Arquivo da categoria: Notícias

Boaventura sobre a universidade hoje, 100 anos após Córdoba

Na CRES 2018 (Conferencia Regional de Educación Superior de América Latina y el Caribe), que ocorreu em Córdoba, em junho passado, o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos proferiu a  conferência de abertura na qual tratou sobre o papel da universidade hoje e os desafios da universidade. O local e a data, marcando o centenário do levante estudantil de Córdoba de 1918, permearam sua fala, lembrando também outra comemoração de um levante estudantil, o Maio de 1968 (este, por sinal, mais lembrado no Brasil do que aquele).

O interessante é que ao falar de ambos, 1918 e 1968, enunciou que os desafios e adversários da universidade hoje, frente ao neoliberalismo, são muito maiores do que eram então. Nesse sentido, fez uma reflexão, similar à realizada ano passado na Unifesp, como a universidade pode se repensar não só para enfrentar mas para sobreviver à mercantilização e à precarização criada pelos novos sistemas de gestão e avaliação impostos a (ou por vezes criados por) ela. Mais do que isso, defendeu que a universidade precisa se reinventar num ponto central, a sua própria produção de conhecimento, para recuperar um sentido (não só social) que se perdeu com a quebra dos pactos das universidades com as classes médias e as elites dirigentes. A pertinente e (provocadora) fala pode ser vista inteira no YouTube da conferência e um resumo pode ser lido em matéria do jornal argentino Página 12, “Bajo lo asedio neoliberal”.

Matéria sobre desemprego, mercado acadêmico e jovens doutores

O portal G1 publicou uma matéria sobre a situação do mercado de trabalho acadêmico e as perspectivas (a falta delas) para jovens doutores. Há pontos ali merecedores de uma reflexão maior.  Para além da resposta evasiva e falsa do MEC sobre a falta de recursos para o sistema público federal, há pontos importantes a se considerar sobre como e para quê estamos formando tantos doutores.

Aqui tomo emprestadas as ponderações de Rodrigo Turin expressas na reportagem (e que foram apresentadas de maneira ampla e muito contudente no último Colóquio do Observatório) para que problematizemos também sobre os rumos da Pós-Graduação e da formação de historiodor@s neste contexto de crise. Não devemos nos perguntar se não estamos, como no caso da nossa produção (ou melhor, do nosso produtivismo), simplesmente reproduzindo uma lógica produtivista e de mercado acadêmico?

Um resultado disso pode ser resumido pela anedota que está na introdução de Manifesto of a Tenured Radical (Nova York: NYU Press, 1997),  que um doutorando ao se aproximar da defesa, após anos sendo incentivado a fazer pesquisa e buscar ser original e ter níveis de “excelência”, disse que começou a ver o túnel no fim da luz.

Para a matéria inteira, clicar aqui.

Obs.: a tirinha que ilustra o post é do Ph.D Comics e pode ser lida aqui.

Mais um Observatório

O grupo de trabalho “Tendencias y Debates Historiográficos en Uruguay y la Región (siglos XIX y XX)”, coordenado pelo Prof. Dr. Tomás Sansón Corbo e radicado no Departamento de Historiología da Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación da Universidad de la República (Uruguai), acaba de lançar uma página web, associada a outras plataformas digitais  – Facebook, Instagram, YouTube.

Chamada Observatorio Historiográfico del Sur – OBHISUR, seu propósito é difundir pesquisas, publicações, eventos e notícias, com vistas a dinamizar o fluxo de informações e favorecer a implementação de atividades relacionadas à História da Historiografia.

Confiram: https://historiografiatend.wixsite.com/obhisur

Produtivismo, citações e publicação em periódicos – algumas reportagens

No próximo junho, teremos um seminário para discutir os artigos em periódicos e sua leitura e impacto nas Humanidades. Como estímulo e preparação para esse debate, indicamos abaixo algumas reportagens que tocam e problematizam aspectos do modo de produção acadêmico, a análise por pares e os constrangimentos criados pela indústria do produtivismo:

“Uma análise sobre pesquisas acadêmicas não citadas,” por Simon Baker – matéria que saiu originalmente no Times Higher Education, traduzida pelo blog Café História, que fala de um estudo recente indicando que os artigos de História estão aqueles que têm menos citações após cinco anos de publicação, segundo as grandes bases de artigos.  Uma das conclusões do estudo é os artigos das áreas de Humanas demoram mais para terem algum “impacto” e sua “meia-vida” é maior, o que significa que índices e métricas que se baseiam no impacto em curto prazo ou políticas de financiamento que privilegiam a produção recente têm sérios limites para essas áreas.

“Is the staggeringly profitable business of scientific publishing bad for science?,” por Stephen Buranyi – Longa reportagem publicada ano passado no The Guardian que mostra como se criou a extremamente lucrativa indústria da publicação acadêmica e como esta fez com que o “publish or perish” virasse regra. Acompanha a trajetória do magnata Robert Maxwell que percebeu uma oportunidade inexplorada para o lucro nas editoras e periódicos acadêmicos, depois imitada e ampliada por editoras tradicionais como a Elsevier, que hoje monopolizam um mercado que movimenta bilhões de dólares.
(Obs.: Modelo que, embora não gere tal lucro no mundo editorial das humanidades, foi imitado e rege, atualmente, a produção acadêmica na área, como aponta o artigo linkado acima).

“Sweden cancels Elsevier contract as open-access dispute spreads,” por Chris Havergal – Notícia que foi publicada este mê pelo Times Higher Education reportando que um consórcio de universidades da Suécia se juntou a universidades da Alemanha e França que cancelaram assinaturas da editora Elsevier por conta da sua política de “open access”. A proposta é que todos pesquisadores das universidades suecas que tiverem projetos financiados com recursos públicos só publiquem os resultados das pesquisas em periódicos de acesso aberto.

“Is the Peer Review Process for Scientific Papers Broken?,” por Melinda Baldwin –  texto publicado na revista Time em 2014 que  questiona se o sistema de avaliação por pares, considerado e construído sob a lógica das editoras comerciais descrita na reportagem linkada acima, faz ainda sentido e, mais importante, se de fato é garantia de “boa ciência” ou “progresso científico”.

“From the Editor’s Desk: The Perils of Peer Review,” por Alex Lichtenstein – Em uma perspectiva oposta ao artigo linkado acima, o editorial do último número da The American Historical Review defende o sistema de avaliação por pares da revista e indicam que mesmo que pretendam mudar em parte o perfil editorial da revista manterão o método de avaliação pois ele é o garante dos “altos padrões” da publicação.

[A charge, que acompanha este post, foi retirada daqui]