Arquivo da categoria: Artigos

[ARTIGO] Livros digitais: potencialidades e desafios para as Ciências Humanas

O texto de Maria Clementina Cunha e Silvia Lara, do Cecult/Unicamp, apresenta uma discussão sobre os livros digitais e a produção e divulgação em História. Traz também a experiência frente à coleção Históri@ Illustrada, da Editora da Unicamp.

As autoras enviaram-nos o texto para que publicássemos aqui no blog do Observatório, pelo que agradecemos.

Boa leitura e deixem seus comentários!

LIVROS DIGITAIS:
potencialidades e desafios para as Ciências Humanas

Maria Clementina Pereira Cunha
Silvia Hunold Lara

Cecult/Unicamp

Quando foi eleito presidente da Associação Americana de História (AHA -American Historical Association), Robert Darnton pensou em políticas de longo alcance na área de História. Na divulgação de suas pesquisas sobre o mundo dos livros no século XVIII, ele estava cada vez mais interessado pelas potencialidades da internet e dos recursos digitais e começava sua bem-sucedida carreira junto a bibliotecas públicas e acadêmicas.1 Propôs então à AHA um projeto que visava publicar títulos acadêmicos em formato eletrônico. A ideia destinava-se a promover áreas pouco interessantes para as editoras convencionais e a incentivar pesquisadores em início de carreira. Mas era também uma forma de divulgar pesquisas históricas de um novo jeito, mais barato e acessível, utilizando a tecnologia digital para incluir “uma quantidade ilimitada de evidências documentais, ilustrações, gravações sonoras, filmes e conexões com outras publicações” impossíveis de serem feitas num livro impresso (DARNTON, 2009, p. 80).

Depois de um longo tempo de preparação, o projeto, chamado Gutenberg-e, desenvolveu-se entre 2000 e 2006. A AHA patrocinou um concurso anual para escolher as melhores seis teses na área de História, que recebiam um prêmio para serem transformadas em livros digitais e eram então editados e vendidos pela Columbia University Press. Ao todo foram publicados 35 títulos, que hoje se encontram disponíveis mediante assinatura gratuita no programa Humanities E-book, pertencente ao American Council of Lerned Societies.2 Alguns deles guardam muita semelhança com o formato impresso, permitindo apenas uma leitura linear, sequencial. Outros aproveitaram o formato digital para usar áudio, vídeo, imagens e hipertexto, com mecanismos de busca e links que permitem que o leitor navegue em muitas direções. (DARNTON, 2009, p. 85-86) Continuar a ler[ARTIGO] Livros digitais: potencialidades e desafios para as Ciências Humanas

[ARTIGO] Escola para quê? Notas sobre o discurso da escola para o trabalho – Maria Rita Toledo

 

O texto abaixo foi apresentado por Maria Rita de Almeida Toledo, da Unifesp, no Fórum de Graduação da Anpuh-SP. Fez parte das atividades do GT de Ensino de História e das discussões sobre o BNCC realizadas ao longo de 2017 e 2018, um debate importantíssimo para nós da área de História.

A profa. Maria Rita enviou-nos seu texto para que o publicássemos e discutíssemos aqui no blog do Observatório, pelo que lhe agradecemos.

Boa leitura e deixem seus comentários!

Escola para quê?
Notas sobre o discurso da escola para o trabalho

Maria Rita de Almeida Toledo
Unifesp

 

Os educadores vêm testemunhando um colossal esforço – que não tem se mostrado exatamente malsucedido – de exportação, para as escolas, da crise econômica e de relações de autoridade que afeta as práticas e políticas de grupos dominantes. Querem nos convencer que “se as escolas, seus professores e seus currículos fossem rigidamente controlados, mais estreitamente vinculados às necessidades das empresas e das indústrias, mais tecnicamente orientados e mais fundamentados nos valores tradicionais e nas normas e regulamentos dos locais de trabalho, então os problemas de aproveitamento escolar, de desemprego, de competitividade econômica internacional, de deterioração das áreas centrais das cidades etc. desapareceriam quase por completo.1

