Arquivo da categoria: Observatório

[ARTIGO] O Futuro do Passado no Presente: historiografia e indisciplina – Arthur Avila

Este é o terceiro texto que publicamos no blog resultante das apresentações e intervenções feitas nos Seminários & Colóquios do Observatório. O prof.  Arthur Avila, da UFRGS, apresentou uma versão do texto abaixo no III Colóquio do Observatório. O texto será publicado ano que vem em livro.

Boa leitura e deixem seus comentários!

O Futuro do Passado no Presente:
historiografia e indisciplina
i

Arthur Lima de Avila
Dep. de História/UFRGS

Há algum tempo, vários autores e autoras tem feito alguns prognósticos bastante sombrios quanto ao futuro da historiografia disciplinada. Mesmo que mal-estares não sejam necessariamente novos nas oficinas de Clio, existe, nas atuais considerações, algo mais casmurro do que a simples constatação de uma crise qualquer: para estes analistas, é o próprio futuro da disciplina que parece estar em jogo nas primeiras décadas do século XIX. O argumento, esgrimido de diversas maneiras por diferentes historiadores e historiadoras, tais como Maria Inés Mudrovcic (2014), Chris Lorenz (2014), Rodrigo Turin (2018) e Ethan Kleinberg (2017), é simples, ainda que não menos grave por isso: produto de uma determinada conjuntura histórica, aquela da Europa ocidental decimonónica, e fielmente atrelada aos seus pressupostos fundadores, a historiografia disciplinada estaria se tornando, ou já se tornado, obsoleta no novo milênio, justamente por causa das mudanças estruturais globais do último meio século, pelo menos. Desta maneira, não estaríamos passando por uma simples “crise de paradigmas” ou “de metodologias”, ou, para parafrasear Albert Camus (2017, p. 53), o problema não seria o o vocabulário, mas o tempo: nessa situação, estaríamos enfrentando uma crescente resistência, ou mesmo a inexistência, de uma demanda contemporânea pelo tipo de conhecimento proporcionado pela disciplina. Não seria o caso, assim, de estarmos vivendo num “mundo sem passado”, como asseverou Manuel Cruz (2013), mas em um em que a história, uma das imaginações modernas por excelência, se tornou desnecessária ou redundante, ao menos para os projetos de poder dominantes na atualidade. Continuar a ler[ARTIGO] O Futuro do Passado no Presente: historiografia e indisciplina – Arthur Avila

[ARTIGO] Qualis Periódicos na Área de História – Rafael Benthien

Este é o segundo texto que publicamos no blog, resultante das apresentações e intervenções feitas nos Seminários & Colóquios do Observatório. O prof. Rafael Benthien apresentou uma versão do texto abaixo no II Colóquio do Observatório, que será publicado ano que vem no livro A História (In)Disciplinada: Teoria, Ensino e Difusão do Conhecimento Histórico, organizado por Fernando Nicolazzi, Arthur Ávila e Rodrigo Turin. Agradecemos a autorização dos editores para a publicação aqui no blog do Observatório!

Boa leitura e deixem seus comentários!


QUALIS PERIÓDICOS NA ÁREA DE HISTÓRIA: 
Alguns apontamentos sobre os pressupostos, os resultados e os possíveis efeitos de uma avaliação institucional (2013-2016)1.

Rafael Faraco Benthien (PPGHIS/DEHIS-UFPR)

Apublicação em periódicos é, nos modernos sistema de ensino e pesquisa, condição indispensável para a viabilização de uma carreira científica. Por seu caráter serial,  tal suporte tende aintensificar e a normatizar a circulação de ideias e de pessoas, contribuindo decisivamente para o reconhecimento, tanto positivo quanto negativo, dos pesquisadores. Ocorre apenas que os periódicos não existem de forma isolada. Eles se definem, antes, em relação atudo o que se faz no âmbito da ciência, podendo, inclusive, por efeitos de concorrência ou de legislação, ser pressionados  modificar seu conteúdo, seu formato, sua periodicidade e sua ancoragem institucional. Dada essa complexidade, os autores que neles publicam raramente conseguem vislumbrar a totalidade dos veículos xistentes. Reféns dos limites de suas próprias capacidades produtivas, bem como de suas posições e do sentido de suas apostas– quer estas se definam em termos de objeto, de preferências teórico-metodológicas e mesmo de padrões de sociabilidade –,eles estão fadados a restringir sua participação a uma parcela dosperiódicos, em geral bastante reduzida.

