade e-book, ainda que o custo de produção de um PDF paralelo ao impresso seja próximo de zero – e o de um ePub seja muito menor que o de um livro impresso.10

Por que devemos nos restringir aos acordos e interesses das empresas editoriais se pensarmos em uma área da universidade pública destinada a tornar o conhecimento que ela produz acessível ao público do lado de fora? Afinal, editoras universitárias, em princípio, não visam o lucro – embora um dinheiro adicional seja sempre bem-vindo, até por permitir ampliar o alcance e viabilizar novos projetos. Além disso, as editoras devem pensar em alcançar um público potencial que está aí a gastar dinheiro nas livrarias em títulos assinados por diletantes que faturam direitos autorais requentando e desvirtuando aquilo que vão pinçar justamente nas obras acadêmicas que ninguém lê e cuja publicação se dá, em grande parte, através das editoras universitárias.

As editoras não são as únicas parcelas da comunidade universitária que podem se beneficiar com uma proposta como a da coleção Históri@ Illustrada. Ao produzir instrumentos complementares aos livros, passíveis de serem utilizados em salas de aula e grupos de discussão, como no caso dos vídeos, é possível congregar recursos e setores técnicos disponíveis na própria universidade: unidades interessadas nos estudos de comunicações e artes, setores de difusão científica e assessoria de imprensa (sem falar nas TVs e rádios universitárias).

Os desafios e os obstáculos não devem desanimar autores e editores. Temos ainda muito o que aprender nesta área e pouco subsídio interdisciplinar para orientar as escolhas. É necessário estreitar, por essa razão, os laços com os setores – também presentes nas universidades públicas – de imprensa e difusão cultural, em busca de acertos na divulgação do trabalho realizado e de utilização de técnicas mais modernas e disponíveis para acessar um conjunto indefinido de interessados seja nos temas, seja na forma de produção de livros digitais. Maximizar o uso de recursos financeiros e promover a interdisciplinaridade podem contribuir bem mais do que melhorar a formatação gráfica dos e-books ou a qualidade técnica de vídeos e animações, com certeza.

Isso tudo nos leva a uma preocupação que ultrapassa nossas tarefas como produtores de conhecimento: as universidades, em uma perspectiva como essa, necessitam qualificar melhor seus quadros técnicos e profissionais – seja nas editoras ou nos setores audiovisuais ou difusão, e outros – para lidar com as novas possibilidades de abertura de nosso trabalho para a sociedade. Como tem acontecido sempre no país, também estas áreas tenderam a se cristalizar como instâncias burocráticas, pouco atraídas pela inovação e pouco afeitas à busca de alternativas ou à invenção. No entanto, o seu papel é fundamental e deve ser valorizado se encararmos com seriedade o desafio de fazer com que a produção acadêmica volte a se comunicar diretamente com a sociedade e a ter influência nos debates culturais e políticos da atualidade.

Por certo os problemas não acabam por aqui. Uma das principais objeções ao livro eletrônico, por exemplo, repousa em um temor bastante justificável. Afinal, plataformas digitais tendem à obsolescência, como sabemos. Browsers e softwares se modificam rapidamente e não há garantia de que os livros produzidos em um formato sejam legíveis no próximo. Esta ideia parece apavorante para nós, como leitores e produtores. É como se, um belo dia, nossas lindas prateleiras amanhecessem vazias, perdidos os livros pelos quais temos tanta afeição e necessidade, pois constituem a principal ferramenta da nossa atividade. Isso obviamente pode desestimular os leitores e os autores – sobretudo aqueles que, como nós do mundo acadêmico, pensam o livro como algo permanente, do qual se pensa lançar mão muitas vezes na vida. Em outros termos, o temor da transitoriedade das tecnologias digitais nos leva a desconfiar de que uma obra adquirida ou produzida neste formato pode se tornar inacessível em pouco tempo, devido à finitude de seu suporte. Então, provavelmente será necessário pensar uma forma que permita a estes livros eletrônicos algum tipo de permanência no mundo “real”. Até mesmo entre os arquivistas, que enfrentam o dilema da preservação de documentos digitais, isso ainda é um problema a ser equacionado. Eis um dos desafios que o formato digital coloca para outro setor essencial do nosso cotidiano acadêmico: os bibliotecários das universidades públicas precisam estar preparados para eles, oferecendo soluções de médio prazo para mitigar as angústias de leitores e escritores.

