Todos os artigos de Luís Filipe Silvério Lima

Seminário do Observatório – “Produção de verdade(s) e preservação de documentos em tempos de fake news e cultura digital”

Convidamos tod@s para o Seminário do Observatório de 2019, que ocorrerá na próxima terça-feira, dia 21, das 10h às 13h, no Auditório do Campus Guarulhos da Unifesp.
 
Neste ano, o tema será a “Produção de verdade(s) e preservação de documentos em tempos de fake news e cultura digital”, e a discussão contará com o escritor Ricardo Lísias e o Prof. Renato Pinto Venancio (UFMG) como expositores, e o prof. Bruno Feitler da casa, como mediador. 
 
Seminário do Observatório – 2019
“Produção de verdade(s) e preservação de documentos em tempos de fake news e cultura digital”
Data: Terça, 21 de Maio. Horário: 10h às 13h
Local: Auditório da EFLCH – EFLCH, Unifesp, Campus Guarulho, Estrada do Caminho Velho, 333 – Guarulhos. 
 

[ARTIGO] Escola para quê? Notas sobre o discurso da escola para o trabalho – Maria Rita Toledo

 

O texto abaixo foi apresentado por Maria Rita de Almeida Toledo, da Unifesp, no Fórum de Graduação da Anpuh-SP. Fez parte das atividades do GT de Ensino de História e das discussões sobre o BNCC realizadas ao longo de 2017 e 2018, um debate importantíssimo para nós da área de História.

A profa. Maria Rita enviou-nos seu texto para que o publicássemos e discutíssemos aqui no blog do Observatório, pelo que lhe agradecemos.

Boa leitura e deixem seus comentários!

Escola para quê?
Notas sobre o discurso da escola para o trabalho

Maria Rita de Almeida Toledo
Unifesp

 

Os educadores vêm testemunhando um colossal esforço – que não tem se mostrado exatamente malsucedido – de exportação, para as escolas, da crise econômica e de relações de autoridade que afeta as práticas e políticas de grupos dominantes. Querem nos convencer que “se as escolas, seus professores e seus currículos fossem rigidamente controlados, mais estreitamente vinculados às necessidades das empresas e das indústrias, mais tecnicamente orientados e mais fundamentados nos valores tradicionais e nas normas e regulamentos dos locais de trabalho, então os problemas de aproveitamento escolar, de desemprego, de competitividade econômica internacional, de deterioração das áreas centrais das cidades etc. desapareceriam quase por completo.1

O excerto do texto de Apple, escrito nos anos 90, apesar de não se referir especificamente à escola brasileira, nos desvela de pronto as representações que têm se apresentado como senso comum – como discurso hegemônico sobre a escola – e por isso mesmo, têm justificado, de um lado, as necessidades das reformas do ensino médio e do currículo expressas na BNCC, e de outro, são as linhas mestras dessas mesmas reformas. Como discurso que se quer hegemônico, tende a apagar outras possibilidades para a escola e seus significados, assim como a sua história. Esse apagamento já está implicado na autorização de um discurso reiterado sobre a ineficácia da atuação das instituições escolares no Brasil, da inexistência de experiências positivas produzidas pelos seus corpos docentes, discentes ou administrativos, de seu eterno fracasso. Esse fracasso, portanto, autoriza as reformas educacionais, porque essas últimas, finalmente, produziriam o “novo” para essas instituições. Esse “novo”, calcado no controle rígido do currículo e na articulação das finalidades da escola às finalidades do mundo empresarial, seria a solução mágica para a inépcia do professor e a ignorância de seus alunos. Continuar a ler[ARTIGO] Escola para quê? Notas sobre o discurso da escola para o trabalho – Maria Rita Toledo

[ARTIGO] O Futuro do Passado no Presente: historiografia e indisciplina – Arthur Avila

Este é o terceiro texto que publicamos no blog resultante das apresentações e intervenções feitas nos Seminários & Colóquios do Observatório. O prof.  Arthur Avila, da UFRGS, apresentou uma versão do texto abaixo no III Colóquio do Observatório. O texto será publicado ano que vem em livro.