O excerto do texto de Apple, escrito nos anos 90, apesar de não se referir especificamente à escola brasileira, nos desvela de pronto as representações que têm se apresentado como senso comum – como discurso hegemônico sobre a escola – e por isso mesmo, têm justificado, de um lado, as necessidades das reformas do ensino médio e do currículo expressas na BNCC, e de outro, são as linhas mestras dessas mesmas reformas. Como discurso que se quer hegemônico, tende a apagar outras possibilidades para a escola e seus significados, assim como a sua história. Esse apagamento já está implicado na autorização de um discurso reiterado sobre a ineficácia da atuação das instituições escolares no Brasil, da inexistência de experiências positivas produzidas pelos seus corpos docentes, discentes ou administrativos, de seu eterno fracasso. Esse fracasso, portanto, autoriza as reformas educacionais, porque essas últimas, finalmente, produziriam o “novo” para essas instituições. Esse “novo”, calcado no controle rígido do currículo e na articulação das finalidades da escola às finalidades do mundo empresarial, seria a solução mágica para a inépcia do professor e a ignorância de seus alunos. Continuar a ler[ARTIGO] Escola para quê? Notas sobre o discurso da escola para o trabalho – Maria Rita Toledo

[ARTIGO] O Futuro do Passado no Presente: historiografia e indisciplina – Arthur Avila

Este é o terceiro texto que publicamos no blog resultante das apresentações e intervenções feitas nos Seminários & Colóquios do Observatório. O prof.  Arthur Avila, da UFRGS, apresentou uma versão do texto abaixo no III Colóquio do Observatório. O texto será publicado ano que vem em livro.

Boa leitura e deixem seus comentários!

O Futuro do Passado no Presente:
historiografia e indisciplina
i

Arthur Lima de Avila
Dep. de História/UFRGS

Há algum tempo, vários autores e autoras tem feito alguns prognósticos bastante sombrios quanto ao futuro da historiografia disciplinada. Mesmo que mal-estares não sejam necessariamente novos nas oficinas de Clio, existe, nas atuais considerações, algo mais casmurro do que a simples constatação de uma crise qualquer: para estes analistas, é o próprio futuro da disciplina que parece estar em jogo nas primeiras décadas do século XIX. O argumento, esgrimido de diversas maneiras por diferentes historiadores e historiadoras, tais como Maria Inés Mudrovcic (2014), Chris Lorenz (2014), Rodrigo Turin (2018) e Ethan Kleinberg (2017), é simples, ainda que não menos grave por isso: produto de uma determinada conjuntura histórica, aquela da Europa ocidental decimonónica, e fielmente atrelada aos seus pressupostos fundadores, a historiografia disciplinada estaria se tornando, ou já se tornado, obsoleta no novo milênio, justamente por causa das mudanças estruturais globais do último meio século, pelo menos. Desta maneira, não estaríamos passando por uma simples “crise de paradigmas” ou “de metodologias”, ou, para parafrasear Albert Camus (2017, p. 53), o problema não seria o o vocabulário, mas o tempo: nessa situação, estaríamos enfrentando uma crescente resistência, ou mesmo a inexistência, de uma demanda contemporânea pelo tipo de conhecimento proporcionado pela disciplina. Não seria o caso, assim, de estarmos vivendo num “mundo sem passado”, como asseverou Manuel Cruz (2013), mas em um em que a história, uma das imaginações modernas por excelência, se tornou desnecessária ou redundante, ao menos para os projetos de poder dominantes na atualidade. Continuar a ler[ARTIGO] O Futuro do Passado no Presente: historiografia e indisciplina – Arthur Avila

O Debate sobre a regulamentação profissional: o caso da História – Lucas Sacht

O texto que se segue foi elaborado Lucas Engel Sacht, Graduando do Curso de História da UFPR, como introdução à mesa-redonda “O Debate sobre a regulamentação profissional: o caso da História”, que ocorreu no Departamento de História da UFPR em 14 de setembro de 2018. Agradecemos ao Lucas pelo envio e ao prof. Rafael Benthien pela sugestão.

INTRODUÇÃO

A regulamentação da profissão de historiador é um assunto de nítido interesse para todos e todas nós e que acaba ficando em segundo plano pelos demais eventos bombásticos dos últimos anos. A urgência de pautas como a reforma do Ensino Médio, a BNCC, PEC do Teto, anúncio de “falência” da CAPES, cortes sobre cortes na educação, o incêndio no Museu Nacional… Enfim, completem essa lista com a má notícia de sua preferência, nos tira um pouco do fôlego para debater questões como a regulamentação da profissão de historiador.