Problemas à parte, a perspectiva de sair da zona de conforto e buscar meios de superar o isolamento a que estamos submetidos – e que tende a crescer assustadoramente se (ou quando) a tempestade política que se configura no horizonte finalmente desabar – pode nos salvar do naufrágio e indicar um caminho, ou vários caminhos paralelos, que nos conduzam ao porto. É neste esforço que está engajada a proposta da coleção Históri@ Illustrada, cujo sucesso depende de um conjunto de iniciativas – de historiadores-autores, da equipe da editora, dos setores de divulgação e audiovisual da universidade e assim por diante. A experiência segue avançando, com resultados animadores do ponto de vista de suas possibilidades – mas que dependem literalmente do nosso êxito coletivo em superar as barreiras da comunicação que ainda têm mantido a coleção (e seus propósitos) quase invisível nas prateleiras virtuais das grandes distribuidoras de e-books.

Mais que anunciar a coleção e seus propósitos, entretanto, este artigo pretende ser um convite dirigido a todos os círculos acadêmicos, especialmente o das Ciências Humanas. Ele resulta de uma reflexão provocada pela experiência direta de coordenar uma coleção de livros digitais e de acompanhar a escrita, a produção editorial, a divulgação e circulação de seus volumes. Pudemos nos inspirar em projetos que tiveram circulação internacional, mesmo que tenham sido efêmeros. Mas essa experiência nos levou a pensar o mundo em que vivemos e nos desafios que temos pela frente. Precisamos imaginar meios de sair do isolamento, nos engajar na construção de pontes e canais que nos levem de volta à sociedade brasileira, com suas mazelas, carências e encruzilhadas. E contribuir, por meio de ações concretas, para superá-las.

Referências Bibliográficas

ABREU, Martha. Da senzala ao palco. Canções escravas e racismo nas Américas, 1870-1930. Campinas: Editora da Unicamp, 2017.

BALABAN, Marcelo. Estilo moderno: Humor, literatura e publicidade em Bastos Tigre. Campinas: Editora da Unicamp, 2016

CARRENHO, Carlo. Livros digitais são 6,89% do mercado trade no Brasil, aponta GlobaleBook”. Publishnews, 15/05/2017. Disponível em: http://www.publishnews.com.br/materias/2017/05/15/livros-digitais-sao-689-do-mercado-trade-no-brasil-aponta-global-ebook (acesso em 03/06/2018)

CBL, SNEL, FIPE. Censo do Livro Digital. Ano Base 2016. Disponível em: http://www.snel.org.br/wp-content/uploads/2017/08/Apresentacao-Censo-do-Livro-Digital.pdf.

CLIFFORD, James e MARCUS, George E. (orgs). Writing Culture. The poetics and politics of ethnography. Berkeley: University of California Press, 1986.

CUNHA, Maria Clementina Pereira. “Não tá sopa”. Sambas e sambistas no Rio de Janeiro, de 1890 a 1930. Campinas: Editora da Unicamp, 2015

DARNTON, Robert. An Early Information Society: News and the Media in Eighteenth-Century Paris. The American Historical Review, v. 105, n. 1, p. 1-35, 2000.

DARNTON, Robert. Gutenberg-e. In: The Case for books: past, present, and future. New York: Public Affairs, 2009, p. 79-102 (Tradução: São Paulo: Companhia das Letras, 2010)

DARNTON, Robert. Lost and found in cyberespace. In: The Case for books: past, present, and future. New York: Public Affairs, 2009, p. 59-65 (Tradução: São Paulo: Companhia das Letras, 2010)

DARNTON, Robert. Uma precoce sociedade da informação: as notícias e a mídia em Paris no século XVIII. Varia História, v.17 n. 25, p.9-51, 2001

DAVIS, Natalie Zemon. The return of Martin Guerre. Cambridge: Harvard University Press, 1983.(Tradução. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987).

DUBY, Georges, L’An mil. Paris: Julliard, 1967 (Tradução,Lisboa: Edições 70, 1967.

DUBY, Georges. Guillaume le Maréchal ou Le meilleur chevalier du monde. Paris: Fayard, 1984 (Tradução, Lisboa: Gradiva, 1986).

DUBY, Georges.  Le temps des cathédrales: l’art et la société, 980-1420. Paris: Gallimard, 1976 (Tradução. Lisboa: Estampa, 1979).

