Arquivo da categoria: Debates e Textos

[ARTIGO] Livros digitais: potencialidades e desafios para as Ciências Humanas

O texto de Maria Clementina Cunha e Silvia Lara, do Cecult/Unicamp, apresenta uma discussão sobre os livros digitais e a produção e divulgação em História. Traz também a experiência frente à coleção Históri@ Illustrada, da Editora da Unicamp.

As autoras enviaram-nos o texto para que publicássemos aqui no blog do Observatório, pelo que agradecemos.

Boa leitura e deixem seus comentários!

LIVROS DIGITAIS:
potencialidades e desafios para as Ciências Humanas

Maria Clementina Pereira Cunha
Silvia Hunold Lara

Cecult/Unicamp

Quando foi eleito presidente da Associação Americana de História (AHA -American Historical Association), Robert Darnton pensou em políticas de longo alcance na área de História. Na divulgação de suas pesquisas sobre o mundo dos livros no século XVIII, ele estava cada vez mais interessado pelas potencialidades da internet e dos recursos digitais e começava sua bem-sucedida carreira junto a bibliotecas públicas e acadêmicas.1 Propôs então à AHA um projeto que visava publicar títulos acadêmicos em formato eletrônico. A ideia destinava-se a promover áreas pouco interessantes para as editoras convencionais e a incentivar pesquisadores em início de carreira. Mas era também uma forma de divulgar pesquisas históricas de um novo jeito, mais barato e acessível, utilizando a tecnologia digital para incluir “uma quantidade ilimitada de evidências documentais, ilustrações, gravações sonoras, filmes e conexões com outras publicações” impossíveis de serem feitas num livro impresso (DARNTON, 2009, p. 80).

Depois de um longo tempo de preparação, o projeto, chamado Gutenberg-e, desenvolveu-se entre 2000 e 2006. A AHA patrocinou um concurso anual para escolher as melhores seis teses na área de História, que recebiam um prêmio para serem transformadas em livros digitais e eram então editados e vendidos pela Columbia University Press. Ao todo foram publicados 35 títulos, que hoje se encontram disponíveis mediante assinatura gratuita no programa Humanities E-book, pertencente ao American Council of Lerned Societies.2 Alguns deles guardam muita semelhança com o formato impresso, permitindo apenas uma leitura linear, sequencial. Outros aproveitaram o formato digital para usar áudio, vídeo, imagens e hipertexto, com mecanismos de busca e links que permitem que o leitor navegue em muitas direções. (DARNTON, 2009, p. 85-86) Continuar a ler[ARTIGO] Livros digitais: potencialidades e desafios para as Ciências Humanas

[ARTIGO] Escola para quê? Notas sobre o discurso da escola para o trabalho – Maria Rita Toledo

 

O texto abaixo foi apresentado por Maria Rita de Almeida Toledo, da Unifesp, no Fórum de Graduação da Anpuh-SP. Fez parte das atividades do GT de Ensino de História e das discussões sobre o BNCC realizadas ao longo de 2017 e 2018, um debate importantíssimo para nós da área de História.

A profa. Maria Rita enviou-nos seu texto para que o publicássemos e discutíssemos aqui no blog do Observatório, pelo que lhe agradecemos.

Boa leitura e deixem seus comentários!

Escola para quê?
Notas sobre o discurso da escola para o trabalho

Maria Rita de Almeida Toledo
Unifesp

 

Os educadores vêm testemunhando um colossal esforço – que não tem se mostrado exatamente malsucedido – de exportação, para as escolas, da crise econômica e de relações de autoridade que afeta as práticas e políticas de grupos dominantes. Querem nos convencer que “se as escolas, seus professores e seus currículos fossem rigidamente controlados, mais estreitamente vinculados às necessidades das empresas e das indústrias, mais tecnicamente orientados e mais fundamentados nos valores tradicionais e nas normas e regulamentos dos locais de trabalho, então os problemas de aproveitamento escolar, de desemprego, de competitividade econômica internacional, de deterioração das áreas centrais das cidades etc. desapareceriam quase por completo.1

O excerto do texto de Apple, escrito nos anos 90, apesar de não se referir especificamente à escola brasileira, nos desvela de pronto as representações que têm se apresentado como senso comum – como discurso hegemônico sobre a escola – e por isso mesmo, têm justificado, de um lado, as necessidades das reformas do ensino médio e do currículo expressas na BNCC, e de outro, são as linhas mestras dessas mesmas reformas. Como discurso que se quer hegemônico, tende a apagar outras possibilidades para a escola e seus significados, assim como a sua história. Esse apagamento já está implicado na autorização de um discurso reiterado sobre a ineficácia da atuação das instituições escolares no Brasil, da inexistência de experiências positivas produzidas pelos seus corpos docentes, discentes ou administrativos, de seu eterno fracasso. Esse fracasso, portanto, autoriza as reformas educacionais, porque essas últimas, finalmente, produziriam o “novo” para essas instituições. Esse “novo”, calcado no controle rígido do currículo e na articulação das finalidades da escola às finalidades do mundo empresarial, seria a solução mágica para a inépcia do professor e a ignorância de seus alunos. Continuar a ler[ARTIGO] Escola para quê? Notas sobre o discurso da escola para o trabalho – Maria Rita Toledo