Boa leitura e deixem seus comentários!

O Futuro do Passado no Presente:
historiografia e indisciplina
i

Arthur Lima de Avila
Dep. de História/UFRGS

Há algum tempo, vários autores e autoras tem feito alguns prognósticos bastante sombrios quanto ao futuro da historiografia disciplinada. Mesmo que mal-estares não sejam necessariamente novos nas oficinas de Clio, existe, nas atuais considerações, algo mais casmurro do que a simples constatação de uma crise qualquer: para estes analistas, é o próprio futuro da disciplina que parece estar em jogo nas primeiras décadas do século XIX. O argumento, esgrimido de diversas maneiras por diferentes historiadores e historiadoras, tais como Maria Inés Mudrovcic (2014), Chris Lorenz (2014), Rodrigo Turin (2018) e Ethan Kleinberg (2017), é simples, ainda que não menos grave por isso: produto de uma determinada conjuntura histórica, aquela da Europa ocidental decimonónica, e fielmente atrelada aos seus pressupostos fundadores, a historiografia disciplinada estaria se tornando, ou já se tornado, obsoleta no novo milênio, justamente por causa das mudanças estruturais globais do último meio século, pelo menos. Desta maneira, não estaríamos passando por uma simples “crise de paradigmas” ou “de metodologias”, ou, para parafrasear Albert Camus (2017, p. 53), o problema não seria o o vocabulário, mas o tempo: nessa situação, estaríamos enfrentando uma crescente resistência, ou mesmo a inexistência, de uma demanda contemporânea pelo tipo de conhecimento proporcionado pela disciplina. Não seria o caso, assim, de estarmos vivendo num “mundo sem passado”, como asseverou Manuel Cruz (2013), mas em um em que a história, uma das imaginações modernas por excelência, se tornou desnecessária ou redundante, ao menos para os projetos de poder dominantes na atualidade. Continuar a ler[ARTIGO] O Futuro do Passado no Presente: historiografia e indisciplina – Arthur Avila

O Debate sobre a regulamentação profissional: o caso da História – Lucas Sacht

O texto que se segue foi elaborado Lucas Engel Sacht, Graduando do Curso de História da UFPR, como introdução à mesa-redonda “O Debate sobre a regulamentação profissional: o caso da História”, que ocorreu no Departamento de História da UFPR em 14 de setembro de 2018. Agradecemos ao Lucas pelo envio e ao prof. Rafael Benthien pela sugestão.

INTRODUÇÃO

A regulamentação da profissão de historiador é um assunto de nítido interesse para todos e todas nós e que acaba ficando em segundo plano pelos demais eventos bombásticos dos últimos anos. A urgência de pautas como a reforma do Ensino Médio, a BNCC, PEC do Teto, anúncio de “falência” da CAPES, cortes sobre cortes na educação, o incêndio no Museu Nacional… Enfim, completem essa lista com a má notícia de sua preferência, nos tira um pouco do fôlego para debater questões como a regulamentação da profissão de historiador.

No entanto, esse debate é necessário pelas implicações que a regulamentação terá sobre nós, e é fundamental compreendermos a legislação e demais burocracias que nos rodeiam. Talvez perdemos um pouco do timing ideal, do momento de elaborar propostas enquanto comunidade acadêmica de História da UFPR para gerar efeitos sobre o projeto, visto que no momento ele se encontra pronto para sua última votação no Senado, o que pode ocorrer a qualquer momento. Continuar a lerO Debate sobre a regulamentação profissional: o caso da História – Lucas Sacht

[ARTIGO] Qualis Periódicos na Área de História – Rafael Benthien

Este é o segundo texto que publicamos no blog, resultante das apresentações e intervenções feitas nos Seminários & Colóquios do Observatório. O prof. Rafael Benthien apresentou uma versão do texto abaixo no II Colóquio do Observatório, que será publicado ano que vem no livro A História (In)Disciplinada: Teoria, Ensino e Difusão do Conhecimento Histórico, organizado por Fernando Nicolazzi, Arthur Ávila e Rodrigo Turin. Agradecemos a autorização dos editores para a publicação aqui no blog do Observatório!