O último Qualis Periódicos, avaliação relativa ao quadriênio 2013-2016, oferece, nesse sentido, uma oportunidade singular: trata-se de um instrumento privilegiado para que os produtores de conhecimento consigam ampliar a compreensão que têm do universomais amplo em que se inserem. Tendo sido elaborado a partir da produção de todos os pesquisadores atrelados aos programas de pós-graduação nacionais, tal como esta foi cadastrada na plataforma Sucupira do Governo Federal, seus resultados encontram-se materializados em uma série de listas, divididas por áreas, contendo os periódicos frequentados durante o intervalo. Essas listas não indicam, importa destacar, a intensidade com que se investiu em cada revista. Tudo se passa como se o observador estivesse diante de um mapa contendo todos os caminhos, sem conseguir distinguir, no entanto, entre a pequena trilha explorada por um andarilho solitário e as grandes avenidas nas quais os pesquisadores de uma área realizam suas tradicionais procissões. Eis aí, por certo, uma limitação, mas que está longe de inviabilizar o uso desse recurso como objeto de estudo. Continuar a ler[ARTIGO] Qualis Periódicos na Área de História – Rafael Benthien

III Colóquio do Observatório da História

Convidamos a tod@s a participarem do III Colóquio do Observatório da História, que ocorrerá dia 6 de novembro no Campus Guarulhos, EFLCH, da Unifesp. A programação segue abaixo.


PROGRAMAÇÃO
10h – Abertura

Coordenações do PPGH e do ProfHistória Unifesp / Comissão Organizadora
10h30 – Mesa 1: Ensino de História em tempos sombrios
Nilton Mullet Pereira (UFRGS)
Rebeca Gontijo (UFRRJ)
12h30 – Almoço
14h30 – Mesa 2: “Virtudes” do historiador e “indisciplinarização” da História
João Rodolfo Munhoz Ohara (Unesp-Assis) 
Arthur Ávila (UFRGS)
16h30 – Intervalo
17h – Mesa 3: Presentismo(s), atualismo(s) e distopia(s)
Temístocles Cezar (UFRGS)
Valdei Araújo (UFOP)
19h – Encerramento

Local: Sala 317 do Prédio Acadêmico
EFLCH, Unifesp – Campus Guarulhos
Estrada do Caminho Velho, 333
Guarulhos – SP

INSCRIÇÕES NO LOCAL

Seminários do Observatório: “Problemas na avaliação de periódicos acadêmicos”

SEMINÁRIO do OBSERVATÓRIO
Problemas na avaliação de periódicos acadêmicos
Prof. Dr. Jaime Ginzburg (USP)
Quarta, 20/6, 10h30
Sala 110 – Unifesp-Guarulhos

Próxima quarta, 20/6, receberemos na Unifesp Guarulhos, o Prof. Dr. Jaime Ginzburg, da USP, para o segundo Seminário do Observatório. Ele discutirá conosco o tema central dos “Problemas na avaliação de periódicos acadêmicos”. Convidamos tod@s interessad@s para participar desse debate.

O prof. Ginzburg escreveu em 2013 um artigo discutindo essa questão, analisando a citação de artigos nas teses na área de Letras. Em sua apresentação, buscará retomar essa discussão pensando algumas das questões levantadas por ele também para a área de História.

Além de recomendarmos a leitura do artigo do prof. Ginzburg, sugerimos aos que quiserem se aprofundar no tema antes do seminário que vejam o post publicado neste blog.

 

I Colóquio do Observatório – Novembro de 2016

Em 2016, tivemos a primeira edição do Colóquio, já com a proposta de construirmos um Observatório das práticas historiográficas e do “modo de produção” acadêmico no Brasil. Abaixo segue a programação deste primeiro evento no qual se formalizou o Observatório da História.

22/11/2016

Abertura – 10h:

Apresentação: Profa. Dra. Andréa Slemian e Profa. Dra. Mariana Martins Villaça (Coordenação do PPGH Unifesp)

Exposição: Prof. Dr. Valdei Lopes de Araújo (UFOP), A formação do regime de autonomia avaliativo no Sistema Nacional de Pós-graduação e o futuro das relações entre historiografia, ensino e experiência da história

Mesa 1 – 11h/13h: Espaços, condições e horizontes do trabalho historiográfico

Mediadora: Profa. Dra. Leila Mezan Algranti (Unicamp)

Prof. Dr. Luis Filipe Silvério Lima (Unifesp), As políticas de financiamento à pesquisa, as Ciências Humanas e a área de História

Profa. Dra. Marcia Barbosa Mansor D’Aléssio (Unifesp), Teoria da História/História da historiografia: sobre a construção do campo

Prof. Dr. João Paulo Garrido Pimenta (USP), História nacional e história não-nacional na historiografia brasileira atual

Mesa 2 – 14h30/16h30: Ofício, saberes e produtos historiográficos

Mediador: Prof. Dr. Nelson Schapochnik (USP)

Profa. Dra. Ana Lucia Lana Nemi (Unifesp), O Contemporâneo no ensino de História

Prof. Dr. Antonio Simplício de Almeida Neto (Unifesp), Memórias e escritos do ensino de História: apontamentos iniciais

Prof. Dr. Luis Antonio Coelho Ferla (Unifesp), As humanidades digitais e o ofício do historiador

Mesa 3 – 17h/19h: Difusão e circulação da produção historiográfica

Mediador: Prof. Dr. Miguel Soares Palmeira (USP)

Caio Vinícius de Castro Gerbelli (Mestrando PPGH-Unifesp / Revista Hydra), Um panorama das revistas discentes dos programas de pós e dos cursos de graduação em História. 

