Arquivo da Categoria: Debates e Textos

Tempos de produção, tempos de publicação, um fio por Rosana Pinheiro-Machado

Ao ler as colocações abaixo da antropóloga e professora da Universidade de Bath Rosana Pinheiro-Machado no Tuíter, onde saíram originalmente como um fio, pensamos que seria questão importante para trazer para reflexão aqui no Observatório. É um texto que, de maneira pertinente e provocativa, pensa o mundo das publicações, do debate público e de tornar público o que produzimos na academia, particularmente pensando nas pressões dos tempos e como isso impacta na carreira de jovens pesquisador@s. Assim, entramos em contato com a professora Pinheiro-Machado, perguntando se poderíamos publicá-lo, e ficamos extremamente contentes e agradecidos quando, muito gentilmente, ela nos permitiu que o fio fosse editado para ser veiculado aqui como um post.

Boa leitura do fio, agora em post, para tod@s!

Continuar a lerTempos de produção, tempos de publicação, um fio por Rosana Pinheiro-Machado

A PROPÓSITO DA CARTA DE PALOMA AMADO A GUGA CHACRA – Samira Adel Osman

Nestas ‘Provocações à História’ que faz às vezes de resposta a textos recentes veiculados por Guga Chacra, Samira Adel Osman, professora de História da Ásia do Departamento de História da Unifesp, problematiza porque não se cobriu e comentou de maneira complexa os últimos eventos trágicos ocorridos em Beirute, lançando-se mão de certos lugares-comuns de um memória mitificada da ‘herança’ da imigração libanesa no Brasil. 

Boa leitura e deixem seus comentários!

Continuar a lerA PROPÓSITO DA CARTA DE PALOMA AMADO A GUGA CHACRA – Samira Adel Osman

Jaime Rodrigues, sobre os nomes de escravistas em ruas e monumentos públicos

Jaime Rodrigues, professor do Departamento de História da Unifesp, escreveu o texto abaixo que foi divulgado pelo Facebook do projeto Salvador Escravista. Por gentileza de seu autor, estamos reproduzindo-o aqui no blog do Observatório.

Em plena ditadura civil-militar, foi sancionada pelo então presidente-general Ernesto Geisel a Lei nº 6.454, de 24 de outubro de 1977, dispondo sobre a denominação de logradouros, obras, serviços e monumentos públicos. Seu artigo 1º é o que nos interessa aqui: por ele, ficava vedado ‘atribuir nome de pessoa viva a bem público, de qualquer natureza, pertencente à União ou às pessoas jurídicas da administração indireta’.

A fim de evitar propaganda pessoal e benefício partidário, essa lei nos dá a exata medida da dimensão política envolvida em uma atividade aparentemente prosaica como nomear ruas e edifícios públicos e fazer homenagens em bronze e granito. O fato é que os nomes de edificações e ruas e as homenagens públicas cabem na definição de lugares da memória tal como a expressão vem sendo discutida ao menos desde que o historiador Pierre Nora organizou a coleção Les lieuxs de mémoirs, publicada entre 1984 e 1993.

No Brasil, em um período de maior densidade democrática, a lei mencionada acima teve sua redação alterada e passou a vigorar como Lei nº 12.781, de 10 de janeiro de 2013, durante o mandato da presidente Dilma Rousseff. Além de pessoas vivas, era vedado atribuir a logradouros, obras, serviços e monumentos públicos ‘nome de pessoa (…) que tenha se notabilizado pela defesa ou exploração de mão de obra escrava, em qualquer modalidade’.

Isso deveria ser o fim da história, fruto da pressão de movimentos sociais sobre as esferas governamentais em um ambiente propício ao diálogo. Imediatamente, deveriam ter sido formadas comissões nas diferentes instâncias do poder público para averiguar quais bens próprios, ruas, avenidas e monumentos mereceriam troca de nome ou retirada do espaço público.

Porém, sabemos que a memória é campo de disputas e que é preciso mobilização para fazer cumprir as leis em vigor, sobretudo aquelas que foram fruto de demandas da população que, com justa razão, sente-se incomodada pela homenagem a pessoas que promoveram a escravização de outros seres humanos em função da cor de suas peles.

Se a escravidão tem uma história, a memória escravista também tem e não há motivo para que, deliberadamente, se celebre o escravizador, na contramão das tão necessárias (e ainda tão poucas) políticas de reparação.

Jaime Rodrigues

[ARTIGO] BNCC e a Formação de Professores: Interlocuções possíveis ou “façamos um trato”

Neste belo ensaio, Antonio Simplicio de Almeida Neto, do Departamento de História da Unifesp, discute as implicações da BNCC para a formação de professores e o Ensino de História. O texto foi debatido anteriormente no Fórum de Ensino de História – A História na Educação Básica organizado pelo GT Ensino de História da Anpuh-Brasil , na mesa “História e Ciências Humanas no Ensino Médio: Interlocuções Possíveis”, em 6 de dezembro 2019 na FFLHC-USP. .

Integrante e colaborador do Observatório, o prof. Antonio enviou-nos o texto para que publicássemos aqui no blog, pelo que agradecemos. Boa leitura e deixem seus comentários!

BNCC E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Interlocuções possíveis ou “façamos um trato”

Prof. Dr. Antonio Simplicio de Almeida Neto UNIFESP – Depto. História

O escritor e matemático Lewis Carrol (1832-1898) é o autor do poema visual Tail-Poem, traduzido por Augusto de Campos e publicado no livro O Anticrítico (1986)1.