Boa leitura e deixem seus comentários!


QUALIS PERIÓDICOS NA ÁREA DE HISTÓRIA: 
Alguns apontamentos sobre os pressupostos, os resultados e os possíveis efeitos de uma avaliação institucional (2013-2016)1.

Rafael Faraco Benthien (PPGHIS/DEHIS-UFPR)

Apublicação em periódicos é, nos modernos sistema de ensino e pesquisa, condição indispensável para a viabilização de uma carreira científica. Por seu caráter serial,  tal suporte tende aintensificar e a normatizar a circulação de ideias e de pessoas, contribuindo decisivamente para o reconhecimento, tanto positivo quanto negativo, dos pesquisadores. Ocorre apenas que os periódicos não existem de forma isolada. Eles se definem, antes, em relação atudo o que se faz no âmbito da ciência, podendo, inclusive, por efeitos de concorrência ou de legislação, ser pressionados  modificar seu conteúdo, seu formato, sua periodicidade e sua ancoragem institucional. Dada essa complexidade, os autores que neles publicam raramente conseguem vislumbrar a totalidade dos veículos xistentes. Reféns dos limites de suas próprias capacidades produtivas, bem como de suas posições e do sentido de suas apostas– quer estas se definam em termos de objeto, de preferências teórico-metodológicas e mesmo de padrões de sociabilidade –,eles estão fadados a restringir sua participação a uma parcela dosperiódicos, em geral bastante reduzida.

O último Qualis Periódicos, avaliação relativa ao quadriênio 2013-2016, oferece, nesse sentido, uma oportunidade singular: trata-se de um instrumento privilegiado para que os produtores de conhecimento consigam ampliar a compreensão que têm do universomais amplo em que se inserem. Tendo sido elaborado a partir da produção de todos os pesquisadores atrelados aos programas de pós-graduação nacionais, tal como esta foi cadastrada na plataforma Sucupira do Governo Federal, seus resultados encontram-se materializados em uma série de listas, divididas por áreas, contendo os periódicos frequentados durante o intervalo. Essas listas não indicam, importa destacar, a intensidade com que se investiu em cada revista. Tudo se passa como se o observador estivesse diante de um mapa contendo todos os caminhos, sem conseguir distinguir, no entanto, entre a pequena trilha explorada por um andarilho solitário e as grandes avenidas nas quais os pesquisadores de uma área realizam suas tradicionais procissões. Eis aí, por certo, uma limitação, mas que está longe de inviabilizar o uso desse recurso como objeto de estudo. Continuar a ler[ARTIGO] Qualis Periódicos na Área de História – Rafael Benthien

III Colóquio do Observatório da História

Convidamos a tod@s a participarem do III Colóquio do Observatório da História, que ocorrerá dia 6 de novembro no Campus Guarulhos, EFLCH, da Unifesp. A programação segue abaixo.


PROGRAMAÇÃO
10h – Abertura

Coordenações do PPGH e do ProfHistória Unifesp / Comissão Organizadora
10h30 – Mesa 1: Ensino de História em tempos sombrios
Nilton Mullet Pereira (UFRGS)
Rebeca Gontijo (UFRRJ)
12h30 – Almoço
14h30 – Mesa 2: “Virtudes” do historiador e “indisciplinarização” da História
João Rodolfo Munhoz Ohara (Unesp-Assis) 
Arthur Ávila (UFRGS)
16h30 – Intervalo
17h – Mesa 3: Presentismo(s), atualismo(s) e distopia(s)
Temístocles Cezar (UFRGS)
Valdei Araújo (UFOP)
19h – Encerramento

