Manifesto

Por uma historiografia crítica e autoconsciente

No quadro geral da historiografia brasileira, a virada do século XX para o XXI configura-se como um momento que merece ser visto com muita atenção. Desde a década de 1980, movimentos distintos, mas convergentes, como a consolidação dos cursos de graduação, a afirmação do sistema nacional de pós-graduação, a melhoria das condições gerais de pesquisa, a ampliação dos meios de difusão do conhecimento histórico e a integração a diferentes redes internacionais vêm fazendo com que nosso trabalho se mostre altamente profissional e qualificado.

No entanto, para além de iniciativas específicas e circunscritas, quando não isoladas – realizadas em/por Programas de Pós-Graduação, seminários acadêmicos, pesquisas individuais –, poucos são os procedimentos e instrumentos sistematizados, consistentes e abrangentes que se voltam à mensuração, reflexão e avaliação acerca dos lugares, práticas, condições e horizontes do trabalho historiográfico no Brasil hoje. Por conta disso, a percepção e a compreensão do alcance e do impacto daquilo que fazemos, quando postos em pauta, ficam muitas vezes reféns de particularidades várias ou mesmo de impressionismos que esvaziam a complexidade de todas essas dimensões e de seus agentes.

Atrelada a essa dimensão de diagnóstico da historiografia atual, percebemos a necessidade de refletirmos como os modos de financiamento, avaliação institucional e externa, sistemas de formação e de pesquisa, estrutura de publicação e divulgação editorial, construção da carreira e definição da profissão têm impactado a própria produção do conhecimento na área e a formação dos historiadores em nosso país. Pergunta-se em que medida esse olhar mais concreto para as condições materiais do fazer historiográfico pode, por um lado, fazer compreender os rumos e escolhas do campo nos últimos tempos e, por outro, questionar se e em que medida as políticas e dinâmicas relativas à área têm sido eficazes, de fato, na constituição de um campo sólido e maduro, de uma produção relevante e inovadora, de espaços profícuos de debate e de uma reflexão historiográfica crítica.

Diante de tal cenário, a proposta que ora lançamos é a de constituir um espaço plural, coletivo e integrado que se dedique a acompanhar, pesquisar e diagnosticar o modo de produção (e reprodução) historiográfico no Brasil. Sob o nome Observatório da História, esse espaço visa a funcionar como ponto de convergência de historiadores e historiadoras de todo o país interessados em discutir o campo e, sobretudo, como incentivador tanto do levantamento quanto da própria produção de dados e informações as mais completas possíveis a seu respeito. Com isso, além de articular debates e análises, espera-se intervir na comunidade historiadora e induzir a crítica às práticas ligadas ao ofício, seja no âmbito acadêmico, seja no âmbito escolar, seja ainda na esfera pública. Como? Por meio de colóquios e reuniões de trabalho; de uma página web aberta à contribuição constante de colaboradores, regulares ou não; da aproximação à entidades como a Anpuh e o Fórum de Coordenadores de Programas de Pós-Graduação; do mapeamento de iniciativas e atividades similares já existentes pelo país; da divulgação ampla dos resultados de seus debates e pesquisas; do monitoramento de, mas também do subsídio a políticas públicas na área de história.

Sabemos que a tarefa é grandiosa e nada fácil, por isso enfatizamos e insistimos no caráter coletivo, interinstitucional, deste empreendimento – único modo de torná-lo viável, dinâmico e arejado. Por outro lado, o que nos move a levá-la adiante é a lembrança de uma velha advertência de Luiz Costa Lima, que, formulada em 1975, ainda nos soa incomodamente atual: “quando uma comunidade não tem a prática da discussão, o uso da linguagem crítica sempre lhe parece ameaçador”.