No entanto, esse debate é necessário pelas implicações que a regulamentação terá sobre nós, e é fundamental compreendermos a legislação e demais burocracias que nos rodeiam. Talvez perdemos um pouco do timing ideal, do momento de elaborar propostas enquanto comunidade acadêmica de História da UFPR para gerar efeitos sobre o projeto, visto que no momento ele se encontra pronto para sua última votação no Senado, o que pode ocorrer a qualquer momento. Continuar a lerO Debate sobre a regulamentação profissional: o caso da História – Lucas Sacht

[ARTIGO] Qualis Periódicos na Área de História – Rafael Benthien

Este é o segundo texto que publicamos no blog, resultante das apresentações e intervenções feitas nos Seminários & Colóquios do Observatório. O prof. Rafael Benthien apresentou uma versão do texto abaixo no II Colóquio do Observatório, que será publicado ano que vem no livro A História (In)Disciplinada: Teoria, Ensino e Difusão do Conhecimento Histórico, organizado por Fernando Nicolazzi, Arthur Ávila e Rodrigo Turin. Agradecemos a autorização dos editores para a publicação aqui no blog do Observatório!

Boa leitura e deixem seus comentários!


QUALIS PERIÓDICOS NA ÁREA DE HISTÓRIA: 
Alguns apontamentos sobre os pressupostos, os resultados e os possíveis efeitos de uma avaliação institucional (2013-2016)1.

Rafael Faraco Benthien (PPGHIS/DEHIS-UFPR)

Apublicação em periódicos é, nos modernos sistema de ensino e pesquisa, condição indispensável para a viabilização de uma carreira científica. Por seu caráter serial,  tal suporte tende aintensificar e a normatizar a circulação de ideias e de pessoas, contribuindo decisivamente para o reconhecimento, tanto positivo quanto negativo, dos pesquisadores. Ocorre apenas que os periódicos não existem de forma isolada. Eles se definem, antes, em relação atudo o que se faz no âmbito da ciência, podendo, inclusive, por efeitos de concorrência ou de legislação, ser pressionados  modificar seu conteúdo, seu formato, sua periodicidade e sua ancoragem institucional. Dada essa complexidade, os autores que neles publicam raramente conseguem vislumbrar a totalidade dos veículos xistentes. Reféns dos limites de suas próprias capacidades produtivas, bem como de suas posições e do sentido de suas apostas– quer estas se definam em termos de objeto, de preferências teórico-metodológicas e mesmo de padrões de sociabilidade –,eles estão fadados a restringir sua participação a uma parcela dosperiódicos, em geral bastante reduzida.

O último Qualis Periódicos, avaliação relativa ao quadriênio 2013-2016, oferece, nesse sentido, uma oportunidade singular: trata-se de um instrumento privilegiado para que os produtores de conhecimento consigam ampliar a compreensão que têm do universomais amplo em que se inserem. Tendo sido elaborado a partir da produção de todos os pesquisadores atrelados aos programas de pós-graduação nacionais, tal como esta foi cadastrada na plataforma Sucupira do Governo Federal, seus resultados encontram-se materializados em uma série de listas, divididas por áreas, contendo os periódicos frequentados durante o intervalo. Essas listas não indicam, importa destacar, a intensidade com que se investiu em cada revista. Tudo se passa como se o observador estivesse diante de um mapa contendo todos os caminhos, sem conseguir distinguir, no entanto, entre a pequena trilha explorada por um andarilho solitário e as grandes avenidas nas quais os pesquisadores de uma área realizam suas tradicionais procissões. Eis aí, por certo, uma limitação, mas que está longe de inviabilizar o uso desse recurso como objeto de estudo. Continuar a ler[ARTIGO] Qualis Periódicos na Área de História – Rafael Benthien

[ARTIGO] Seminários de Atualização Historiográfica II – M.Rita Toledo e Fábio Franzini

Este é o primeiro texto que publicamos no blog, resultante das apresentações e intervenções feitas nos Seminários & Colóquios do Observatório. A prof. Maria Rita apresentou uma versão do texto abaixo no I Colóquio.
Em breve, mais textos serão publicados.

Boa leitura e deixem seus comentários!

z

SEMINÁRIOS DE ATUALIZAÇÃO HISTORIOGRÁFICA II:
relato de uma proposta formativa

Profa Dra Maria Rita de Almeida Toledo
Prof. Dr. Fábio Franzini

O objetivo deste texto é apresentar os contornos da proposta formativa da unidade curricular Seminários de Atualização Historiográfica II, voltada para os alunos do Programa de Pós-Graduação em História da Unifesp. Fruto de uma longa discussão sobre as estratégias de inserir os estudantes no debate acadêmico de modo que ampliassem seus horizontes e percebessem que o próprio campo da História está em movimento, essa discussão fez parte da construção do projeto do Programa, aprovado pela CAPES em 2011. Continuar a ler[ARTIGO] Seminários de Atualização Historiográfica II – M.Rita Toledo e Fábio Franzini