Poema-Cauda
Tradução de Augusto de Campos do poema de Lewis Carrol. (imagem retirada do blog de Cecilia Furquim)
Continuar a ler[ARTIGO] BNCC e a Formação de Professores: Interlocuções possíveis ou “façamos um trato”

[ARTIGO] Livros digitais: potencialidades e desafios para as Ciências Humanas

O texto de Maria Clementina Cunha e Silvia Lara, do Cecult/Unicamp, apresenta uma discussão sobre os livros digitais e a produção e divulgação em História. Traz também a experiência frente à coleção Históri@ Illustrada, da Editora da Unicamp.

As autoras enviaram-nos o texto para que publicássemos aqui no blog do Observatório, pelo que agradecemos.

Boa leitura e deixem seus comentários!

LIVROS DIGITAIS:
potencialidades e desafios para as Ciências Humanas

Maria Clementina Pereira Cunha
Silvia Hunold Lara

Cecult/Unicamp

Quando foi eleito presidente da Associação Americana de História (AHA -American Historical Association), Robert Darnton pensou em políticas de longo alcance na área de História. Na divulgação de suas pesquisas sobre o mundo dos livros no século XVIII, ele estava cada vez mais interessado pelas potencialidades da internet e dos recursos digitais e começava sua bem-sucedida carreira junto a bibliotecas públicas e acadêmicas.1 Propôs então à AHA um projeto que visava publicar títulos acadêmicos em formato eletrônico. A ideia destinava-se a promover áreas pouco interessantes para as editoras convencionais e a incentivar pesquisadores em início de carreira. Mas era também uma forma de divulgar pesquisas históricas de um novo jeito, mais barato e acessível, utilizando a tecnologia digital para incluir “uma quantidade ilimitada de evidências documentais, ilustrações, gravações sonoras, filmes e conexões com outras publicações” impossíveis de serem feitas num livro impresso (DARNTON, 2009, p. 80).

Depois de um longo tempo de preparação, o projeto, chamado Gutenberg-e, desenvolveu-se entre 2000 e 2006. A AHA patrocinou um concurso anual para escolher as melhores seis teses na área de História, que recebiam um prêmio para serem transformadas em livros digitais e eram então editados e vendidos pela Columbia University Press. Ao todo foram publicados 35 títulos, que hoje se encontram disponíveis mediante assinatura gratuita no programa Humanities E-book, pertencente ao American Council of Lerned Societies.2 Alguns deles guardam muita semelhança com o formato impresso, permitindo apenas uma leitura linear, sequencial. Outros aproveitaram o formato digital para usar áudio, vídeo, imagens e hipertexto, com mecanismos de busca e links que permitem que o leitor navegue em muitas direções. (DARNTON, 2009, p. 85-86) Continuar a ler[ARTIGO] Livros digitais: potencialidades e desafios para as Ciências Humanas

[ARTIGO] Escola para quê? Notas sobre o discurso da escola para o trabalho – Maria Rita Toledo

 

O texto abaixo foi apresentado por Maria Rita de Almeida Toledo, da Unifesp, no Fórum de Graduação da Anpuh-SP. Fez parte das atividades do GT de Ensino de História e das discussões sobre o BNCC realizadas ao longo de 2017 e 2018, um debate importantíssimo para nós da área de História.

A profa. Maria Rita enviou-nos seu texto para que o publicássemos e discutíssemos aqui no blog do Observatório, pelo que lhe agradecemos.

Boa leitura e deixem seus comentários!

Escola para quê?
Notas sobre o discurso da escola para o trabalho

Maria Rita de Almeida Toledo
Unifesp

 

Os educadores vêm testemunhando um colossal esforço – que não tem se mostrado exatamente malsucedido – de exportação, para as escolas, da crise econômica e de relações de autoridade que afeta as práticas e políticas de grupos dominantes. Querem nos convencer que “se as escolas, seus professores e seus currículos fossem rigidamente controlados, mais estreitamente vinculados às necessidades das empresas e das indústrias, mais tecnicamente orientados e mais fundamentados nos valores tradicionais e nas normas e regulamentos dos locais de trabalho, então os problemas de aproveitamento escolar, de desemprego, de competitividade econômica internacional, de deterioração das áreas centrais das cidades etc. desapareceriam quase por completo.1

O excerto do texto de Apple, escrito nos anos 90, apesar de não se referir especificamente à escola brasileira, nos desvela de pronto as representações que têm se apresentado como senso comum – como discurso hegemônico sobre a escola – e por isso mesmo, têm justificado, de um lado, as necessidades das reformas do ensino médio e do currículo expressas na BNCC, e de outro, são as linhas mestras dessas mesmas reformas. Como discurso que se quer hegemônico, tende a apagar outras possibilidades para a escola e seus significados, assim como a sua história. Esse apagamento já está implicado na autorização de um discurso reiterado sobre a ineficácia da atuação das instituições escolares no Brasil, da inexistência de experiências positivas produzidas pelos seus corpos docentes, discentes ou administrativos, de seu eterno fracasso. Esse fracasso, portanto, autoriza as reformas educacionais, porque essas últimas, finalmente, produziriam o “novo” para essas instituições. Esse “novo”, calcado no controle rígido do currículo e na articulação das finalidades da escola às finalidades do mundo empresarial, seria a solução mágica para a inépcia do professor e a ignorância de seus alunos. Continuar a ler[ARTIGO] Escola para quê? Notas sobre o discurso da escola para o trabalho – Maria Rita Toledo