Local: Sala 317 do Prédio Acadêmico
EFLCH, Unifesp – Campus Guarulhos
Estrada do Caminho Velho, 333
Guarulhos – SP

INSCRIÇÕES NO LOCAL

Boaventura sobre a universidade hoje, 100 anos após Córdoba

Na CRES 2018 (Conferencia Regional de Educación Superior de América Latina y el Caribe), que ocorreu em Córdoba, em junho passado, o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos proferiu a  conferência de abertura na qual tratou sobre o papel da universidade hoje e os desafios da universidade. O local e a data, marcando o centenário do levante estudantil de Córdoba de 1918, permearam sua fala, lembrando também outra comemoração de um levante estudantil, o Maio de 1968 (este, por sinal, mais lembrado no Brasil do que aquele).

O interessante é que ao falar de ambos, 1918 e 1968, enunciou que os desafios e adversários da universidade hoje, frente ao neoliberalismo, são muito maiores do que eram então. Nesse sentido, fez uma reflexão, similar à realizada ano passado na Unifesp, como a universidade pode se repensar não só para enfrentar mas para sobreviver à mercantilização e à precarização criada pelos novos sistemas de gestão e avaliação impostos a (ou por vezes criados por) ela. Mais do que isso, defendeu que a universidade precisa se reinventar num ponto central, a sua própria produção de conhecimento, para recuperar um sentido (não só social) que se perdeu com a quebra dos pactos das universidades com as classes médias e as elites dirigentes. A pertinente e (provocadora) fala pode ser vista inteira no YouTube da conferência e um resumo pode ser lido em matéria do jornal argentino Página 12, “Bajo lo asedio neoliberal”.

Matéria sobre desemprego, mercado acadêmico e jovens doutores

O portal G1 publicou uma matéria sobre a situação do mercado de trabalho acadêmico e as perspectivas (a falta delas) para jovens doutores. Há pontos ali merecedores de uma reflexão maior.  Para além da resposta evasiva e falsa do MEC sobre a falta de recursos para o sistema público federal, há pontos importantes a se considerar sobre como e para quê estamos formando tantos doutores.

Aqui tomo emprestadas as ponderações de Rodrigo Turin expressas na reportagem (e que foram apresentadas de maneira ampla e muito contudente no último Colóquio do Observatório) para que problematizemos também sobre os rumos da Pós-Graduação e da formação de historiodor@s neste contexto de crise. Não devemos nos perguntar se não estamos, como no caso da nossa produção (ou melhor, do nosso produtivismo), simplesmente reproduzindo uma lógica produtivista e de mercado acadêmico?

Um resultado disso pode ser resumido pela anedota que está na introdução de Manifesto of a Tenured Radical (Nova York: NYU Press, 1997),  que um doutorando ao se aproximar da defesa, após anos sendo incentivado a fazer pesquisa e buscar ser original e ter níveis de “excelência”, disse que começou a ver o túnel no fim da luz.

Para a matéria inteira, clicar aqui.

Obs.: a tirinha que ilustra o post é do Ph.D Comics e pode ser lida aqui.

[ARTIGO] Seminários de Atualização Historiográfica II – M.Rita Toledo e Fábio Franzini

Este é o primeiro texto que publicamos no blog, resultante das apresentações e intervenções feitas nos Seminários & Colóquios do Observatório. A prof. Maria Rita apresentou uma versão do texto abaixo no I Colóquio.
Em breve, mais textos serão publicados.

