Arquivo da categoria: Provocações à História

[ARTIGO] Escola para quê? Notas sobre o discurso da escola para o trabalho – Maria Rita Toledo

 

O texto abaixo foi apresentado por Maria Rita de Almeida Toledo, da Unifesp, no Fórum de Graduação da Anpuh-SP. Fez parte das atividades do GT de Ensino de História e das discussões sobre o BNCC realizadas ao longo de 2017 e 2018, um debate importantíssimo para nós da área de História.

A profa. Maria Rita enviou-nos seu texto para que o publicássemos e discutíssemos aqui no blog do Observatório, pelo que lhe agradecemos.

Boa leitura e deixem seus comentários!

Escola para quê?
Notas sobre o discurso da escola para o trabalho

Maria Rita de Almeida Toledo
Unifesp

 

Os educadores vêm testemunhando um colossal esforço – que não tem se mostrado exatamente malsucedido – de exportação, para as escolas, da crise econômica e de relações de autoridade que afeta as práticas e políticas de grupos dominantes. Querem nos convencer que “se as escolas, seus professores e seus currículos fossem rigidamente controlados, mais estreitamente vinculados às necessidades das empresas e das indústrias, mais tecnicamente orientados e mais fundamentados nos valores tradicionais e nas normas e regulamentos dos locais de trabalho, então os problemas de aproveitamento escolar, de desemprego, de competitividade econômica internacional, de deterioração das áreas centrais das cidades etc. desapareceriam quase por completo.1

O excerto do texto de Apple, escrito nos anos 90, apesar de não se referir especificamente à escola brasileira, nos desvela de pronto as representações que têm se apresentado como senso comum – como discurso hegemônico sobre a escola – e por isso mesmo, têm justificado, de um lado, as necessidades das reformas do ensino médio e do currículo expressas na BNCC, e de outro, são as linhas mestras dessas mesmas reformas. Como discurso que se quer hegemônico, tende a apagar outras possibilidades para a escola e seus significados, assim como a sua história. Esse apagamento já está implicado na autorização de um discurso reiterado sobre a ineficácia da atuação das instituições escolares no Brasil, da inexistência de experiências positivas produzidas pelos seus corpos docentes, discentes ou administrativos, de seu eterno fracasso. Esse fracasso, portanto, autoriza as reformas educacionais, porque essas últimas, finalmente, produziriam o “novo” para essas instituições. Esse “novo”, calcado no controle rígido do currículo e na articulação das finalidades da escola às finalidades do mundo empresarial, seria a solução mágica para a inépcia do professor e a ignorância de seus alunos. Continuar a ler[ARTIGO] Escola para quê? Notas sobre o discurso da escola para o trabalho – Maria Rita Toledo

O Debate sobre a regulamentação profissional: o caso da História – Lucas Sacht

O texto que se segue foi elaborado Lucas Engel Sacht, Graduando do Curso de História da UFPR, como introdução à mesa-redonda “O Debate sobre a regulamentação profissional: o caso da História”, que ocorreu no Departamento de História da UFPR em 14 de setembro de 2018. Agradecemos ao Lucas pelo envio e ao prof. Rafael Benthien pela sugestão.

INTRODUÇÃO

A regulamentação da profissão de historiador é um assunto de nítido interesse para todos e todas nós e que acaba ficando em segundo plano pelos demais eventos bombásticos dos últimos anos. A urgência de pautas como a reforma do Ensino Médio, a BNCC, PEC do Teto, anúncio de “falência” da CAPES, cortes sobre cortes na educação, o incêndio no Museu Nacional… Enfim, completem essa lista com a má notícia de sua preferência, nos tira um pouco do fôlego para debater questões como a regulamentação da profissão de historiador.

No entanto, esse debate é necessário pelas implicações que a regulamentação terá sobre nós, e é fundamental compreendermos a legislação e demais burocracias que nos rodeiam. Talvez perdemos um pouco do timing ideal, do momento de elaborar propostas enquanto comunidade acadêmica de História da UFPR para gerar efeitos sobre o projeto, visto que no momento ele se encontra pronto para sua última votação no Senado, o que pode ocorrer a qualquer momento. Continuar a lerO Debate sobre a regulamentação profissional: o caso da História – Lucas Sacht

Matéria sobre desemprego, mercado acadêmico e jovens doutores

O portal G1 publicou uma matéria sobre a situação do mercado de trabalho acadêmico e as perspectivas (a falta delas) para jovens doutores. Há pontos ali merecedores de uma reflexão maior.  Para além da resposta evasiva e falsa do MEC sobre a falta de recursos para o sistema público federal, há pontos importantes a se considerar sobre como e para quê estamos formando tantos doutores.