LE RETOUR de Martin Guerre. Direção: Daniel VIGNE. Produção: Société Française de Production Cinématographique; Société de Production des Films Marcel Dassault; FR 3. VHS, 122 min. França, 1982

LIMA, Juliana Domingos. Por que a produção e venda de livros digitais ainda está engatinhando no Brasil. Nexo, 24/08/2017. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/08/24/Por-que-a-produ%C3%A7%C3%A3o-e-venda-de-livros-digitais-ainda-est%C3%A1-engatinhando-no-Brasil (acesso em 03/06/2018)

LIVROS eletrônicos na Universidade. São Paulo: Edusp, 2015. Disponível em: https://www.edusp.com.br/pesquisa/Livros_eletronicos_na_universidade.pdf (acesso em 03/06/2018).

MEIRELES, Maurício. Participação de e-books no mercado do país é ínfima, mostra pesquisa inédita. Folha de S. Paulo, 24/08/2017, p. C8.

THE PUBLISHERS ASSOCIATION. The UK Book Industry in Statistics in 2016. Disponível em: https://www.publishers.org.uk/EasySiteWeb/GatewayLink.aspx?alId=24186 (acesso em 03/06/2018)

WISCHENBART, Rudiger (ed.). Global eBook. A report on market trends and developments, maio de 2017. Apud: CARRENHO, Carlo. Livros digitais são 6,89% do mercado trade no Brasil, aponta GlobaleBook”. Publishnews, 15/05/2017. Disponível em: http://www.publishnews.com.br/materias/2017/05/15/livros-digitais-sao-689-do-mercado-trade-no-brasil-aponta-global-ebook (acesso em 03/06/2018).

Notas

1 Um bom exemplo é o artigo “An Early Information Society: News and the Media in Eighteenth-Century Paris” (DARNTON, 2000), que tinha uma versão eletrônica com um mapa interativoon line em: www.indiana.edu/~ahr/. Para uma versão em português, vide DARNTON, 2001. Depois de participar de comitês da Biblioteca do Congresso e da Biblioteca Pública de Nova York, em 2007 Darnton assumiu a direção da Biblioteca da Universidade de Harvard, envolvendo-se no projeto que resultou no Google Book Search, que disponibiliza livros de bibliotecas de pesquisa na web.

2ACLS Humanities e-Book, disponível em: http://www.humanitiesebook.org/the-collection/special-series/gutenberg-e/ (acesso em 23/09/2017)

3Ver, por exemplo, CLIFFORD e MARCUS (orgs.), 1986.

4Ver DUBY, 1967, 1976, 1984.

5A coleção conta já com três títulos publicados: CUNHA, 2015; BALABAN, 2016 e ABREU, 2017.

6Os próximos títulos (ainda provisórios) programados da coleção Históri@ Illustrada são: Cristiana Schettini, Só para homens: humor e malícia na imprensa ilustrada carioca do início do século XX ; Gabriela dos Reis Sampaio e Wlamyra R. Albuquerque, Raça, cultura e sociabilidade no centro de Salvador, Bahia: personagens urbanas no final da escravidão e no pós-abolição; Sandra Sofia M. Koutsoukos, Zoológicos humanos: a aberração entre o espetáculo e a ciência; Angela de Castro Gomes História de chinelo: literatura, mídia e ensino de história; Silvia Hunold Lara, O colonial na Corte: significados do Novo Mundo no final do século XVIII português.

7Já estão disponíveis os vídeos: “Sambas e sambistas” (https://www.youtube.com/watch?v=BCwgGyeRThI), “Humor, literatura e publicidade” (https://www.youtube.com/watch?v=WRUEXa6j8wA) e “Canções escravas e racismo nas Américas” (https://www.youtube.com/watch?v=agZPb-uEVto).

8 O presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livro (SNEL) afirma que, no Brasil, em 2016, a venda de livros digitais teve um crescimento de 20%. Cf. MEIRELES,2017, p. C8.

9 No caso de audiolivros, isto consta do Estatuto da Pessoa com Deficiência (lei nº 13.146/2016) que estabelece que o poder público incentive a edição de livros acessíveis – o que, aliás nem sempre vem sendo cumprido.

10 O preço, aliás, não é necessariamente uma questão puramente comercial. A pesquisa feita na Universidade de São Paulo indica que 47,3% dos entrevistados nunca haviam comprado um livro eletrônico, embora já tivessem baixado e-books gratuitos. (LIVROS, 2015)



Citar este post
Observatório da História (2019, 4 Fevereiro). [ARTIGO] Livros digitais: potencialidades e desafios para as Ciências Humanas. Observatório da História. Recuperado em 22 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/plxs

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.