Boa leitura e deixem seus comentários!

z

SEMINÁRIOS DE ATUALIZAÇÃO HISTORIOGRÁFICA II:
relato de uma proposta formativa

Profa Dra Maria Rita de Almeida Toledo
Prof. Dr. Fábio Franzini

O objetivo deste texto é apresentar os contornos da proposta formativa da unidade curricular Seminários de Atualização Historiográfica II, voltada para os alunos do Programa de Pós-Graduação em História da Unifesp. Fruto de uma longa discussão sobre as estratégias de inserir os estudantes no debate acadêmico de modo que ampliassem seus horizontes e percebessem que o próprio campo da História está em movimento, essa discussão fez parte da construção do projeto do Programa, aprovado pela CAPES em 2011. Continuar a ler[ARTIGO] Seminários de Atualização Historiográfica II – M.Rita Toledo e Fábio Franzini

Seminários do Observatório: “Problemas na avaliação de periódicos acadêmicos”

SEMINÁRIO do OBSERVATÓRIO
Problemas na avaliação de periódicos acadêmicos
Prof. Dr. Jaime Ginzburg (USP)
Quarta, 20/6, 10h30
Sala 110 – Unifesp-Guarulhos

Próxima quarta, 20/6, receberemos na Unifesp Guarulhos, o Prof. Dr. Jaime Ginzburg, da USP, para o segundo Seminário do Observatório. Ele discutirá conosco o tema central dos “Problemas na avaliação de periódicos acadêmicos”. Convidamos tod@s interessad@s para participar desse debate.

O prof. Ginzburg escreveu em 2013 um artigo discutindo essa questão, analisando a citação de artigos nas teses na área de Letras. Em sua apresentação, buscará retomar essa discussão pensando algumas das questões levantadas por ele também para a área de História.

Além de recomendarmos a leitura do artigo do prof. Ginzburg, sugerimos aos que quiserem se aprofundar no tema antes do seminário que vejam o post publicado neste blog.

 

Produtivismo, citações e publicação em periódicos – algumas reportagens

No próximo junho, teremos um seminário para discutir os artigos em periódicos e sua leitura e impacto nas Humanidades. Como estímulo e preparação para esse debate, indicamos abaixo algumas reportagens que tocam e problematizam aspectos do modo de produção acadêmico, a análise por pares e os constrangimentos criados pela indústria do produtivismo:

“Uma análise sobre pesquisas acadêmicas não citadas,” por Simon Baker – matéria que saiu originalmente no Times Higher Education, traduzida pelo blog Café História, que fala de um estudo recente indicando que os artigos de História estão aqueles que têm menos citações após cinco anos de publicação, segundo as grandes bases de artigos.  Uma das conclusões do estudo é os artigos das áreas de Humanas demoram mais para terem algum “impacto” e sua “meia-vida” é maior, o que significa que índices e métricas que se baseiam no impacto em curto prazo ou políticas de financiamento que privilegiam a produção recente têm sérios limites para essas áreas.

“Is the staggeringly profitable business of scientific publishing bad for science?,” por Stephen Buranyi – Longa reportagem publicada ano passado no The Guardian que mostra como se criou a extremamente lucrativa indústria da publicação acadêmica e como esta fez com que o “publish or perish” virasse regra. Acompanha a trajetória do magnata Robert Maxwell que percebeu uma oportunidade inexplorada para o lucro nas editoras e periódicos acadêmicos, depois imitada e ampliada por editoras tradicionais como a Elsevier, que hoje monopolizam um mercado que movimenta bilhões de dólares.
(Obs.: Modelo que, embora não gere tal lucro no mundo editorial das humanidades, foi imitado e rege, atualmente, a produção acadêmica na área, como aponta o artigo linkado acima).

“Sweden cancels Elsevier contract as open-access dispute spreads,” por Chris Havergal – Notícia que foi publicada este mê pelo Times Higher Education reportando que um consórcio de universidades da Suécia se juntou a universidades da Alemanha e França que cancelaram assinaturas da editora Elsevier por conta da sua política de “open access”. A proposta é que todos pesquisadores das universidades suecas que tiverem projetos financiados com recursos públicos só publiquem os resultados das pesquisas em periódicos de acesso aberto.