Aqui tomo emprestadas as ponderações de Rodrigo Turin expressas na reportagem (e que foram apresentadas de maneira ampla e muito contudente no último Colóquio do Observatório) para que problematizemos também sobre os rumos da Pós-Graduação e da formação de historiodor@s neste contexto de crise. Não devemos nos perguntar se não estamos, como no caso da nossa produção (ou melhor, do nosso produtivismo), simplesmente reproduzindo uma lógica produtivista e de mercado acadêmico?

Um resultado disso pode ser resumido pela anedota que está na introdução de Manifesto of a Tenured Radical (Nova York: NYU Press, 1997),  que um doutorando ao se aproximar da defesa, após anos sendo incentivado a fazer pesquisa e buscar ser original e ter níveis de “excelência”, disse que começou a ver o túnel no fim da luz.

Para a matéria inteira, clicar aqui.

Obs.: a tirinha que ilustra o post é do Ph.D Comics e pode ser lida aqui.

Produtivismo, citações e publicação em periódicos – algumas reportagens

No próximo junho, teremos um seminário para discutir os artigos em periódicos e sua leitura e impacto nas Humanidades. Como estímulo e preparação para esse debate, indicamos abaixo algumas reportagens que tocam e problematizam aspectos do modo de produção acadêmico, a análise por pares e os constrangimentos criados pela indústria do produtivismo:

“Uma análise sobre pesquisas acadêmicas não citadas,” por Simon Baker – matéria que saiu originalmente no Times Higher Education, traduzida pelo blog Café História, que fala de um estudo recente indicando que os artigos de História estão aqueles que têm menos citações após cinco anos de publicação, segundo as grandes bases de artigos.  Uma das conclusões do estudo é os artigos das áreas de Humanas demoram mais para terem algum “impacto” e sua “meia-vida” é maior, o que significa que índices e métricas que se baseiam no impacto em curto prazo ou políticas de financiamento que privilegiam a produção recente têm sérios limites para essas áreas.

“Is the staggeringly profitable business of scientific publishing bad for science?,” por Stephen Buranyi – Longa reportagem publicada ano passado no The Guardian que mostra como se criou a extremamente lucrativa indústria da publicação acadêmica e como esta fez com que o “publish or perish” virasse regra. Acompanha a trajetória do magnata Robert Maxwell que percebeu uma oportunidade inexplorada para o lucro nas editoras e periódicos acadêmicos, depois imitada e ampliada por editoras tradicionais como a Elsevier, que hoje monopolizam um mercado que movimenta bilhões de dólares.
(Obs.: Modelo que, embora não gere tal lucro no mundo editorial das humanidades, foi imitado e rege, atualmente, a produção acadêmica na área, como aponta o artigo linkado acima).

“Sweden cancels Elsevier contract as open-access dispute spreads,” por Chris Havergal – Notícia que foi publicada este mê pelo Times Higher Education reportando que um consórcio de universidades da Suécia se juntou a universidades da Alemanha e França que cancelaram assinaturas da editora Elsevier por conta da sua política de “open access”. A proposta é que todos pesquisadores das universidades suecas que tiverem projetos financiados com recursos públicos só publiquem os resultados das pesquisas em periódicos de acesso aberto.

“Is the Peer Review Process for Scientific Papers Broken?,” por Melinda Baldwin –  texto publicado na revista Time em 2014 que  questiona se o sistema de avaliação por pares, considerado e construído sob a lógica das editoras comerciais descrita na reportagem linkada acima, faz ainda sentido e, mais importante, se de fato é garantia de “boa ciência” ou “progresso científico”.

“From the Editor’s Desk: The Perils of Peer Review,” por Alex Lichtenstein – Em uma perspectiva oposta ao artigo linkado acima, o editorial do último número da The American Historical Review defende o sistema de avaliação por pares da revista e indicam que mesmo que pretendam mudar em parte o perfil editorial da revista manterão o método de avaliação pois ele é o garante dos “altos padrões” da publicação.

[A charge, que acompanha este post, foi retirada daqui]