Profa. Dra. Maria Rita de Almeida Toledo (Unifesp), Historiografia em revistas: reflexões discentes sobre a produção e circulação do conhecimento em periódicos acadêmicos contemporâneos

Prof. Dr. Julio Bentivoglio (UFES), Revistas de História: objeto privilegiado para se estudar a História da historiografia

23/11/2016

10h: Reunião – formação de um GT permanente com os participantes das mesas

Seminários do Observatório: Maio de 2017

Iniciando os seminários do Observatório, em 22 de maio de 2017, tivemos uma mesa composta pelos profs. Maria Helena Capelato (USP) e Thiago Nicodemo (então UERJ, atualmente na Unicamp).  A profa. Capelato falou sobre “O compromisso do historiador frente aos dilemas do seu tempo” e o prof. Nicodemo “Como se deve escrever e ensinar história do Brasil depois da universidade? Disciplina e profissão do historiador ontem e hoje”.

II Colóquio do Observatório da História – Novembro de 2017

Realizado em novembro de 2017, o II Colóquio do Observatório da História buscou promover uma discussão a partir de três eixos: 1. o do espaço da produção, que envolve tanto temáticas e áreas, bem como políticas de fomento; 2. o das formas de circulação e visibilidade de seus principais agentes, os historiadores; 3. o das práticas culturais para criação dos saberes históricos, ou seja, o de como trabalhamos.

Abaixo seguem as mesas de discussão:

terça-feira, 21 de novembro
10h00 Avaliação na área de História: processos, índices e resultados
Rodrigo Turin (UniRio) e Tania Regina de Luca (Unesp-Assis)
Mediador: Luís Filipe Silvério Lima (Unifesp)

14h00 Interpares: os filtros da produção
Miguel Palmeira (USP) e Rafael Benthien (UFPR)
Mediador: Rodrigo Patto Sá Motta (UFMG)

16h30 A formação em História: currículos e trajetórias da graduação à pós-graduação ​
A​na Maria Monteiro (UFRJ) e Josianne Cesaroli (Unicamp)
Mediador: Antonio Simplício de Almeida Neto (Unifesp)

quarta-feira, 22 de novembro
10h00 Caminhos do Observatório: reunião de balanço e perspectivas

Observatório da História

O “Observatório da História” pretende constituir um espaço plural, coletivo e integrado que se dedique a acompanhar, pesquisar e diagnosticar o modo de produção (e reprodução) historiográfico no Brasil. Esse espaço busca funcionar como: 1) ponto de convergência de historiadores e historiadoras de todo o país interessados em discutir o campo; 2) e, sobretudo, um incentivador tanto do levantamento quanto da própria produção de dados e informações as mais completas possíveis a seu respeito. Com isso, além de articular debates e análises, espera-se intervir na comunidade historiadora e induzir a crítica às práticas ligadas ao ofício, seja no âmbito acadêmico, seja no âmbito escolar, seja ainda na esfera pública. O “Observatório” busca ser um canal para pensar, discutir, coletar, congregar e organizar procedimentos e instrumentos sistematizados, consistentes e abrangentes que se voltam à mensuração, reflexão e avaliação acerca dos lugares, práticas, condições e horizontes do trabalho historiográfico no Brasil hoje.

Atrelada a essa dimensão de diagnóstico da historiografia atual, há também a necessidade de se refletir como os modos de financiamento, avaliação institucional e externa, sistemas de formação e de pesquisa, estrutura de publicação e divulgação editorial, construção da carreira e definição da profissão têm impactado a própria produção do conhecimento na área. Pergunta-se em que medida esse olhar mais concreto para as condições materiais do fazer historiográfico pode, por um lado, fazer compreender os rumos e escolhas do campo nos últimos tempos e, por outro, questionar se e em que medida as políticas e dinâmicas relativas à área têm sido eficazes, de fato, na constituição de um campo sólido e maduro, de uma produção relevante e inovadora, de espaços profícuos de debate e de uma reflexão historiográfica crítica.

O “Observatório” é face on-line de uma iniciativa iniciada em 2016 no Programa de Pós-Graduação em História da Unifesp, mas que congrega pesquisadores da UFES, UFOP, UFRRJ, Unicamp, USP. Servirá para veicular os textos produzidos por esses pesquisadores, os resultados de suas pesquisas e de eventos organizados pelo “Observatório”, bem como sistematizar indicadores da área, mas está aberto a contribuições de colegas de outras instituições. Além disso, pretende divulgar notícias sobre a produção historiográfica e financiamento e fomento à pesquisa, bem como estimular debates.