“Is the Peer Review Process for Scientific Papers Broken?,” por Melinda Baldwin –  texto publicado na revista Time em 2014 que  questiona se o sistema de avaliação por pares, considerado e construído sob a lógica das editoras comerciais descrita na reportagem linkada acima, faz ainda sentido e, mais importante, se de fato é garantia de “boa ciência” ou “progresso científico”.

“From the Editor’s Desk: The Perils of Peer Review,” por Alex Lichtenstein – Em uma perspectiva oposta ao artigo linkado acima, o editorial do último número da The American Historical Review defende o sistema de avaliação por pares da revista e indicam que mesmo que pretendam mudar em parte o perfil editorial da revista manterão o método de avaliação pois ele é o garante dos “altos padrões” da publicação.

[A charge, que acompanha este post, foi retirada daqui]

I Colóquio do Observatório – Novembro de 2016

Em 2016, tivemos a primeira edição do Colóquio, já com a proposta de construirmos um Observatório das práticas historiográficas e do “modo de produção” acadêmico no Brasil. Abaixo segue a programação deste primeiro evento no qual se formalizou o Observatório da História.

22/11/2016

Abertura – 10h:

Apresentação: Profa. Dra. Andréa Slemian e Profa. Dra. Mariana Martins Villaça (Coordenação do PPGH Unifesp)

Exposição: Prof. Dr. Valdei Lopes de Araújo (UFOP), A formação do regime de autonomia avaliativo no Sistema Nacional de Pós-graduação e o futuro das relações entre historiografia, ensino e experiência da história

Mesa 1 – 11h/13h: Espaços, condições e horizontes do trabalho historiográfico

Mediadora: Profa. Dra. Leila Mezan Algranti (Unicamp)

Prof. Dr. Luis Filipe Silvério Lima (Unifesp), As políticas de financiamento à pesquisa, as Ciências Humanas e a área de História

Profa. Dra. Marcia Barbosa Mansor D’Aléssio (Unifesp), Teoria da História/História da historiografia: sobre a construção do campo

Prof. Dr. João Paulo Garrido Pimenta (USP), História nacional e história não-nacional na historiografia brasileira atual

Mesa 2 – 14h30/16h30: Ofício, saberes e produtos historiográficos

Mediador: Prof. Dr. Nelson Schapochnik (USP)

Profa. Dra. Ana Lucia Lana Nemi (Unifesp), O Contemporâneo no ensino de História

Prof. Dr. Antonio Simplício de Almeida Neto (Unifesp), Memórias e escritos do ensino de História: apontamentos iniciais

Prof. Dr. Luis Antonio Coelho Ferla (Unifesp), As humanidades digitais e o ofício do historiador

Mesa 3 – 17h/19h: Difusão e circulação da produção historiográfica

Mediador: Prof. Dr. Miguel Soares Palmeira (USP)

Caio Vinícius de Castro Gerbelli (Mestrando PPGH-Unifesp / Revista Hydra), Um panorama das revistas discentes dos programas de pós e dos cursos de graduação em História. 

Profa. Dra. Maria Rita de Almeida Toledo (Unifesp), Historiografia em revistas: reflexões discentes sobre a produção e circulação do conhecimento em periódicos acadêmicos contemporâneos

Prof. Dr. Julio Bentivoglio (UFES), Revistas de História: objeto privilegiado para se estudar a História da historiografia

23/11/2016

10h: Reunião – formação de um GT permanente com os participantes das mesas

Seminários do Observatório: Maio de 2017

Iniciando os seminários do Observatório, em 22 de maio de 2017, tivemos uma mesa composta pelos profs. Maria Helena Capelato (USP) e Thiago Nicodemo (então UERJ, atualmente na Unicamp).  A profa. Capelato falou sobre “O compromisso do historiador frente aos dilemas do seu tempo” e o prof. Nicodemo “Como se deve escrever e ensinar história do Brasil depois da universidade? Disciplina e profissão do historiador ontem e hoje”.